common:navbar-cta
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar

17.3 Identificação de Perigo

3 years ago

7 min read
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Na análise de risco, um perigo é geralmente especificado descrevendo o que pode dar errado e como isso pode acontecer (Ahl et al. 1993). Um perigo refere-se não apenas à magnitude de um efeito adverso, mas também à probabilidade de ocorrência do efeito adverso (Müller-Graf et al. 2012). A identificação dos perigos é importante para revelar os factores que podem favorecer o estabelecimento de uma doença e/ou potencial ameaça de agentes patogénicos, ou de outro modo prejudiciais para o bem-estar dos peixes. Os agentes patogénicos biológicos são reconhecidos como perigosos na aquicultura por Bondad-Reantaso et al. (2008). Uma ampla gama de fatores pode ser levada em consideração desde que estejam associados à ocorrência da doença, ou seja, são perigos.

Quadro 17.2 Lista dos perigos potenciais para a saúde dos animais aquáticos na aquapónica

tabela cabeça tr class="cabeçalho” th/th th Identificação do perigo /th th Especificação de perigo /th /tr /cabeça tbody tr class="ímpar” td rowspan=9 abiótico/TD td pH /td td Mudança muito alta/muito baixa/rápida /td /tr tr class="mesmo” td A temperatura da água /td td Mudança muito alta/muito baixa/rápida /td /tr tr class="ímpar” td Sólidos suspensos /td td Muito alto /td /tr tr class="mesmo” td Teor de oxigénio dissolvido /td td Muito baixo /td /tr tr class="ímpar” td Conteúdo de dióxido de carbono /td td Muito alto /td /tr tr class="mesmo” td Teor de amoníaco /td td Muito alto, dependente do pH /td /tr tr class="ímpar” td Teor de nitrito /td td Muito alto /td /tr tr class="mesmo” td Teor de nitratos /td td Extremamente alto /td /tr tr class="ímpar” td Teor de metal /td td Muito alto, dependente do pH /td /tr tr class="mesmo” td rowspan=2 biótico/TD td Densidade de estoque /td td Muito alto/muito baixo /td /tr tr class="ímpar” td Bioincrustação /td td/td /tr tr class="mesmo” td rowspan=3 Alimentação/TD td Nutrientes das espécies de peixes /td td Excedente/deficiência /td /tr tr class="ímpar” td Frequência de alimentação /td td Alimentação inadequada/inadequada /td /tr tr class="mesmo” td Toxinas dietéticas /td td/td /tr tr class="ímpar” td/td td Aditivos alimentares /td td Promotores de crescimento inadequados /td /tr tr class="mesmo” td rowspan=6 gerenciamento/TD td Projeto de sistema Aquapônico /td td Design de sistema ruim /td /tr tr class="ímpar” td Espécies de /td td Inadequado para aquapônica /td /tr tr class="mesmo” td Questões operacionais (circulação de água, biofiltro, mecânica) /td td/td /tr tr class="ímpar” td Uso de quimioterapêuticos /td td Ameaça para o equilíbrio microbiano /td /tr tr class="mesmo” td Higiene do pessoal /td td/td /tr tr class="ímpar” td Biossegurança /td td/td /tr tr class="mesmo” td rowspan=3 Bem-vindo/TD td Estressores /td td Muito alto /td /tr tr class="ímpar” td Carga alostática /td td Alta /td /tr tr class="mesmo” td Condições de criação /td td Suboptimal /td /tr tr class="ímpar” td rowspan=3 doenças/DD td Doenças nutricionais /td td/td /tr tr class="mesmo” td Doenças ambientais /td td/td /tr tr class="ímpar” td Doenças infecciosas /td td/td /tr /tbody /tabela

A sustentabilidade da aquapônica está ligada a uma variedade de fatores, incluindo o desenho do sistema, as características da ração dos peixes e das fezes, o bem-estar dos peixes e a eliminação de agentes patogênicos do sistema (Palm et al. 2014a, b). Goddek (2016) relatou que os sistemas aquapônicos são caracterizados por uma ampla gama de microflora como peixes e biofiltração existem na mesma massa de água. Uma vez que existe uma grande variedade de microflora nas práticas aquapônicas, a ocorrência de patógenos e riscos para a saúde humana também deve ser considerada, a fim de garantir a segurança alimentar. Em termos de sustentabilidade dos sistemas aquapônicos, a eliminação de patógenos para prevenir perdas por doenças pode ser um fator desafiador quando a produção de animais aquáticos é intensificada.

A utilização de quimioterápicos na aquicultura para combater os agentes patogénicos apresenta uma série de perigos e riscos potenciais para os sistemas de produção, o ambiente e a saúde humana (Bondad-Reantaso e Subasinghe 2008) (Quadro 17.2).

Para eliminar os perigos, as fases de criação de peixes e de cultivo de plantas devem ser consideradas separadamente. Os maiores riscos na criação de peixes estão relacionados à qualidade da água, densidade dos peixes, qualidade da alimentação e quantidade e doença (Yavuzcan Yildiz et al. 2017). Dependendo das espécies de peixes criados, o nível de risco pode aumentar se a espécie não for adequada às condições do sistema específico. Por exemplo, o potássio é frequentemente suplementado em sistemas aquapônicos para promover o crescimento das plantas, mas resulta em desempenho reduzido em baixo listrado híbrido. Normalmente, espécies tolerantes à cultura de água doce e de alta densidade são utilizadas na aquapônica. As espécies mais comuns de peixes em sistemas comerciais são Tilapia e peixes ornamentais. O peixe-gato do canal, o robalo de largemouth, o crappies, a truta arco-íris, o pacu, a carpa comum, a carpa koi, o peixe-dourado, o robalo asiático (ou o barramundi) e o bacalhau Murray estão entre as espécies que foram testadas (Rakocy et al. 2006). A tilápia, uma espécie de água quente, altamente tolerante aos parâmetros flutuantes da água (pH, temperatura, oxigênio e sólidos dissolvidos), é a espécie em grande parte criada na maioria dos sistemas aquapônicos comerciais na América do Norte e em outros lugares. Os resultados de uma pesquisa online recente, baseada em respostas de 257 entrevistados, mostraram que Tilapia é criada em 69% das plantas aquapônicas (Love et al. 2015). Tilapia apresenta um interesse económico em alguns mercados, mas não em outros. No mesmo inquérito (Love et al. 2015), outras espécies utilizadas foram peixes ornamentais (43%), bagre (25%), outros animais aquáticos (18%), poleiro (16%), bluegill (15%), truta (10%) e baixo (7%). Uma das principais fraquezas nos sistemas aquapônicos é a gestão da qualidade da água para atender às exigências do peixe criado em tanque, enquanto as culturas cultivadas são tratadas como a segunda etapa do processo. Os peixes necessitam de água com parâmetros adequados para oxigênio, dióxido de carbono, amônia, nitrato, nitrito, pH, cloro e outros. Um alto nível de sólidos em suspensão pode afetar o estado de saúde dos peixes (Yavuzcan Yildiz et al. 2017), provocando danos à estrutura brânquias, como elevação do epitélio, hiperplasia no sistema pilar e redução do volume epitelial (Au et al. 2004). A densidade e a alimentação dos peixes (taxa e volume de alimentação, composição e características dos alimentos) afectam os processos de digestão e as actividades metabólicas dos peixes e, consequentemente, as catabolitas, os sólidos totais dissolvidos (TDS) e os subprodutos residuais (fezes e alimentos não consumidos) na água de criação. O princípio básico em que o sistema aquapônico se baseia é a utilização de catabólitos na água para o crescimento das plantas. Os sistemas aquapônicos requerem 16 nutrientes essenciais e todos esses macro e micronutrientes devem ser equilibrados para o crescimento ideal da planta. Um excesso de um nutriente pode afetar negativamente a biodisponibilidade de outros (Rakocy et al. 2006). Portanto, o monitoramento contínuo dos parâmetros da água é essencial para manter a qualidade da água adequada ao crescimento de peixes e culturas e maximizar os benefícios do processo. A redução da troca de água e a baixa taxa de crescimento das culturas podem criar concentrações de nutrientes tóxicos na água para peixes e culturas. Por outro lado, a adição de alguns micronutrientes (FESUP+2/SUP, MNSup+2/Sup, Cusup+2/Sup, BSUP+3/SUP e MOSUP+6/SUP), normalmente escassa na água onde os peixes são criados, é essencial para sustentar adequadamente a produção vegetal. Em comparação com a cultura hidropônica, as culturas em sistemas aquapônicos requerem níveis mais baixos de sólidos dissolvidos totais (TDS, 200—400 ppm) ou EC (0,3—0,6 mmhos/cm) e requerem, como peixes, um alto nível de oxigênio dissolvido na água (Rakocy et al. 2006) para a respiração radicular.


Aquaponics Food Production Systems

Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.