O Aquaponics System Designer acaba de ser lançado! Comece a projetar agora.
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Theresa Peterson Diretor de Política das Pescas, Conselho de Conservação Marinha do Alasca Rachel Donkersloot** Pesquisa de Culturas Costeiras

A sustentabilidade social, cultural e económica das cidades e aldeias piscatórias no Alasca depende do êxito das suas pescarias. Este estudo de caso apresenta a Iniciativa Kodiak Jig como um exemplo de um esforço altamente colaborativo liderado pelos pescadores para criar e manter possibilidades de pesca em pequena escala no Golfo do Alasca. Discute desafios específicos baseados em políticas e mercados e soluções para garantir a viabilidade da frota de barcos pequenos Kodiak. O estudo de caso descreve iniciativas de marketing, mecanismos e parcerias que resultaram no estabelecimento de nichos de mercado e da marca Kodiak Jig Seafoods. Estes esforços resultaram em aumentos significativos no valor das docas do bacalhau e do peixe-rocha do Pacífico para a frota de pequenos barcos. São igualmente debatidas importantes disposições políticas avançadas por pescadores e parceiros para assegurar com êxito a fixação de quotas que serviram de base importante para as iniciativas de comercialização aqui apresentadas. Estes instrumentos proporcionam oportunidades de entrada a preços acessíveis para pescadores novos e jovens, bem como para aqueles que procuram um acesso mais diversificado. Combinados, esses esforços baseados em políticas e no mercado ajudaram a garantir acesso viável e oportunidades de subsistência para a frota de pequenos barcos da Kodiak. Os êxitos e desafios da Iniciativa Kodiak Jig servem como exemplos que podem ajudar outras comunidades piscatórias e frotas a desenvolver abordagens que se adaptem às suas necessidades específicas.

*Palavras-chave: * Pesca de barco pequeno, Alasca, marketing direto, políticas de cadeia de valor, oportunidade de nível de entrada, reserva, acesso diversificado.

O Alasca é o local de pescas de renome mundial que contribuem para a sustentabilidade social, cultural e econômica da região. Mais de 6 bilhões de libras (2,7 milhões de kg métricos) de frutos do mar foram retirados das águas do Alasca em 2015, a maior colheita já registrada (ASMI, 2017). A frota de pesca comercial é composta por cerca de 9 000 navios, cuja maior parte tem menos de 17,7 metros de comprimento. Quase dois terços destes navios (cerca de 5 700) têm menos de 9,6 metros (32 pés) de comprimento (ASMI, 2017). Ao fornecer frutos do mar selvagens aos mercados locais e globais, esses navios também servem como administradores de pequenas empresas e recursos locais, proporcionando oportunidades econômicas vitais e fomentando a conexão intergeracional com o lugar, a cultura e a identidade. Ao mesmo tempo, as comunidades pesqueiras e pesqueiras do Alasca são fortemente afetadas pelas alterações climáticas e pela variabilidade climática, pelos mercados globais de frutos do mar, pela política das pescas e pelas mudanças regulamentares. Mudanças desconcertantes nas últimas décadas, como a consolidação da frota, o aumento dos custos de entrada, as tendências de envelhecimento (comumente referidas como o “cinzento da frota”) e a perda de direitos de pesca, reduziram oportunidades e diminuíram os meios de subsistência da pesca rural e local no Alasca costeiro (Donkersloot e Carothers, 2016 ; Ringer et al., 2018; Kamali, 1984; Beaudreau et al., 2019). Os sistemas de gestão da pesca que restringem e privatizam o acesso têm sido identificados como um dos principais motores dessas tendências (Carothers, 2010; Carothers and Chambers, 2012; Pinkerton e Davis, 2016; Davis e Ruddle, 2012).

Os decisores políticos da pesca do Alasca desenvolveram uma série de programas e disposições para resolver a diminuição do acesso e apoiar as possibilidades de pesca em pequena escala no Pacífico Norte (Cullenberg et al., 2017). Algumas delas têm sido mais bem sucedidas do que outras no que se refere ao acesso e aos benefícios da pesca de base comunitária (Apgar- Kurtz, 2015; Carothers, 2011). Uma delas é a Iniciativa Kodiak Jig, um esforço altamente colaborativo para criar e manter possibilidades de pesca em pequena escala no Golfo do Alasca. Este estudo de caso destaca parcerias efetivas e políticas sinérgicas e iniciativas baseadas no mercado que têm sido fundamentais para garantir a viabilidade da frota de barcos pequenos Kodiak.

A experiência da Iniciativa Kodiak Jig ilustra várias disposições do Capítulo 7 das Orientações Voluntárias para a Garantia de Pescarias Sustentáveis de Pequena Escala no Contexto da Segurança Alimentar e Erradicação da Pobreza (Orientações do SSF), incluindo a garantia de que os intervenientes pós-colheita fazem parte das decisões relevantes. elaboração do processo (ponto 7.1); apoio aos esforços destinados a permitir investimentos em infra-estruturas adequadas, estruturas organizacionais e desenvolvimento de capacidades para apoiar o subsector da pesca em pequena escala pós-colheita na produção de frutos do mar de qualidade (ponto 7.3); e apoio às associações de pescadores a fim de promover a sua capacidade de reforçar os seus mecanismos de segurança e de marketing em termos de rendimento e de subsistência (ponto 7.4).

Localizado no Golfo Central do Alasca, o Arquipélago de Kodiak é composto pela Ilha Kodiak e várias ilhas vizinhas (Figura 2.1). A cidade de Kodiak está localizada na borda nordeste da Ilha Kodiak. Com uma população de pouco mais de 6 000 habitantes, é a maior comunidade da região. 1 Kodiak é o lar de um dos mais diversos portos de pesca comerciais do estado e dos Estados Unidos da América em geral, representando várias espécies — incluindo salmão, alabote, sablefish, caranguejo, bacalhau e escamudo — e muitas artes Tipos (redes de arrasto, redes de arrasto, redes de arrasto, cerco, palangre, gabarito, etc.).

Em 2015, Kodiak ficou em terceiro lugar entre os portos de pesca comerciais americanos em termos de valor monetário dos frutos do mar desembarcados (USD 137,5 milhões) e em segundo lugar em termos de volume desembarcado (513,9 milhões de libras, ou 233 milhões de kg) (NFS, 2017). Cerca de um terço de todos os postos de trabalho em Kodiak estão diretamente ligados à pesca (Kodiak Chamber of Commerce, 2014). A infraestrutura de pesca local para Kodiak City inclui sete processadores de frutos do mar baseados em terra que operam durante todo o ano e dois portos de barco. Mais de 700 navios são transportados em Kodiak, mas o porto é amplamente dimensionado para operações de pesca industrial e para uma frota de arrasto que surgiu em meados da década de 1970, após a criação da zona económica exclusiva (ZEE) americana de 200 milhas e subsequente eliminação progressiva da pesca estrangeira ao largo da costa. Por exemplo, cerca de 488 milhões de libras (221 milhões de kg) de frutos do mar foram entregues aos processadores Kodiak em 2014. Destas, mais de 300 milhões de libras (136 milhões de kg) foram colhidas por 40 embarcações de arrasto (McDowell Group, 2016). As infraestruturas pesqueiras que podem beneficiar a frota de pequena escala da Kodiak, incluindo a adição de um pequeno guindaste e máquina de gelo, foram identificadas como alvos chave de desenvolvimento comunitário pelos pescadores locais e autoridades municipais.

! image-20210521190109777

As comunidades do Arquipélago de Kodiak incluem seis aldeias de pescadores rurais de Alutiiq que não estão conectadas por estrada. Essas comunidades persistiram por mais de 7 500 anos (Knecht e Jordânia, 1985) apesar das ondas disruptivas da colonização russa e americana (Pullar, 2009). Pesquisas recentes demonstram os impactos devastadores da privatização do acesso à pesca nessas pequenas aldeias nativas do Alasca (Coleman et al., 2018; Carothers, 2010). Ringer et al. (2018) observam um declínio de 84% no número de jovens pescadores de salmão (com menos de 40 anos de idade) nas aldeias piscatórias rurais do Arquipélago de Kodiak em comparação com os níveis históricos. 2

A cidade de Kodiak também experimentou declínios notáveis no acesso à pesca e na participação nas últimas décadas. Os impactos da racionalização da pesca do caranguejo do mar de Bering e das ilhas Aleutas e da introdução de quotas de pesca individuais na pesca do alabote e do peixe-sabre foram identificados como tendo impactos particularmente prejudiciais para Kodiak (Knapp, 2006; Carothers, 2010). O aumento das barreiras à entrada e ao acesso privatizado tem sido descrito como uma qualidade “intrínseca” desses programas (NPFMC, 2017, citado em Ringer et al., 2018). Gerentes de pescas, legisladores e membros da comunidade e líderes identificam cada vez mais a perda local dos direitos de acesso à pesca como uma questão premente para o Estado em geral (Estado do Alasca, 2012). Estas tendências e preocupações constituem um importante quadro de referência para a compreensão da importância da Iniciativa Kodiak Jig na garantia de possibilidades de pesca de pequena escala, diversificadas e de entrada no Golfo do Alasca.

Este estudo de caso detalha os êxitos e desafios de uma iniciativa plurianual de comercialização de frutos do mar empreendida por pescadores e parceiros da Kodiak jig, incluindo pessoal do Conselho de Conservação Marinha do Alasca (AMCC). AMCC é uma organização sem fins lucrativos baseada no Alasca cuja missão é proteger a integridade dos ecossistemas marinhos do Alasca e promover comunidades costeiras saudáveis e dependentes do oceano. Os autores deste estudo são atuais e antigos funcionários da AMCC que se dedicaram ao desenvolvimento e apoio a estratégias baseadas no mercado e ao trabalho de defesa de políticas discutidos neste estudo.

O estudo de caso segue o cronograma geral dos principais eventos e atividades do projeto, começando pelos êxitos políticos vitais no Conselho de Gestão das Pescas do Pacífico Norte (CNPFMC). Este trabalho de política ajudou a garantir o acesso à pesca local para a frota de barcos pequenos e lançou as bases para iniciativas de comercialização de frutos do mar com o objetivo de aumentar o valor pago aos pescadores pelas suas capturas e garantir o acesso contínuo à pesca e os benefícios para as comunidades piscatórias. Todos os dados relativos à pesca incluídos neste estudo provêm de pedidos de dados ao Departamento de Peixe e Caça do Alasca e à Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), salvo indicação em contrário. Os autores analisaram igualmente os documentos e relatórios pertinentes relativos à política das pescas relativos à criação de disposições em matéria de acesso à pesca em pequena escala. A discussão de estratégias baseadas no mercado, incluindo o desenvolvimento de nichos de mercado, os esforços de marcas de frutos do mar e o trabalho com processadores de frutos do mar é informada em parte por oito entrevistas semiestruturadas com pescadores de jig, processadores de frutos do mar e outros parceiros do projeto (por exemplo, pessoal do Alasca Sea Grant, Sitka Salmon Acções, etc.)

A pesca de jig opera no Golfo Central do Alasca em torno da Ilha Kodiak. A frota tem como alvo principalmente o bacalhau do Pacífico, o peixe-rochoso preto e o peixe-rochoso. 3 O peixe-rochoso preto é colhido apenas com equipamento de gab Outros peixes de fundo (incluindo o escamudo, o sabre, os peixes planos rasos e profundos, o linguado rex, o linguado de cabeça flaad, o linguado de flecha e o poleiro do oceano Pacífico, entre outros) são visados comercialmente no Golfo Central do Alasca utilizando outros tipos de artes, incluindo redes de arrasto, palangre e vareta. 4

A frota de gabaritos é principalmente baseada na comunidade, com a maior parte da frota vivendo em Kodiak. Jigging é um método de gancho e linha atendido à mão que envolve linhas verticais ponderadas suspensas por bobinas inferiores montadas em trilhos ou máquinas de jigging computadorizadas (Figura 2.2). Os ganchos J ou os ganchos circulares são iscos com lulas, arenque e cavala Atka ou vestidos com tubos de borracha coloridos. Os recipientes de gabarito utilizam entre duas e cinco máquinas com um máximo de 30 ganchos ajustados por máquina (figura 2.3) 5.

! image-20210521190139845

! image-20210521190150248

O jigging é realizado em águas estaduais (0-3 milhas náuticas da costa) e federais (3-200 milhas náuticas da costa). O NPFMC desenvolve regulamentos para a pesca de gestão federal, enquanto o Conselho de Pescas do Alasca desenvolve regulamentos para a pesca gerida pelo Estado. 6 A gestão do bacalhau e do peixe-rocha nas águas estaduais e federais é complexa e envolve múltiplas entidades e planos de gestão, mas, em geral, o montante da colheita para cada setor de artes é repartido e distribuído anualmente com base nos limites de captura fixados para cada unidade populacional de marisco.

No final da década de 2000, o NPFMC começou a considerar possíveis mudanças de gestão dos peixes e bacalhau no Golfo do Alasca. A mudança iminente deu início a uma estratégia plurianual liderada em parceria por pescadores de jig sediados em Kodiak, a Associação Jig do Alasca (AJA) e a AMCC. Entre 2009 e 2012, os pescadores e os defensores da comunidade mantiveram uma forte presença nas reuniões da NPFMC e pressionaram o NPFMC para garantir que qualquer nova estrutura de gestão em consideração incluísse oportunidades claras de entrada e acesso à pesca em pequena escala. A equipe submeteu regularmente comentários escritos e depoimentos verbais nas reuniões da NPFMC. Além disso, solicitaram várias reuniões com membros da NPFMC, pessoal e tomadores de decisão fora das reuniões formais da NPFMC, incluindo reuniões com os principais representantes do Estado do Alasca. (O Estado do Alasca detém um lugar de voto no NPFMC). O NPFMC se reúne cinco vezes por ano em vários locais no Alasca e em Washington e Oregon, no Noroeste do Pacífico. Viajar e participar nessas reuniões é caro e demorado. Para os pescadores rurais, em particular, exige passagem aérea, alojamento e tempo de afastamento do trabalho. Em pontos críticos de decisão ao longo do processo NPFMC, a AMCC e a AJA ajudaram a garantir a representação da frota de gabinetes de barcos pequenos, fornecendo apoio financeiro aos pescadores locais para cobrir as despesas de viagem e de participação.

Setas-asides do sector do jig: bacalhau do Pacífico e peixes rochosos no Golfo do Alasca

O envolvimento direto no processo NPFMC valeu a pena em 2012, com a aprovação de novos planos de gestão das pescas que incluíam conjuntos de bacalhau do Pacífico e de peixe-rocha para a frota de jig.

A alteração 83 do Plano de Gestão das Pescas do Golfo do Alasca autorizou a atribuição do sector das artes de pesca que limita efectivamente a quantidade de bacalhau do Pacífico que cada sector está autorizado a colher. As dotações basearam-se na participação histórica de operações de pesca de grande escala no Inverno. O setor de gabaritos tinha pouco histórico de capturas (menos de 1%) e teria recebido pouca quota no âmbito de um processo de atribuição baseado unicamente no histórico de capturas registado.

No âmbito do novo plano, o sector dos gabaritos recebe uma atribuição inicial de 1% do total admissível de capturas (TAC), que sai do topo (isto é, antes da atribuição a outros grupos de artes). Se a frota de gabaritos captar 90% ou mais da retirada de terras de 1%, o setor recebe um adicional de 1% do TAC para o ano seguinte. Se o setor de gabaritos não colher 90 por cento da alocação por dois anos consecutivos, a alocação de quotas para o setor de gabaritos cai 1% e a quota é colhida por outros grupos de artes. Sob esta disposição “escada”, a alocação da frota de gabaritos não pode cair abaixo da alocação inicial de 1%. A alocação total para o setor de gabaritos é limitada a 6% do TAC. Isto é significativo: representa uma atribuição sem precedentes no Pacífico Norte, uma vez que proporciona ao sector dos gabaritos a oportunidade de colher uma parte das capturas globais muito maior do que o histórico de capturas registado pela frota.

Para além da retirada do sector do bacalhau do Pacífico, o novo plano de gestão limita severamente o número de licenças nas frotas de arrasto e de artes fixas para a colheita de bacalhau 7. Os navios de jig estão isentos da obrigação de possuir uma licença limitada para participar na pesca. A isenção de gabarito foi criada em resposta aos contributos das partes interessadas e garante que a pesca de gabarito permaneça a nível de entrada e a preços acessíveis. Em uma indústria marcada por barreiras crescentes à entrada, novos participantes e jovens pescadores podem ter acesso à pesca de jig comprando uma licença de USD 75. Existem disposições adicionais para a colheita de bacalhau do Pacífico em águas estatais, incluindo restrições de artes que limitam a colheita de bacalhau nas águas estatais aos sectores do bacalhau e do bacalhau de canhau 8. Estas restrições representam uma escolha política clara por parte do Estado do Alasca para limitar a colheita nas zonas costeiras aos tipos de artes associados a Baixos impactos nas capturas acessórias e nos habitats. 9

Centro-asides

A retirada de terras para o sector do jig faz parte de uma maior mudança de gestão para a privatização da pesca. O programa Rockfish atribui privilégios exclusivos de colheita a navios de arrasto e de transformação de capturas para todas as espécies primárias e secundárias de peixes de rocha 10. O programa inclui uma retirada anual do TAC para a pesca de palangre de nível de entrada, que inclui artes de gabarito. À semelhança da quota retirada de terras de bacalhau, a quota retirada de terras aumenta anualmente para um limite predeterminado por espécie. Por exemplo, se a frota de jig colher 90% da sua alocação de uma espécie no ano anterior, a alocação de retirada de terras aumenta em um montante fixo para cada espécie. 11 O quadro 2.1 mostra as alocações iniciais de 2012 para cada espécie primária de peixe-rocha, o aumento incremental para as estações futuras e o limite para a pesca de palangre de nível de entrada.

QUADRO 2.1 **Atribuição da pesca com palangres de entrada

Alocação InicialdeEspécies Primárias de RockfishAumento Incremental por Estação se ≥ 90% da alocação forAté ao máximo% do TACPerch do Oceano Pacífico5 toneladas métricas5 toneladas métricas1%Rockfish do Norte5 toneladas métricas5 toneladas métricas2%Prateleira pelágica30 toneladas métricas5 toneladas métricas5%

*Fonte: * NOAA Central Gulf of Alasca Rockfish Program Informational Guide 2015.

Nas águas do estado, a colheita de peixes-rochas negras é limitada a engrenagens de gabarito. Esta medida foi implementada para minimizar o esgotamento da unidade populacional, que é uma espécie de longa vida sujeita a sobrepesca. A pesca do peixe-rochoso nas águas estatais tem também uma disposição do titular da licença (proprietário) a bordo e um limite para a quantidade que pode ser colhida em qualquer período de cinco dias 12. Estas restrições atenuam ainda mais os impactos sobre a unidade populacional, espalhando intencionalmente o período de colheita, uma disposição que também favorece Pescadores de pequena escala, de base comunitária.

Resumo dos conjuntos de instrumentos: sucesso das políticas, desafios prático

A inclusão de fixações de quotas para o sector do jig nos novos planos de gestão do bacalhau do Pacífico e do peixe rochoso no Golfo do Alasca resultou de um empenhamento contínuo e directo no processo de tomada de decisões por parte dos próprios pescadores de jig. Este compromisso foi apoiado por uma parceria fundamental com a AMCC, que proporcionou o financiamento, a capacidade e os conhecimentos necessários para garantir a participação das partes interessadas locais no processo de tomada de decisão. Igualmente importante foi o apoio do Estado do Alasca, que foi fundamental para fazer avançar as disposições destinadas a prever o acesso à pesca em pequena escala ao longo de todo o processo de tomada de decisão.

O Jigging não exige um elevado investimento de capital e constitui, portanto, uma boa oportunidade para os pescadores jovens e comunitários obterem rendimentos para a entrada em outras pescarias (diversificando assim as suas carteiras). Em 2012, existiam 145 navios de pesca de bacalhau nas águas estatais (quadro 2.2), contra 81 navios em 2010. Em alguns casos, os set-asides estão funcionando como previsto. Estão a proporcionar aos novos pescadores e aos jovens uma oportunidade de baixo custo que facilita a entrada noutras pescarias, principalmente o salmão. Mas a pesca de jig não está sem seus desafios. No momento em que os set-asides foram colocados em vigor em 2012, os baixos preços de doca para as espécies de bacalhau e de peixes-rocha do Pacífico eram obstáculos claros para os pescadores de pequena escala incapazes de atenuar preços baixos com volumes mais elevados. Em suma, os set-asides proporcionaram acesso, garantindo oportunidades para os actuais e futuros pescadores de pequenos barcos, mas o mercado tornou as oportunidades marginais. O preço à saída do navio foi insuficiente para proporcionar um rendimento viável aos pescadores que colhem pequenos volumes. Entre 2011 e 2018, o preço médio por libra para o peixe-preto foi de 0,45 USD. Para o bacalhau do Pacífico e os peixes rochosos, o preço médio para estes anos foi de 0,37 USD e 0,30 USD, respectivamente.

A participação na pesca de jig varia muito de ano para ano (quadro 2.2). Esta variabilidade está ligada tanto ao preço por libra como à disponibilidade de stocks perto da costa. Para enfrentar os desafios do mercado, os pescadores de jig em parceria com a AMCC reorientaram os seus esforços, inspirados inicialmente pelos desafios de acesso. Desta vez, a parceria se concentrou no desenvolvimento de iniciativas baseadas no mercado visando aumentar a rentabilidade da pesca de jig e gerar maior impacto social, econômico e ambiental, alavancando seus principais ativos: uma frota comunitária de proprietários-operadores, artes de baixo impacto e técnicas de colheita ( ou seja, gancho e linha atendidos à mão) que fornecem frutos do mar da mais alta qualidade.

QUADRO 2.2 Esforço do bacalhau do Pacífico, nível de colheita e colheita, 2002—2018 KodiakAreastate-Waters Pacific esforço de engrenagem de bacalhau, nível de colheita diretriz (GHL) e colheita, por ano, 2002-2018AnoNaviosDesembarquesGHL (libras)Colheita (libras%do GHL colhido 200251 3404 365 1531 389 83831,820031006883 995 8783 195 60580,020041209614 932 8434 210 28485,420051178494 563 1554 570 327100,22006774775 218 4801 446 88127,72007634575 218 4801 249 75323,92008766475 222 3382 042 082 39,12009948334 343 2444 450 423102,52010817076 757 4446 504 73396,320111329807 415 2487 135 46696,22012 1451 1607 845 7017 938 727101,22013551996 791 340587 9428,72014775207 316 5833 170 71343,32015100810 8 449 2163 879 53745,920161087476 794 6473 327 88749,0201723506 087 452101 9911,72018101 118 55929 016 2.61997—2018 média876385 542 2742 985 77252,02014—2018 média644305 953 2912 101 82928,5

*Fonte: * Departamento de Pesca e Caça do Alasca.

A criação de Kodiak Jig Seafoods

Em 2012, a AMCC recebeu uma subvenção de dois anos no montante de 90 000 dólares da National Fish and Wildlife Foundation. A subvenção proporcionou um financiamento crucial para apoiar uma iniciativa de marketing destinada a garantir que os benefícios das disposições políticas difíceis alcançadas no âmbito da NPFMC pudessem ser plenamente realizados. O objetivo principal era criar uma marca baseada na diferenciação de produtos de bacalhau e peixe-rocha colhidos por jigging de produtos colhidos pela frota industrial, que utiliza equipamentos de maior impacto ambiental. (As linhas verticais atendidas à mão usadas no jigging resultam em baixas capturas acessórias e impacto mínimo no habitat do fundo do mar). O objetivo final era aumentar as possibilidades de pesca de nível de entrada para os pescadores locais com espírito de conservação em Kodiak através de uma abordagem baseada no mercado que aumenta a rentabilidade das pescarias de jig. Durante dois anos, os pescadores de jig fizeram parceria com a AMCC e outras entidades conhecedoras (identificadas abaixo) para avançar uma estratégia multifacetada para alcançar esse objetivo. As principais atividades do projeto incluíram: identificar o potencial do mercado, melhorar a qualidade do produto, melhorar o desempenho da conservação, contar efetivamente a história através da marca e divulgação, e criar um negócio liderado por pescadores.

Para começar, os pescadores AMCC e jig trabalharam com chefs, restaurantes e distribuidores de frutos do mar no Alasca e ao longo da Costa Oeste dos Estados Unidos da América para identificar e desenvolver nichos de mercado, enfatizando as qualidades sociais e ambientais da pescaria. Os pescadores Jig também colaboraram com especialistas em qualidade de frutos do mar do Alasca Sea Grant para definir boas práticas e alterar o comportamento da pesca quando necessário. Os pescadores de Jig modificaram seus decks de pesca (por exemplo, adicionando recipientes e rampas de imersão ao vivo no porão de peixes para minimizar hematomas) e implementaram medidas de controle de qualidade para garantir a entrega de frutos do mar de alta qualidade no mercado. Por exemplo, os navios de gabarito agora fazem viagens curtas (no máximo três dias), e todos os peixes são branqueados e imersos em gelo de lama para um resfriamento rápido. De um modo mais geral, os pescadores aderem a normas específicas de manuseamento a partir do momento em que os peixes saem da água. Os pescadores trazem suavemente cada peixe sobre o trilho sem deixar cair mais de 15,24 cm. Os pescadores cortam imediatamente as placas brânquias e colocam o peixe em gelo lamacento durante, pelo menos, 15 minutos antes de o transferirem para o porão onde cada peixe é embalado em gelo. Pescadores locais também trabalharam com AMCC e Alasca Sea Grant para desenvolver diretrizes de conservação e melhorar o desempenho da conservação. Exemplos incluem evitar pontos de aquecimento de espécies não visadas através da partilha de informações e a libertação de peixes para serem devolvidos com um mínimo de ferimentos.

Um dos principais objectivos do projecto era comunicar os valores sociais e ambientais da pesca de uma forma que ligasse os consumidores aos pescadores. A equipe fez uma parceria com restaurantes e chefs do centro de Anchorage para organizar jantares “Meet Your Fishermen”, apresentados em conferências, e desenvolveu vários materiais impressos e online (incluindo um site: www.kodiakjig.org).

O Programa de Consultoria Marítima do Alasca Sea Grant (MAP) serviu como um parceiro-chave em muitos desses esforços. O especialista em marketing de frutos do mar, sediado em Kodiak, reuniu-se com a AMCC e a AJA muitas vezes ao longo do projeto, fornecendo insights e recomendações que vão desde o planejamento de negócios até a comercialização de frutos do mar até a qualidade e manuseio de frutos Em 2012, a MAP também organizou um workshop, “Diferenciando seu produto de frutos do mar de seus concorrentes”, e ajudou a finalizar as diretrizes de qualidade e manuseio adotadas pelos pescadores da Kodiak Jig Seafoods.

Desde o início, a equipe tinha imaginado um negócio liderado por pescadores como um resultado fundamental. Os parceiros do projeto organizaram várias reuniões para discutir a formação de uma cooperativa ou uma sociedade de responsabilidade limitada (LLC) como a estrutura de negócios necessária para trazer produtos de frutos do mar ao mercado e maiores benefícios para os próprios pescadores. Ao longo do projeto, ficou claro que a maioria dos pescadores de jig queria continuar pescadores, e tinha pouco interesse em permanecer em terra para gerenciar esse lado do negócio. Para explicar isso, a equipe mudou de curso com a AMCC fornecendo um papel de liderança na gestão do negócio onshore. A AMCC opera uma pesca com suporte comunitário (CSF) no Alasca e trouxe uma valiosa experiência e capacidade no gerenciamento de aspectos chave do negócio de frutos do mar, incluindo o trabalho com processadores, transporte e armazenamento, comercialização e distribuição de frutos do mar, e atendimento ao cliente e vendas.

No final do projeto financiado por dois anos pela National Fish and Wildlife Foundation (NFWF), os pescadores de jig e a equipe da AMCC desenvolveram um plano de marketing; uma marca de frutos do mar, logotipo e site; e padrões de sustentabilidade e diretrizes de qualidade e manuseio para os pescadores de jig participantes a aderir. Este foi o início de Kodiak Jig Seafoods (KJS; Figura 2.4).

! image-20210521190413208

Proteger parceiros de processadores de pequena escala em uma porta de grande escala

Um dos aspectos mais importantes e desafiadores do esforço de marketing foi encontrar um processador Kodiak para fazer parceria com que tivesse tanto a capacidade quanto o interesse em processar pequenas entregas de frutos do mar. Embora Kodiak seja um dos maiores portos de pesca do país com processamento de frutos do mar durante todo o ano, a infraestrutura de pesca local é principalmente voltada para pescarias em grande escala e de alto volume. Encontrar um processador disposto e interessado em processamento personalizado intensivo de mão-de-obra continua sendo um desafio fundamental para a comercialização de frutos do mar em pequena escala em Kodiak.

Com base na pesquisa de mercado e na demanda dos clientes, a KJS concentrou-se em filetes de vácuo, sem pele e sem osso de 1—2 libras (0,45—0,90 kg). Cada filé foi rotulado com o logotipo da KJS, juntamente com o nome do navio e outras informações necessárias sobre o produto. 13 As discussões iniciais com um pequeno processador com acesso à beira-mar começaram bem, resultando em um contrato verbal para a próxima temporada. Antes do início da temporada, no entanto, este processador foi comprado por um grande processador com um modelo de negócios construído em volumes maiores e enviando produtos para a China para processamento secundário. Os novos proprietários não estavam dispostos a assumir as necessidades de processamento personalizado da KJS. Os pescadores da Jig então se reuniram com todos os processadores de grande escala ao longo da orla marítima de Kodiak, sempre com o mesmo pedido, mas nenhum conseguiu atender às suas necessidades de processamento personalizado. Um caminho a seguir foi finalmente encontrado com dois pequenos processadores. Nenhum deles tinha estado envolvido em processamento personalizado para o setor de gabaritos antes (concentrando-se em vez de peixe defumado e em conserva), mas ambos estavam interessados e apoiaram a iniciativa. Com o processamento garantido, a KJS lançou vendas em 2014.

Trabalhar com dois pequenos processadores criou seu próprio conjunto de desafios. Por exemplo, um dos processadores não estava localizado na orla marítima, então precisavam ser feitos arranjos para descarregar e filetar o peixe em um processador e, em seguida, trazer os sacos gelados de filetes em caixas isoladas do outro lado da rua com uma empilhadeira para o outro para processamento personalizado. A chave para o sucesso operacional foi ter a equipe da AMCC Kodiak fornecendo capacidade vital para acompanhar o produto desde o momento em que ele foi descarregado de uma embarcação de gabarito, através do processamento, em freezers e, eventualmente, em aviões dirigidos ao mercado.

O arranjo com os dois pequenos processadores funcionou bem até que o mesmo grande processador que tinha comprado o parceiro de processamento inicial KJS também comprou o processador que estava descarregando e filetando o produto KJS antes do processamento personalizado. Este e outros fatores contribuíram para o fim deste arranjo de processamento. Durante este período, a KJS começou a trabalhar com outro processador personalizado, o Kodiak Island WildSource. WildSource é propriedade da Tribo Sun'aq de Kodiak. Apesar de alguns desafios (por exemplo, a planta não tinha gelo e estava localizada no terceiro andar de um armazém), o novo arranjo funcionou bem. KJS foi capaz de comprar gelo e pagar pelo uso de um guindaste em uma doca privada. A maior parte do trabalho de pesca de jig ocorre na primavera — um tempo lento para a WildSource, que se concentra principalmente em fumar salmão. As entregas de gabarito proporcionaram maiores oportunidades de processamento para os trabalhadores residentes no pequeno processador. Este arranjo funcionou bem até que um incêndio varreu o armazém e toda a estrutura foi considerada uma perda total. Felizmente, durante este período, a WildSource estava em negociações para comprar um pequeno pedaço de beira-mar. A reconstrução de uma doca e estrutura em ruínas neste site fazem parte de seu plano de negócios de longo prazo.

Apesar dos desafios de processamento decorrentes do acesso limitado a uma orla dominada por processadores de grande escala, o mercado de produtos KJS continua a crescer. Desde a sua criação em 2014, a AMCC pagou entre 30 e 200 por cento sobre o preço da doca aos pescadores de jig Kodiak. Este intervalo de aumento de preços depende do ano, das espécies-alvo e das taxas de recuperação, bem como da procura do mercado. Por exemplo, a AMCC pagou USD 0,20 a USD 0,25 por libra sobre o preço da doca para o bacalhau. Para o peixe-rocha preto, a AMCC aumentou o valor para os pescadores de USD 0,30 sobre o preço da doca no passado para USD 0,55 por libra em 2018. Para peixes rochosos, AMCC paga pescadores jig USD 0,70 sobre o preço da doca.

O produto da KJS foi inicialmente vendido a restaurantes e pousadas no Alasca e diretamente aos consumidores através do Catch 49, a pesca apoiada pela comunidade AMCC 14 Capture 49 é estruturado como uma empresa social destinada a ajudar os pescadores locais do Alasca a aumentar a rentabilidade, recompensando o desempenho ambiental, e sustentar as possibilidades de pesca locais. O QCA baseia-se em ligações importantes nos sistemas alimentares do Alasca, ligando os chefs e os consumidores de forma mais directa aos pescadores comunitários de espírito de conservação. 15 O Catch 49 serve apenas os mercados do Alasca. As receitas do Catch 49 beneficiam o trabalho da AMCC, ao mesmo tempo que proporcionam aos pescadores um preço melhor pelas suas capturas. Os pescadores que participam no programa Catch 49 recebem 30 a 200 por cento mais por suas capturas do que de outra forma. Até à data, venderam cerca de 75 000 libras redondas (cerca de 34 000 kg) de peixe-rocha e 57 000 libras redondas (25 854 kg) de bacalhau do Pacífico aos assinantes do CSF e aos restaurantes do Alasca.

Em 2017, um inquérito bienal de avaliação das unidades populacionais realizado pelo Serviço Nacional de Pescas Marinhas revelou uma descoberta inesperada. A abundância de bacalhau do Golfo do Alasca estava em declínio acentuado. Este declínio estava ligado a águas mais quentes no Golfo do Alasca referido como a “bolha quente”. O inquérito mostrou a menor biomassa desde o início do inquérito em 1984. Esta diminuição foi súbita, inesperada e suficiente para justificar uma redução de 80% dos limites das capturas de bacalhau no Pacífico.

O colapso do bacalhau no Golfo do Alasca contribuiu para uma diminuição notável dos navios ativos que colhem bacalhau, passando de 108 navios em 2016 para 10 em 2018 (quadro 2.2). Enquanto pescadores costeiros, a frota de gabaritos foi a primeira a chamar a atenção para o declínio do bacalhau no Golfo do Alasca, uma vez que não conseguiram colher bacalhau suficiente para tornar a pesca viável. Por exemplo, em 2012, a frota de gabaritos colheu pouco mais de 100 por cento do nível de colheita em águas estaduais (Tabela 2.2). No ano seguinte, em 2013, a frota colheu apenas 9%. Em 2017 e 2018, a frota colheu menos de 3% do nível de colheita estabelecido. O declínio do bacalhau obrigou alguns pescadores a vender os seus navios; outros saíram da ilha, e outros ainda procuraram compensar a perda com emprego adicional em postos de trabalho terrestres, ou visando outras espécies com artes de gabarito (por exemplo, peixes de rocha). Para os restantes, o declínio do bacalhau sublinhou a importância de um acesso diversificado para a frota de pequenos barcos. Tornou igualmente a retirada de terras cada vez mais vital para os pescadores de pequenos barcos.

Em 2017, um novo comprador começou a trabalhar com pescadores de jig Kodiak para expandir o mercado e oferecer produtos de frutos do mar capturados por jig-jig-catch para sua base de clientes no Centro-Oeste. Fundada em 2012, a Sitka Salmon Shares é um negócio integrado, “barco a porta”, orientado por valores. A empresa é especializada na entrega de frutos do mar sustentáveis de alta qualidade de pescadores de pequena escala no Sudeste e em outras partes do Alasca aos clientes através de um modelo CSF. A Sitka Salmon Shares assumiu uma posição inicial de liderança no mercado de frutos do mar entregues em casa e, em 2019, a empresa deverá ter cerca de 9 000 clientes no Centro-Oeste e em outras partes do país. As espécies de peixes-rochas capturadas de Kodiak-jig foram fortemente incorporadas nas ações de QCA da empresa, criando uma forte oportunidade de mercado para esta pequena pesca. A empresa é agora a maior compradora de peixes de rocha capturados por jig-jig-fish Kodiak, e tem consistentemente pago 30 a 100 por cento sobre o preço da doca para várias espécies de peixes de rocha capturados por jig-jig- Isto criou um benefício financeiro substancial para os pescadores locais, que registaram aumentos de 8 000 USD para 11 000 USD numa determinada época. 16

2019 viu o preço mais alto por libra já pago a pescadores de jig em Kodiak para peixes rochosos. Uma percentagem significativa da colheita dos peixes de rocha está agora a ser desembarcada a um preço de doca mais elevado destinado aos mercados desenvolvidos pela Catch 49 e pela Sitka Salmon Shares. O mercado está a crescer e a ajudar a reforçar os pescadores locais, em especial contra as dificuldades decorrentes da perda de possibilidades de pesca do bacalhau.

Para além das abordagens políticas e baseadas no mercado acima discutidas, os pescadores de jig da Kodiak também estão na vanguarda de outras medidas comunitárias destinadas a proporcionar infra-estruturas, estabilidade e oportunidades de mercado aos pescadores de pequena escala em Kodiak.

Primeiro, pescadores de jig lideraram esforços para revisar uma lei de longa data da cidade de Kodiak que impedia os pescadores de conduzirem negócios fora de seus navios no porto. Eles circularam uma petição pedindo uma modificação na portaria que lhes permitisse vender peixe de seus barcos seguindo todas as exigências estaduais e federais. Se a petição fosse bem sucedida, seria uma oportunidade para os membros da comunidade comprarem peixe fresco e acessível no porto e terem a oportunidade de falar com os pescadores; elevar o valor das docas para aumentar as margens de lucro; e também servir como meio de vender pequenas quantidades de peixe diretamente ao chegar em porta com uma pequena carga. Os pescadores de Jig organizaram e participaram regularmente de reuniões com o Comitê de Portos e Portos e a Câmara Municipal para explicar a intenção e os resultados positivos previstos para a comunidade. A portaria revisada foi aprovada em 2018. Pela primeira vez em décadas, os pescadores podem agora legalmente vender peixe de seus barcos em Kodiak.

Os pescadores de Jig também estavam ativamente envolvidos em uma iniciativa comunitária para melhorar a infraestrutura de pesca local através da adição de um guindaste comunitário. Esta discussão estava em andamento na comunidade Kodiak há muitos anos, uma vez que os pescadores procuravam um método independente para descarregar as suas capturas. Com a maioria dos pequenos navios de gabarito participando também em pescarias de salmão de maior volume com uma relação estabelecida de transformação, a capacidade de solicitar o uso de um guindaste aos grandes processadores raramente era um problema, mas foi solicitado como um favor. Os pescadores defenderam uma orla de trabalho que incluísse a infraestrutura necessária para fornecer colheitadeiras independentes de pequena escala. Mais uma vez, os pescadores de jig estavam envolvidos em todos os momentos do processo de tomada de decisão. Em 2018, um guindaste de uso público foi erguido em uma doca multiuso no porto principal.

Uma terceira iniciativa atualmente em andamento decorre de uma sessão de planejamento de um dia em 2015, durante a qual os membros da comunidade identificaram e votaram em duas ideias que melhorariam a qualidade de vida em Kodiak. Uma cooperativa local ganhou um dos votos. Os membros da comunidade queriam uma cooperativa para servir como ponto de encontro, bem como um local para comprar produtos locais e frutos do mar. A Cooperativa da Colheita Kodiak foi estabelecida e está em andamento trabalhos para abrir uma loja. Muitos pescadores de jig são membros da cooperativa e envolvidos no plano de comercialização de frutos do mar. Enquanto os fundos estão sendo arrecadados para a loja, os mercados semanais de agricultores na primavera, verão e outono servem como um meio para pescadores e agricultores venderem diretamente aos consumidores locais, proporcionando uma oportunidade para que consumidores e colheitadeiras se encontrem pessoalmente e construam relacionamentos.

O sucesso da Iniciativa Kodiak Jig demonstra a força das iniciativas lideradas pela comunidade e pelos pescadores que visam melhorar o acesso e as oportunidades de mercado para os pescadores de pequena escala. O centro desses esforços tem sido uma abordagem de comercialização que enfatiza não só onde o peixe foi colhido e por quem, mas como ele foi colhido. A diferenciação dos produtos de marisco capturados por jig-jig-catch da pesca de maior volume e menor valor, como a pesca de arrasto, tem sido fundamental para o desenvolvimento de nichos de mercado que valorizam a sustentabilidade comunitária e ambiental, e pode ser considerada uma boa prática. Dito isto, basear um plano de comercialização de frutos do mar em produtos processados em pequena escala e personalizados em locais como a Kodiak cria uma série de desafios. Os desembarques de alto volume de outros tipos de engrenagens dominam o mercado e os cronogramas de processamento, e a frota de gabaritos é marginalizada em sua capacidade de competir. Estabelecer relações de confiança com os processadores locais de frutos do mar, garantir o acesso do público à orla portuária e apoiar investimentos em infraestrutura que beneficiem a pesca em pequena escala são fundamentais para o sucesso desses tipos de iniciativas de marketing.

Como estudo de caso, a Iniciativa Kodiak Jig ilustra vários aspectos das Diretrizes do SSF. Entre os mais centrais: garantir que os intervenientes pós-colheita façam parte dos processos decisórios relevantes (ponto 7.1); apoiar os esforços para permitir investimentos em infra-estruturas adequadas, estruturas organizacionais e desenvolvimento de capacidades (ponto 7.3); e apoiar as associações de pescadores para promover a sua Capacidade de reforçar os seus mecanismos de segurança e de marketing em termos de rendimento e de subsistência (ponto 7.4). Este estudo ilustra o poder das parcerias e do envolvimento direto nos processos de tomada de decisão que afetam os meios de subsistência da pesca local — outra boa prática, que serve de exemplo que pode auxiliar outras comunidades piscatórias e frotas no desenvolvimento de abordagens que atendam às suas necessidades específicas. De igual modo, este estudo de caso demonstra os desafios e mudanças muito reais que os pescadores de pequena escala continuarão a enfrentar à luz dos factores ambientais e económicos que estão fora do seu controlo. As águas mais quentes do Golfo do Alasca que actualmente contribuem para o declínio do bacalhau continuarão a criar incertezas nas pescas, salientando a importância de um acesso diversificado quando se adapta às condições em mudança. Este e outros desafios descritos acima exigirão soluções colaborativas e criativas. A Iniciativa Kodiak Jig deixa claro que as soluções para a sustentabilidade da pesca em pequena escala devem ser tão diversas quanto os desafios. Há uma crescente demanda do mercado por produtos com benefícios econômicos, comunitários/culturais e ambientais claros, e as pescarias em pequena escala estão bem posicionadas para atender a esses produtos.

Agradecemos à frota de jig Kodiak por compartilhar seu tempo, conhecimento e visão para este projeto, especialmente Darius Kasprzak, Ryan Horwath, Leonard Carpenter, Shawn Dochtermann, Alexus Kwachka e Dave Kubiak. Um enorme agradecimento a Kelly Harrell, ex-diretora executiva do Conselho de Conservação Marinha do Alasca, cuja liderança guiou o desenvolvimento de Kodiak Jig Seafoods e Catch 49. Também agradecemos aos funcionários do Alaska Sea Grant Quentin Fong, Chris Sannito e Julie Matweyou por compartilharem sua experiência em garantia de qualidade, manuseio de frutos do mar e desenvolvimento de negócios de frutos do mar. Stephanie Webb e a Rede Comunitária de Pescas fundada pelo Ecotrust and Island Institute também forneceram um apoio inestimável nas fases iniciais deste trabalho. O Departamento de Pesca e Caça do Alasca e o Serviço Nacional de Pescas Marinhas forneceram dados elaborados neste documento. Finalmente, agradecemos aos nossos parceiros de processamento, especialmente Barb Hughes e Bill Alwert, que ajudaram a processar nosso primeiro produto sob a marca Kodiak Jig Seafoods.

Apgar-Kurtz, B. 2015. Fatores que afetam a propriedade da licença local em Bristol Bay. Política Marítica, 56:71—77.

ASMI (Instituto de Marketing de Marisco do Alasca) . 2017. O valor econômico da indústria de frutos do mar do Alasca. Preparado pelo Grupo McDowell. (disponível em < https://www.alaskaseafood.org/wp-content/uploads/2015/10/AK-Seadfood-Impacts-Sep2017-Final-Digital-C.pdf >).

Beaudreau et al. 2019. Trinta anos de mudança e o futuro das pescas do Alasca: mudanças na participação e diversificação das pescas em resposta a pressões ambientais, regulamentares e económicas. Peixe e Pesca, 20 (4). (disponível https://doi.org/10.1111/faf.12364).

Carothers, C. 2010. Tragédia da mercantilização: transições nas comunidades piscatórias de Alutiiq no Golfo do Alasca. * Estudos Marítimos (MAST) *, 90 (2): 91—115.

Carothers, C. 2011. Equidade e acesso aos direitos de pesca: explorando o Programa de Quotas Comunitárias no Golfo do Alasca. Organização Humana, 70 (3): 213—223.

Carothers, C. & Chambers, C. 2012. Privatização das pescas e reformulação dos sistemas de pesca. Ambiente e Sociedade: Avanços na Pesquisa, 3:39—59.

Coleman, J., Carothers, C., Donkersloot, R., Ringer, D., Cullenberg, P. & Bateman, A. 2018. A próxima geração de potenciais pescadores do Alasca: um levantamento das atitudes dos jovens em relação à pesca e à comunidade na Baía de Bristol e no Arquipélago de Kodiak. Maritime Studies, 18:47—63. (disponível em https://doi.org/10.1007/s40152-018-0109-5).

Cullenberg, P., Donkersloot, R., Carothers, C., Ringer, D. & Coleman, J. 2017. Virando a Maré: Como pode o Alasca abordar o “grisalho da frota” e a perda de acesso à pesca rural? Uma revisão dos programas e políticas para enfrentar os desafios de acesso nas pescarias do Alasca. Relatório financiado pelo Conselho de Pesquisa do Pacífico Norte e pelo Alasca Sea Grant. (disponível em < http://meetings.npfmc.org/CommentReview/DownloadFile?p=dd81091d-b9bc-4bd8-b929-e140c40ad41f.pdf&fileName=C6%20Turning%20the%20Tide%20Nov.2017.pdf >).

Davis, A. & Ruddle, K. 2012. Massagear a miséria: abordagens recentes da governação das pescas e da traição das pescas em pequena escala. Organização Humana, 71 (3): 244—254. (disponível em https://doi.org/10.17730/humo.71.3.205788362x751128).

Donkersloot, R. & Carothers, C. 2016. O cinzento da frota pesqueira do Alasca. Ambiente: Ciência e Política para o Desenvolvimento Sustentável, 58 (3): 30—42.

Kamali, N. 1984. Nativos do Alasca e Pesca Limitada do Alasca: Um Estudo das Alterações na Distribuição da Propriedade de Licenças Entre Nativos do Alasca, 1975-1983. Relatório 84-8 da Comissão de Entrada das Pescas Comerciais.

Knapp, G. 2006. Impactos Econômicos da Racionalização do Caranguejo BSAI no Emprego e Ganhos da Pesca Kodiak e nas Empresas Kodiak. Uma análise preliminar. Publicação ISER. Universidade do Alasca, Anchorage. (disponível em < https://pubs.iseralaska.org/media/c6c183bb-3be8-430e-83b3-f6c5a5773a3c/Knapp_Kodiak_Crab_Rationalization_Final_Report.pdf >)

Knecht, R.A. & Jordânia, R.H. 1985. Nunakakhnak: um período histórico Koniag Village em Karluk, Kodiak Island, Alasca. * Antropologia Ártica, * 22 (2): 17—35.

Câmara de Comércio de Kodiak. 2014. Perfil da comunidade Kodiak e indicadores econômicos 4º trimestre, 2013. Kodiak, EUA.

*Grupo McDowell. * 2016. Impacto econômico da indústria de frutos do mar em Kodiak Island Borough. Preparado para Kodiak Island Borough e para a cidade de Kodiak. Junho 2016. (disponível em < http://www.mcdowellgroup.net/wp-content/uploads/2017/10/kodiak-island-borough-fisheries-economic-analysis-final.pdf >)

NMFS (Serviço Nacional de Pescas Marinhas) . 2017. Pesca dos Estados Unidos, Estatísticas Atuais de Pesca Nº 2016. A. Lowther & M. Liddel, eds. Silver Spring, EUA.

NPFMC (Conselho de Gestão das Pescas do Pacífico Norte) . 2017. Revisão do Programa de Dez Anos para o Programa de Gestão da Racionalização do Caranguejo no Mar de Bering e Ilhas Aleutianas. Rascunho final (disponível em https://www.npfmc.org/wp-content/PDFdocuments/catch_shares/Crab/Crab10yrReview_Final2017.pdf)

Pinkerton, E. & Davis, R. 2015. Neoliberalismo e a política de encerramento na pequena pesca norte-americana. Política Marítica, 61:303—312.

Pullar, G. 2009. Etnografia histórica das aldeias de Kodiak do século XIX. Em S. Haakanson, Jr & A. Steffian, eds. * Giinaquq Like a Face: Máscaras Sugpiaq do Arquipélago Kodiak*, pp. 41-60. Fairbanks, EUA, Universidade do Alasca Press.

Ringer, D., Carothers, C., Donkersloot, R., Coleman, J. & Cullenberg, P. 2018. Para as gerações vindouras: explorar o acesso à pesca local e a viabilidade da comunidade no Arquipélago de Kodiak. Política Marítica, 98:97—103. (disponível em < https://doi.org/10.1016/j.marpol.2018.09.009 >)

Estado do Alaska. 2012. HCR18 — Programas de Pesca Comercial. http://www.akleg.gov/basis/Bill/Detail/27?Root=HCR%2018#tab1_4 (20 de maio de 2019).

Censo dos EUA. 2017. Fatos rápidos: Estimativas de População de Kodiak Island Borough.

*Fonte: Zelasney, J., Ford, A., Westlund, L., Ward, A. e Riego Peñarubia, O. eds 2020. Garantir uma pesca sustentável em pequena escala: Exposição de práticas aplicadas em cadeias de valor, operações pós-colheita e comércio. Documento Técnico de Pesca e Aquicultura da FAO Nº 652. Roma, FAO. https://doi.org/10.4060/ca8402en *


  1. O bairro da ilha de Kodiak engloba todas as comunidades do arquipélago e tem uma população estimada em 13 732 habitantes (US Census Bureau, 2017). 

  2. Este estudo utiliza o termo convencional “pescador” para se referir a um pescador comercial de qualquer género. Tanto homens como mulheres participam na pesca do Alasca como colhedoras, mas existe uma forte preferência pelo termo pescador, sobre pescador ou pescador 

  3. O sector do jig também colhe peixes-rochosos escuros, peixes-de-cauda-amarela e outros como captura acidental. 

  4. Espécies-alvo adicionais para a pesca de peixes de fundo do Golfo do Alasca incluem: peixes-rougheye, peixe-roguheye do norte, peixes-rochas de “outro declive”, peixes-rochas pelágicas, peixes-rochas demersais, peixes-rochas espinhosas, sarda Atka, lula, sculpin, tubarão, polvo e skate. 

  5. O número máximo de máquinas que podem ser utilizadas por navio é de cinco, com excepções limitadas nas pescarias federais. 

  6. O NPFMC é um dos oito conselhos regionais instituídos pela Lei de Conservação e Gestão das Pescas Magnuson-Stevens em 1976 para gerir as pescarias na ZEE de 200 milhas. 

  7. Ver alteração 86 em https://www.federalregister.gov/documents/2011/03/22/2011-6723/fisheries-of- programa de limitação-licença de exclusivo-zone-off-alaska-gulf-of-alaska-license-. 

  8. O nível de colheita indicativo (GHL) para o bacalhau do Pacífico nas águas estaduais da área de Kodiak é de 12,5 por cento do total estimado de colheita admissível de bacalhau do Pacífico para o Golfo Central federal da Área do Alasca. Isto é dividido entre os sectores do bacalhau e do bacalhau. 

  9. Ver página 49 em www.adfg.alaska.gov/static/regulations/fishregulations/pdfs/commercial/20192020cf\ _ groundfish_regs.pdf. 

  10. As espécies primárias consistem em peixes-rochosos do norte, poleiro do oceano Pacífico e peixes-rochosos pelágicos (trocados para peixes rochosos escuros em 2012). Espécies secundárias consistem em bacalhau do Pacífico, rougheye rockfish, shortraker rockfish, sablefish e espinhosos. 

  11. < https://alaskafisheries.noaa.gov/sites/default/files/rockfish-faq.pdf > < https://alaskafisheries.noaa.gov/fisheries/central-goa-rockfish-program > e. 

  12. Os pescadores não podem ter a bordo nem vender mais de 5 000 libras (peso redondo) de peixe-rochoso preto num período de cinco dias. 

  13. As informações sobre produtos exigidas pela Food and Drug Administration são incluídas para informar os consumidores sobre o conteúdo do produto e para evitar fraudes, falsas declarações e concorrência desleal. Todos os processadores seguem o mesmo conjunto de regras em matéria de rotulagem. Todos devem estar em conformidade com os regulamentos de processamento do Departamento de Conservação Ambiental e devem conter um sistema de Pontos Críticos de Controle de Análise de Perigos. Todo o processamento personalizado da KJS foi feito com processadores estabelecidos em conformidade com todas as regulamentações devido ao custo e complexidade de navegar no negócio de processamento. 

  14. Antes de 2017, o CSF foi formalmente nomeado Captura da Temporada. 

  15. Com o slogan “Frutos do mar capturados pelo Alasca para o Alasca”, o QCA oferece aos seus assinantes outros produtos de marisco colhidos pelos pescadores do Alasca, como o salmão, o caranguejo, o alabote e o camarão à vista. 

  16. A Sitka Salmon Shares também oferece posições de capital na empresa aos pescadores, e atualmente tem um pescador Kodiak jig como proprietário. Os proprietários de pescadores também têm a oportunidade de participar na gestão da empresa e são elegíveis para distribuição de lucros da empresa. 


Food and Agriculture Organization of the United Nations

http://www.fao.org/
Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.