common:navbar-cta
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

A pesquisa aquapônica contemporânea tem mostrado uma forte consciência das preocupações particulares levantadas na problemática do Antropoceno. Justificativas para a pesquisa aquapônica tendem a colocar em primeiro plano o desafio da segurança alimentar em um globo com uma população humana crescente e uma base de recursos sempre tensa. Por exemplo, König et al. (2016) situam precisamente a aquaponia dentro das preocupações planetárias do discurso do Antropoceno quando afirmam: “Garantir a segurança alimentar no século XXI dentro de limites planetários sustentáveis requer uma intensificação agro-ecológica multifacetada da produção de alimentos e dissociação da utilização insustentável dos recursos”. Para esses importantes objetivos de sustentabilidade, afirma-se que a tecnologia aquapônica é muito promissora (Goddek et al. 2015). Os inovadores sistemas fechados da aquapônica oferecem uma convergência especialmente sedutora de potenciais resoluções que poderiam contribuir para um futuro mais sustentável.

Os defensores da aquapônica muitas vezes enfatizam os princípios ecológicos no coração desta tecnologia emergente. Os sistemas aquapônicos aproveitam o potencial positivo de um ecossistema mais ou menos simples, a fim de reduzir o uso de insumos finitos, reduzindo simultaneamente os subprodutos de resíduos e outras externalidades. Por estes motivos, a tecnologia aquaponica pode ser vista como um exemplo primário de “intensificação sustentável” (Garnett et al. 2013) ou, mais precisamente, como uma forma de “intensificação ecológica”, uma vez que os seus princípios fundadores se baseiam na gestão dos organismos prestadores de serviços para quantificáveis e diretos contribuições para a produção agrícola (Bommarco et al. 2013). A partir deste princípio agroecológico flui um grande número de potenciais benefícios de sustentabilidade. Os capítulos 1 e 2 deste livro fazem um trabalho exemplar de destacá-los, detalhando os desafios enfrentados pelo nosso sistema alimentar e situando ciência aquaponica como locus potencial para uma série de intervenções de sustentabilidade e segurança alimentar. Não há necessidade de repetir esses pontos novamente, mas vale ressaltar que essa percepção de convergência de potenciais resoluções é o que impulsiona a pesquisa e fortalece a “convicção de que essa tecnologia tem potencial para desempenhar um papel significativo na produção de alimentos no futuro” (7) (Junge et al. 2017).

No entanto, apesar das consideráveis alegações feitas por seus defensores, o futuro da aquapônica é menos do que certo. O tipo de papel que a aquapônica pode desempenhar nas transições para o fornecimento sustentável de alimentos ainda está em grande parte para debate - é crucial sublinhar que a publicação dos resultados de sustentabilidade e segurança alimentar dos sistemas aquánicos permanece visível pela sua ausência em toda a Europa (König et al. 2018). No papel, os atributos “carismáticos” da aquapônica garantem que ela possa ser facilmente apresentada como um tipo de inovação “bala de prata” que chega ao cerne das questões mais profundas de sustentabilidade e segurança alimentar do nosso sistema alimentar (Brooks et al. 2009). Tais imagens têm sido capazes de atrair considerável atenção para a aquapônica muito além dos limites da pesquisa acadêmica — considerar, por exemplo, a produção significativa de 'hype' aquapônico 'on-line em comparação com campos semelhantes, apontados de forma útil por Junge et al. (2017). É aqui que podemos levar tempo para apontar a relação entre o potencial percebido da aquapônica e o “tecno-otimismo”.

A introdução de cada nova tecnologia é acompanhada por mitos que estimulam um maior interesse por essa tecnologia (Schoenbach 2001). Os mitos são divulgados entre os primeiros adotantes e são recolhidos pela mídia geral muitas vezes muito antes que a comunidade científica tenha tempo para analisar e responder completamente às suas reivindicações. Os mitos, como afirma Schoenbach (2001, 362), são amplamente acreditados porque “compreendem uma explicação clara e convincente do mundo”. Estas explicações poderosas são capazes de energizar e alinhar a acção individual, comunitária e também institucional para fins particulares. A “beleza” da aquapônica, se podemos chamá-la assim, é que o conceito pode muitas vezes transformar a complexidade das questões de sustentabilidade e segurança alimentar em metáforas de sistemas claras, compreensíveis e escaláveis. A imagem omnipresente do ciclo aquapônico — água fluindo entre peixes, plantas e bactérias — que resolve elegantemente os desafios do sistema alimentar é exemplar aqui. No entanto, mitos sobre tecnologia, sejam otimistas ou pessimistas, compartilham uma visão tecnodeterminística da relação entre tecnologia e sociedade (Schoenbach 2001). Dentro da visão tecno-determinística da tecnologia, é a tecnologia que causa mudanças importantes na sociedade: se conseguirmos mudar a tecnologia, conseguiremos assim mudar o mundo. Independentemente de a mudança ser para melhor (tecnootimismo) ou pior (tecnofobia), a tecnologia por si só cria um efeito.

As opiniões tecno-deterministas têm sido profundamente criticadas em termos sociológicos, filosóficos (Bradley 2011), marxistas (Hornborg 2013), material-semiótica (Latour 1996) e feministas (Haraway 1997). Essas abordagens mais matizadas do desenvolvimento tecnológico afirmariam que a tecnologia por si só não traz mudança à sociedade; não é nem inerentemente boa nem ruim, mas está sempre inserida nas estruturas da sociedade, e são essas estruturas que permitem o uso e o efeito da tecnologia em questão. Em um grau ou outro, a tecnologia é uma entidade emergente, cujos efeitos não podemos conhecer antecipadamente (de Laet e Mol 2000). Isto pode parecer um ponto óbvio, mas o tecnodeterminismo continua a ser uma característica forte, se muitas vezes latente, dentro da nossa paisagem epistemológica contemporânea. Nossas sociedades tecnológicas impulsionadas pela inovação são mantidas por regimes discursivos que se mantêm à promessa de renovação social através do avanço tecnológico (Lave et al. 2010). Tais crenças têm demonstrado ter um importante papel normativo dentro de comunidades de especialistas, sejam eles cientistas, empresários ou formuladores de políticas (Franklin 1995; Soini e Birkeland 2014).

A ascensão da aquaponia em toda a Europa está entrelaçada com interesses específicos de vários intervenientes. Podemos identificar pelo menos cinco processos societais que levaram ao desenvolvimento da aquaponia: (a) interesse das autoridades públicas no financiamento de soluções de alta tecnologia para problemas de sustentabilidade; (b) financiamento de capital de risco, motivado pelos sucessos em startups de TI, procurando “a próxima grande coisa” que talvez descobrir o novo 'unicórnio' (empresas startups avaliadas em mais de\ $1 bilhão); (c) interesse focado em eventos de mídia de massa em reportagens instantâneas sobre histórias positivas de novas startups aquapônicas, alimentadas pelas atividades de relações públicas dessas startups, com relatórios raros de acompanhamento da mídia sobre as empresas que faliram; (d) crescimento apoiado pela Internet de comunidades aquaponicas entusiasmadas e “faça você mesmo”, compartilhando valores de sustentabilidade e amor por mexer com novas tecnologias; (e) interesses dos desenvolvedores urbanos em encontrar soluções economicamente viáveis para espaços urbanos vagos e ecologização do espaço urbano; e (f) pesquisa focadas no desenvolvimento de soluções tecnológicas para problemas iminentes de sustentabilidade e segurança alimentar. Em maior ou menor grau, o espectro da esperança tecno-otimista permeia o desenvolvimento da aquapônica.

Embora as reivindicações de posições tecno-otimistas sejam inspiradoras e capazes de precipitar o investimento de dinheiro, tempo e recursos de diversos atores, o potencial de tais pontos de vista gerarem justiça e sustentabilidade tem sido questionado em escalas de questões locais (Leonard 2013) e regionais (Hultman 2013) aos imperativos globais (Hamilton 2013). E é neste ponto que podemos considerar as ambições de nosso próprio campo. Um bom ponto de partida seria a “ação COST FA1305”, que tem sido um importante facilitador da produção de investigação aquapônica na Europa nos últimos anos, com várias publicações reconhecendo o impacto positivo da ação na capacitação da investigação (Miličić et al. 2017; Delaide et al. 2017; Villarroel et al. 2016). Tal como todas as acções COST, este instrumento transnacional de ligação em rede financiado pela UE tem funcionado como um centro de investigação aquapónica na Europa, galvanizando e alargando as redes tradicionais entre os investigadores, reunindo peritos da ciência, das instalações experimentais e dos empresários. A declaração de missão original da ação COST FA1305 diz o seguinte:

A Aquaponics tem um papel fundamental a desempenhar no fornecimento de alimentos e enfrentando desafios globais, como escassez de água, segurança alimentar, urbanização e reduções no uso de energia e milhas de alimentos. A UE reconhece estes desafios através da sua Política Agrícola Comum e das políticas de protecção da água, alterações climáticas e integração social. É necessária uma abordagem europeia no domínio da investigação aquapônica emergente a nível mundial, assente nos fundamentos do estatuto europeu de centro global de excelência e inovação tecnológica nos domínios da aquicultura e da horticultura hidropônica. O Hub Aquaponics da UE visa o desenvolvimento da aquapônica na UE, liderando a agenda de investigação através da criação de um centro de ligação em rede de cientistas especializados em investigação e indústria, engenheiros, economistas, aquicultores e horticultores, e contribuindo para a formação de jovens cientistas aquánicos. O Hub Aquaponics da UE concentra-se em três sistemas primários em três ambientes: (1) “cidades e zonas urbanas” — aquaponia para a agricultura urbana, (2) “sistemas de países em desenvolvimento” — conceber sistemas e tecnologias para a segurança alimentar das populações locais e (3) “aquaponia à escala industrial” — fornecer sistemas competitivos fornecimento de alimentos locais eficazes em termos de custos, saudáveis e sustentáveis na UE. (http://www.cost.eu/COST_Actions/fa/FA1305, 12.10.2017, ênfase adicionada).

Como a declaração da missão sugere, desde o início da ação COST FA1305, foram colocados altos níveis de otimismo sobre o papel da aquapônica no enfrentamento dos desafios de sustentabilidade e segurança alimentar. A criação do Hub COST EU Aquaponics consistiu em “proporcionar um fórum necessário para a aquapônica “pontapé inicial” como uma indústria séria e potencialmente viável para a produção sustentável de alimentos na UE e no mundo” (COST 2013). De fato, a partir da participação dos autores no COST FA1305, nossa experiência duradoura foi sem dúvida uma de fazer parte de uma comunidade de pesquisa vibrante, entusiasmada e altamente qualificada, mais ou menos unida em sua ambição de fazer a aquapônica trabalhar para um futuro mais sustentável. Quatro anos após a emissão do comunicado de missão do Hub Aquaponic, no entanto, o potencial de sustentabilidade e segurança alimentar da aquapônica permanece exatamente esse potencial. Actualmente, é incerto o papel preciso que a aquaponia possa desempenhar no futuro sistema alimentar da Europa (König et al. 2018).

A narrativa comumente observada de que a aquapônica fornece uma solução sustentável para os desafios globais que a agricultura enfrenta revela um equívoco fundamental do que é realmente capaz de alcançar. O lado vegetal da aquapônica é a horticultura, não a agricultura, produzindo vegetais e folhas verdes com alto teor de água e baixo valor nutricional em comparação com os alimentos básicos que a agricultura produz nas terras agrícolas. Uma rápida comparação da área agrícola atual, área hortícola e área hortícola protegida, 184,332 kmsup2/sup, 2,290 kmsup2/sup (1,3%) e 9,84 kmsup2/sup (0,0053%), na Alemanha, revela a falha na narrativa. Mesmo que considerando uma produtividade muito maior na aquapônica através da utilização de sistemas ambientais controlados, a aquapônica não está nem perto de ter o potencial de causar um impacto real na prática agrícola. Isto torna-se ainda mais evidente quando a ambição de ser um “sistema alimentar do futuro” termina na busca de culturas de alto valor (por exemplo, microgreens) que possam ser comercializadas como gastronomia gourmet.

É sabido que o desenvolvimento de tecnologia sustentável se caracteriza por incertezas, altos riscos e grandes investimentos com retornos tardios (Alkemade e Suurs 2012). A Aquaponics, a este respeito, não é exceção; existem apenas alguns sistemas operacionais comercialmente em toda a Europa (Villarroel et al. 2016). Parece uma resistência considerável ao desenvolvimento da tecnologia aquapônica. Os projetos comerciais devem enfrentar uma complexidade tecnológica e de gestão comparativamente elevada, riscos de marketing significativos, bem como uma situação regulatória incerta que persiste até agora (Joly et al. 2015). Embora seja difícil fixar a taxa de falha de inicialização, a curta história da aquapônica comercial em toda a Europa pode muito bem ser resumida como “Pequenos sucessos e grandes falhas” (Haenen 2017). Vale ressaltar também que os pioneiros já envolvidos na aquapônica no momento em toda a Europa não estão claros se sua tecnologia está trazendo melhorias na sustentabilidade (Villarroel et al. 2016). Análise recente de König et al. (2018) mostrou como os desafios para o desenvolvimento da aquapônica derivam de uma série de preocupações estruturais, bem como da complexidade inerente à tecnologia. Combinados, esses fatores resultam em um ambiente de alto risco para empresários e investidores, o que produziu uma situação em que as instalações de inicialização em toda a Europa são forçadas a se concentrar na produção, marketing e formação de mercado sobre a entrega de credenciais de sustentabilidade (König et al. 2018). Além das reivindicações de grande potencial, a realidade sombria é que resta ver exatamente o impacto que a aquapônica pode ter sobre os regimes de produção e consumo de alimentos enraizados que operam nos tempos contemporâneos. O lugar para a tecnologia aquapônica na transição para sistemas alimentares mais sustentáveis, ao que parece, não tem garantias.

Além da especulação do tecnootimismo, a aquapônica surgiu como uma tecnologia de produção de alimentos altamente complexa que detém potencial, mas enfrenta grandes desafios. Em geral, existe falta de conhecimento sobre como direcionar as atividades de pesquisa para desenvolver tais tecnologias de forma a preservar sua promessa de sustentabilidade e soluções potenciais para preocupações urgentes do sistema alimentar (Elzen et al. 2017). Um inquérito recente realizado por Villarroel et al. (2016) constatou que de 68 atores aquapônicos que responderam distribuídos por 21 países europeus, 75% participaram em atividades de pesquisa e 30,8% na produção, sendo que apenas 11,8% dos entrevistados vendiam efetivamente peixes ou plantas nos últimos 12 meses. É evidente que o campo da aquaponia na Europa continua a ser essencialmente moldado por actores da investigação. Neste ambiente de desenvolvimento, acreditamos que a próxima fase da investigação aquaponica será crucial para desenvolver o futuro potencial de sustentabilidade e segurança alimentar desta tecnologia.

Entrevistas (König et al. 2018) e os inquéritos quantitativos (Villarroel et al. 2016) do campo aquaponico europeu indicaram que existe uma opinião mista sobre a visão, motivações e expectativas sobre o futuro da aquapônica. À luz disso, Konig et al. (2018) levantaram preocupações de que uma diversidade de visões para a tecnologia aquapônica possa dificultar a coordenação entre os atores e, em última análise, perturbar o desenvolvimento de “um corredor realista de caminhos de desenvolvimento aceitáveis” para a tecnologia (König et al. 2018). Do ponto de vista dos sistemas de inovação, inovações emergentes que exibem uma diversidade desorganizada de visões podem sofrer de “falha de direcionalidade” (Weber e Rohracher 2012) e, finalmente, ficar aquém de seus potenciais percebidos. Tais perspectivas estão alinhadas com posições da ciência da sustentabilidade que enfatizam a importância das 'visões' para a criação e busca de futuros desejáveis (Brewer 2007). À luz disso, oferecemos uma tal visão para o campo da aquapônica. Argumentamos que a pesquisa aquaponica deve se concentrar em uma agenda radical de sustentabilidade e segurança alimentar adequada aos desafios iminentes enfrentados no Antropoceno.


Aquaponics Food Production Systems

Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.