common:navbar-cta
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

16.7.1 Parcialidade

Apesar dos relatos contemporâneos de sustentabilidade que ressaltam seu caráter complexo, multidimensional e contestado, na prática, grande parte da ciência que se envolve com questões de sustentabilidade permanece fixada em perspectivas e ações tradicionais e disciplinares (Miller et al. 2014). O conhecimento disciplinar, deve ser dito, tem um valor óbvio e tem proporcionado enormes avanços na compreensão desde a antiguidade. No entanto, a apreciação e aplicação de questões de sustentabilidade através de canais disciplinares tradicionais tem sido caracterizada pelo fracasso histórico em facilitar a mudança social mais profunda necessária para questões como a que enfrentamos aqui — a transformação sustentável do sistema alimentar paradigma (Fischer et al. 2007).

A articulação dos problemas de sustentabilidade através de canais disciplinares tradicionais muitas vezes leva a conceptualizações “atomizadas” que encaram as dimensões biofísicas, sociais e econômicas da sustentabilidade como entidades compartimentadas e assumem que elas podem ser enfrentadas isoladamente (por exemplo, Loos et al. 2014). Em vez de ver as questões de sustentabilidade como uma convergência de componentes interativos que devem ser abordados em conjunto, as perspectivas disciplinares muitas vezes promovem 'techno-fixes' para lidar com problemas multidimensionais complexos (por exemplo, Campeanu e Fazey 2014). Uma característica comum de tais enquadramentos é que muitas vezes implicam que os problemas de sustentabilidade podem ser resolvidos sem considerar as estruturas, metas e valores que sustentam problemas complexos em níveis mais profundos, tipicamente dando pouca consideração às ambiguidades da ação humana, das dinâmicas institucionais e concepções mais matizadas de poder.

A prática de quebrar um problema em componentes discretos, analisando-os isoladamente e depois reconstruindo um sistema a partir de interpretações das partes tem sido uma visão metodológica extremamente poderosa que remonta a sua história ao alvorecer da modernidade com a chegada do reducionismo cartesiano ( Comerciante 1981). Sendo um princípio fundamental da produção de conhecimento objetivo, esta prática constitui o alicerce do maior esforço disciplinar nas ciências naturais. A importância do conhecimento objetivo, evidentemente, está na medida em que ele fornece à comunidade de pesquisa “fatos”; insights precisos e reprodutíveis sobre fenômenos geralmente dispersos. A produção de fatos foi a sala de máquinas da inovação que impulsionou a Revolução Verde. A ciência alimentou o “conhecimento especializado” e forneceu informações penetrantes sobre a dinâmica em nossos sistemas de produção de alimentos que permaneceram invariantes através da mudança no tempo, no espaço ou na localização social. Construir um catálogo desse tipo de conhecimento, e implantá-lo como aquilo que Latour (1986) chama de “móveis imutáveis”, constituiu a base dos sistemas universais de monocropagem, fertilização e controle de pragas que caracterizam o sistema alimentar moderno (Latour 1986).

Mas essa forma de produção de conhecimento tem fraquezas. Como qualquer cientista sabe, para obter insights significativos, esse método deve ser estritamente aplicado. Demonstrou-se que esta produção de conhecimento é “tendenciosa para os elementos da natureza que cedem ao seu método e para a seleção de problemas mais sensíveis às soluções com o conhecimento assim produzido” (Kloppenburg 1991). Um exemplo claro disso seria nossa agenda de pesquisa desequilibrada sobre segurança alimentar que privilegia fortemente a produção sobre questões de conservação, sustentabilidade ou soberania alimentar (Hunter et al. 2017). A maior parte dos trabalhos de alto nível sobre segurança alimentar concentra-se na produção (Foley et al. 2011), enfatizando os fluxos de materiais e orçamentos sobre questões mais profundas, como as estruturas, regras e valores que moldam os sistemas alimentares. O fato é que, como sabemos mais sobre intervenções materiais, é mais fácil projetar, modelar e experimentar esses aspectos do sistema alimentar. Como Abson et al. (2017:2) apontam: 'Muitas aplicações científicas de sustentabilidade de chumbo assumem alguns dos fatores mais desafiadores da insustentabilidade podem ser vistas como “propriedades fixas do sistema” que podem ser abordadas no isolamento'. Ao percorrer os caminhos ao longo dos quais o sucesso experimental é mais frequentemente realizado, abordagens disciplinares 'atomizadas' negligenciam as áreas onde outras abordagens podem ser gratificantes. Tais “pontos cegos” epistemológicos significam que as intervenções de sustentabilidade são muitas vezes voltadas para aspectos altamente tangíveis que podem ser simples de prever e implementar, mas têm fraco potencial para “alavancar” a transição sustentável ou uma mudança mais profunda do sistema (Abson et al. 2017). Enfrentar os limites e as parcialidades de nosso conhecimento disciplinar é um aspecto que enfatizamos quando reivindicamos a necessidade de desenvolver um “conhecimento crítico sobre sustentabilidade” para a aquapônica.

Visto a partir de perspectivas disciplinares, as credenciais de sustentabilidade dos sistemas aquapônicos podem ser mais ou menos simples de definir (por exemplo, consumo de água, eficiência da reciclagem de nutrientes, rendimentos comparativos, consumo de insumos não renováveis, etc.). Com efeito, quanto mais estreitamente definimos os critérios de sustentabilidade, mais simples é testar esses parâmetros e mais fácil é carimbar a reivindicação de sustentabilidade nos nossos sistemas. O problema é que podemos projetar nosso caminho para uma forma de sustentabilidade que apenas poucos podem considerar sustentável. Parafraseando Kläy et al. (2015), quando transformamos nossa preocupação original de como realizar um sistema alimentar sustentável em uma “questão de fatos” (Latour 2004) e limitamos nosso esforço de pesquisa à análise desses fatos, mudamos sutilmente, mas profundamente, o problema e a direção da pesquisa. Tal questão foi identificada por Churchman (1979:4 —5), que constatou que, como a ciência aborda principalmente a identificação e a solução dos problemas, e não os aspectos éticos sistêmicos e relacionados, há sempre o risco de que as soluções oferecidas possam até aumentar a insustentabilidade do desenvolvimento — o que ele chamou a “falácia ambiental” (Churchman 1979).

Podemos levantar preocupações relacionadas para o nosso próprio campo. Pesquisas iniciais em aquaponia tentaram responder a questões relativas ao potencial ambiental da tecnologia, por exemplo, no que diz respeito à descarga de água, insumos de recursos e reciclagem de nutrientes, com pesquisas projetadas em torno de sistemas aquapônicos de pequena escala. Embora reconhecidamente estreito em seu foco, esta pesquisa geralmente manteve em foco as preocupações de sustentabilidade. Recentemente, no entanto, detectámos uma mudança no foco da investigação. Isso é levantado no capítulo 1 deste livro, cujos autores compartilham nossa própria visão, observando que a pesquisa “nos últimos anos tem se deslocado cada vez mais para a viabilidade econômica, a fim de tornar a aquapônica mais produtiva para aplicações agrícolas em larga escala”. As discussões, descobrimos, estão cada vez mais preocupadas com as vias de eficiência e rentabilidade que muitas vezes fixam o potencial da aquaponia contra a sua concorrência percebida com outros métodos de produção em larga escala (hidropônica e RAS). O argumento parece ser que apenas quando as questões da produtividade do sistema são resolvidas, através de medidas de eficiência e soluções técnicas como a otimização das condições de crescimento das plantas e dos peixes, a aquaponia torna-se economicamente competitiva com outras tecnologias industriais de produção de alimentos e é legitimada como um método de produção de alimentos.

Estamos certamente de acordo em que a viabilidade económica é um componente importante do potencial de resiliência e sustentabilidade a longo prazo da aquapônica. No entanto, gostaríamos de advertir contra definir demasiado estreitamente a nossa ética de investigação — e, na verdade, a visão futura da aquapônica — baseada apenas em princípios de produção e lucro. Preocupamo-nos que, quando a investigação aquaponica se limita à eficiência, à produtividade e à competitividade do mercado, as velhas lógicas da Revolução Verde se repitam e as nossas reivindicações à segurança alimentar e à sustentabilidade se tornem superficiais. Como vimos anteriormente, o producionismo tem sido entendido como um processo no qual uma lógica de produção superdetermina outras atividades de valor dentro dos sistemas agrícolas (Lilley e Papadopoulos 2014). Uma vez que a sustentabilidade envolve inerentemente uma complexa diversidade de valores, estas estreitas vias de pesquisa, tememos, arriscam a articulação da aquaponia dentro de uma visão restrita de sustentabilidade. Colocar a questão “em que circunstâncias a aquapônica pode ultrapassar os métodos tradicionais de produção de alimentos em larga escala?” não é o mesmo que perguntar “até que ponto a aquapônica pode atender às demandas de sustentabilidade e segurança alimentar do Antropoceno?”.

16.7.2 Contexto

A produção de conhecimento através de vias disciplinares tradicionais envolve uma perda de contexto que pode restringir a nossa resposta a questões complexas de sustentabilidade. A natureza multidimensional da segurança alimentar implica que “não existe um único caminho globalmente válido para a intensificação sustentável” (Struik e Kuyper 2014). As exigências físicas, ecológicas e humanas impostas aos nossos sistemas alimentares são vinculadas ao contexto e, como tal, as pressões de sustentabilidade e segurança alimentar decorrentes dessas necessidades. A intensificação requer contextualização (Tittonell e Giller 2013). Sustentabilidade e segurança alimentar são resultados de práticas 'situadas', e não podem ser extraídas das idiossincrasias de contexto e 'lugar' que são cada vez mais vistas como fatores importantes nos resultados dessas práticas (Altieri 1998; Hinrichs 2003; Reynolds et al. 2014). Além disso, o Antropoceno lança uma tarefa adicional: formas localizadas de conhecimento devem ser acopladas ao conhecimento “global” para produzir soluções sustentáveis. A problemática do Antropoceno coloca sobre nós uma forte necessidade de reconhecer a interligação do sistema alimentar mundial e o nosso lugar globalizado dentro dele: a forma particular como a intensificação sustentável é alcançada em uma parte do planeta provavelmente terá ramificações em outros lugares (Garnett et al. 2013). Desenvolver um “conhecimento crítico sobre sustentabilidade” significa abrir-se às diversas potencialidades e restrições decorrentes das preocupações contextualizadas de sustentabilidade.

Uma das principais rupturas propostas pela intensificação ecológica é o afastamento da regulação química que marcou a força motriz do desenvolvimento agrícola durante a revolução industrial e rumo à regulação biológica. Tal movimento reforça a importância dos contextos e especificidades locais. Apesar de lidar mais frequentemente com práticas agrícolas tradicionais de pequenos agricultores, os métodos agroecológicos têm mostrado como o contexto pode ser atendido, compreendido, protegido e celebrado por direito próprio (Gliessman 2014). Estudos de ecossistemas “reais” em toda a sua complexidade contextual podem levar a um “sentimento pelo ecossistema”, crítico para a busca de compreensão e gestão dos processos de produção de alimentos (Carpenter 1996).

A relevância das ideias agroecológicas não precisa ser restringida à “fazenda”; a natureza dos sistemas aquapônicos de circuito fechado exige um “equilíbrio” de agentes ecológicos co-dependentes (peixes, plantas, microbioma) dentro dos limites e affordances de cada sistema específico. Embora o microbioma dos sistemas aquaponicos tenha apenas começado a ser analisado (Schmautz et al. 2017), espera-se que a complexidade e o dinamismo excedam os sistemas de recirculação de aquacultura, cuja microbiologia é conhecida por ser afetada pelo tipo de ração e regime de alimentação, rotinas de manejo, microflora associada ao peixe, parâmetros da água de maquilhagem e pressão de seleção nos biofiltros (Blancheton et al. 2013). O que pode ser considerado “simples” em comparação com outros métodos agrícolas, o ecossistema dos sistemas aquapônicos é, no entanto, dinâmico e requer cuidados. Desenvolver uma “ecologia do lugar”, onde o contexto é intencionalidade e cuidadosamente envolvido, pode servir como uma força criativa na pesquisa, incluindo a compreensão científica (Thrift 1999; Beatley e Manning 1997).

A dinâmica biofísica e ecológica dos sistemas aquapônicos é central para toda a concepção da aquapônica, mas os potenciais de sustentabilidade e segurança alimentar não derivam exclusivamente desses parâmetros. Como König et al. (2016) apontam, para sistemas aquapônicos: “diferentes contextos potencialmente afetam a entrega de todos os aspectos da sustentabilidade: econômica, ambiental e social” (König et al. 2016). O enorme potencial configuracional da aquapônica — de miniatura a hectares, extenso a intensivo, básico a sistemas de alta tecnologia — é bastante atípico em todas as tecnologias de produção de alimentos (Rakocy et al. 2006). O caráter integrativo e a plasticidade física dos sistemas aquapônicos significam que a tecnologia pode ser implantada em uma ampla variedade de aplicações. Isso, nós sentimos, é precisamente a força da tecnologia aquapônica. Dada a natureza diversa e heterogênea das preocupações de sustentabilidade e segurança alimentar no Antropoceno, a grande adaptabilidade, ou mesmo 'hackability' (Delfanti 2013), da aquapônica oferece muito potencial para desenvolver a produção de alimentos “custom-fit” (Reynolds et al. 2014), que é explicitamente adaptada ao exigências ambientais, culturais e nutricionais de lugar. Os sistemas aquapônicos prometem caminhos de produção de alimentos que podem ser direcionados para limites de assimilação de recursos locais e resíduos, disponibilidade material e tecnológica, demanda de mercado e mão-de-obra. É por esta razão que a busca de resultados de sustentabilidade pode muito bem envolver diferentes caminhos de desenvolvimento tecnológico dependentes da localidade (Coudel et al. 2013). Este é um ponto que começa a receber crescente reconhecimento, com alguns comentaristas afirmando que a urgência da sustentabilidade global e das questões de segurança alimentar no Antropoceno exige uma abordagem aberta e multidimensional à inovação tecnológica. Por exemplo, Foley et al. (2011:5) afirmam: “A busca por soluções agrícolas deve permanecer neutra em termos tecnológicos. Existem vários caminhos para melhorar a produção, a segurança alimentar e o desempenho ambiental da agricultura, e não devemos ficar presos a uma única abordagem a priori, seja a agricultura convencional, a modificação genética ou a agricultura biológica” (5) (Foley et al. 2011). Destacamos esse ponto para a aquapônica, como König et al. (2018:241) já fizeram: 'existem vários problemas de sustentabilidade que a aquaponia poderia resolver, mas que podem ser impossíveis de entregar em um sistema de configuração. Por conseguinte, os caminhos futuros terão sempre de envolver uma diversidade de abordagens”.

Mas a adaptabilidade da aquapônica pode ser vista como uma espada de dois gumes. A inspiração para soluções específicas de sustentabilidade “personalizadas” traz consigo a dificuldade de generalizar o conhecimento aquapônico para fins de maior escala e repetíveis. Sistemas aquaponicos bem-sucedidos respondem às especificidades locais em clima, mercado, conhecimento, recursos, etc. (Villarroel et al. 2016; Love et al. 2015; Laidlaw e Magee 2016), mas isso significa que as mudanças em escala não podem ser facilmente resultantes da replicação fractal de histórias de sucesso locais não reproduzíveis. Tendo em conta questões semelhantes a estas, outros ramos da pesquisa de intensificação ecológica têm sugerido que a expressão “escalonamento” deve ser questionada (Caron et al. 2014). Em vez disso, a intensificação ecológica começa a ser vista como uma transição de processos multiescalares, que seguem “regras próprias” biológicas, ecológicas, gerenciais e políticas e geram necessidades únicas de troca (Gunderson 2001).

Compreender e intervir em sistemas complexos como este apresenta enormes desafios para nossa pesquisa, que é voltada para a produção de 'conhecimento especial', muitas vezes trabalhado em laboratório e isolado de estruturas mais amplas. O complexo problema da segurança alimentar está repleto de incertezas que não podem ser resolvidas adequadamente recorrendo aos exercícios de resolução de enigmas da “ciência normal” kuhniana (Funtowicz e Ravetz 1995). A necessidade de ter em conta a “especificidade” e a “generalidade” em questões complexas de forma sustentável produz grandes dificuldades metodológicas, organizacionais e institucionais. O sentimento é que, para atingir objetivos contextualizados de sustentabilidade e segurança alimentar, o conhecimento “universal” deve estar conectado ao conhecimento “baseado no lugar” (Funtowicz e Ravetz 1995). Para Caron et al. (2014), isso significa que 'os cientistas aprendem a ir e voltar continuamente... 'entre essas duas dimensões,'... tanto para formular sua questão de pesquisa quanto para capitalizar seus resultados... O confronto e a hibridização entre fontes heterogêneas de conhecimento são, portanto, essenciais” (Caron et al. 2014). A investigação deve ser aberta a círculos mais vastos de partes interessadas e aos seus fluxos de conhecimento.

Tendo em conta o enorme desafio que um tal regime implica em todas as contas, poderá encontrar-se uma resolução tentadora no desenvolvimento de técnicas aquánicas mais avançadas “controladas pelo ambiente”. Esses sistemas funcionam cortando influências externas na produção, maximizando a eficiência minimizando a influência de variáveis sub-óptimas e específicas de localização (Davis 1985). Mas questionamos esta abordagem em várias contas. Dado que o impulso de tais sistemas reside em tamponar a produção de alimentos a partir de “inconsistências localizadas”, existe sempre o risco de que as necessidades localizadas de sustentabilidade e segurança alimentar possam também ser externalizadas a partir da concepção e gestão do sistema. A eliminação de anomalias localizadas na busca do “sistema perfeito” deve certamente oferecer potenciais tentadores de eficiência no papel, mas tememos que este tipo de solução de problemas passe à problemática da especificidade e generalidade das questões de sustentabilidade no Antropoceno sem enfrentá-las. Em vez de um remédio, o resultado pode muito bem ser uma extensão da abordagem deslocada, “tamanho único serve para todos” para a produção de alimentos que marcou a Revolução Verde.

A pesquisa aquapônica atual que segue qualquer uma das escolas informais de “dissociação” ou “fechamento do ciclo” pode muito bem ser um exemplo de tais molduras. Ao empurrar os limites de produtividade do lado da produção — aquicultura ou hidrocultura — os compromissos operacionais inerentes ao princípio ecológico aquánico tornam-se mais evidentes e tornam-se vistos como barreiras à produtividade que devem ser superadas. Enquadrar o problema aquapônico como este resulta em soluções que envolvem mais tecnologia: válvulas unidirecionais patenteadas, armadilhas de condensação, oxigenadores de alta tecnologia, iluminação LED, dispensadores de nutrientes adicionais, concentradores de nutrientes e assim por diante. Essas direções repetem a dinâmica de conhecimento da agricultura industrial moderna que concentrou excessivamente a experiência e o poder dos sistemas de produção de alimentos nas mãos de cientistas aplicados envolvidos no desenvolvimento de insumos, equipamentos e gerenciamento remoto de sistemas. Não temos certeza de como essas medidas tecnocráticas se encaixam em uma ética de pesquisa que coloca a sustentabilidade em primeiro lugar. Não se trata de um argumento contra sistemas de ambiente fechados e de alta tecnologia; esperamos simplesmente sublinhar que, dentro de um primeiro paradigma de sustentabilidade, as nossas tecnologias de produção alimentar devem ser justificadas com base na geração de resultados de sustentabilidade e segurança alimentar específicos do contexto.

Compreender que a sustentabilidade não pode ser removida das complexidades do contexto ou das potencialidades do lugar é reconhecer que o “conhecimento especializado” por si só não pode ser considerado como garante de resultados sustentáveis. Isto coloca um desafio aos modos de produção centralizada do conhecimento baseado em experiências em condições controladas e na forma como a ciência pode contribuir para os processos de inovação (Bäckstrand 2003). Crucial aqui é o desenho de sistemas metodológicos que garantam a robustez e genericidade do conhecimento científico, juntamente com a sua relevância para as condições locais. Passar para concepções como esta requer uma grande mudança em nossos esquemas atuais de produção de conhecimento e não só implica uma melhor integração do agronômico com as ciências humanas e políticas, mas sugere um caminho de co-produção de conhecimento que vai muito além da “interdisciplinaridade” (Lawrence 2015).

Aqui é importante ressaltar o ponto de Bäckstrand (2003:24) que a incorporação de conhecimentos leigos e práticos nos processos científicos “não se baseia no pressuposto de que o conhecimento leigo é necessariamente “verdadeiro”, “melhor” ou “verde”. Pelo contrário, como apontam Leach et al. (2012:4), decorre da ideia de que “nutrir abordagens e formas de inovação mais diversas (sociais e tecnológicas) nos permite responder à incerteza e surpresa decorrentes de choques e estresses biofísicos e socioeconômicos complexos”. Diante da incerteza dos futuros resultados ambientais no Antropoceno, uma multiplicidade de perspectivas pode impedir o estreitamento de alternativas. A este respeito, a riqueza potencial de experimentação que ocorre em “quintal” e em projectos comunitários em toda a Europa representa um recurso inexplorado que até agora recebeu pouca atenção dos círculos de investigação. “O setor de pequena escala...” Konig et al. (2018:241) observam, '... mostra otimismo e um surpreendente grau de auto-organização através da internet. Pode haver espaço para criar inovações sociais adicionais”. Dada a natureza multidimensional das questões do Antropoceno, as inovações de base, como o setor aquapônico de quintal, se baseiam no conhecimento e experiência locais e trabalham para formas sociais e organizacionais de inovação que são, aos olhos de Leach et al. (2012:4), “pelo menos tão cruciais quanto avançadas Ciência e tecnologia”. Ligar com grupos de aquapônicos da comunidade potencialmente oferece acesso a grupos de alimentos locais vibrantes, governos locais e consumidores locais que muitas vezes estão entusiasmados com as perspectivas de colaboração com pesquisadores. Vale ressaltar que, em um clima de financiamento cada vez mais competitivo, as comunidades locais oferecem um poço de recursos — intelectuais, físicos e monetários — que muitas vezes são negligenciados, mas que podem complementar fluxos de financiamento de pesquisa mais tradicionais (Reynolds et al. 2014).

Como sabemos, atualmente, os projetos comerciais de grande escala enfrentam altos riscos de marketing, prazos rigorosos de financiamento, bem como uma alta complexidade tecnológica e de gestão que dificulta a colaboração com organizações de investigação externas. Por isso, concordamos com König et al. (2018) que encontram vantagens para a experimentação com sistemas menores que têm complexidade reduzida e estão vinculados por menos regulamentações legais. O campo deve empurrar para integrar estas organizações dentro de estruturas participativas de investigação cidadão-ciência, permitindo que a investigação académica se conjugue mais profundamente com formas de aquaponia que trabalham no mundo. Na ausência de medidas e protocolos de sustentabilidade formalizados, as empresas aquánicas correm o risco de legitimação quando os seus produtos são comercializados com base em alegações de sustentabilidade. Uma clara possibilidade de colaborações de pesquisa participativa seria a produção conjunta de “objetivos de sustentabilidade específicos da situação” muito necessários para instalações que poderiam formar a “base para o projeto do sistema” e trazer “uma estratégia de marketing clara” (König et al. 2018). Trabalhar em prol de resultados como estes pode também melhorar a transparência, a legitimidade e a relevância dos nossos esforços de investigação (Bäckstrand 2003).

O clima europeu de financiamento da investigação começou a reconhecer a necessidade de mudar a orientação da investigação, incluindo a exigência, nos recentes concursos de financiamento de projectos, de implementar os chamados “laboratórios vivos” em projectos de investigação (Robles et al. 2015). A partir de junho de 2018, o projeto Horizonte 2020 Progireg (H2020-SCC2016-2017) vai incluir um laboratório vivo para a implementação exemplar dos chamados sistemas baseados na natureza (NBS), um dos quais será um sistema aquapônico projetado pela comunidade, construído pela comunidade e operado pela comunidade em um sistema solar passivo Estufa. O projeto, com 36 parceiros em 6 países, tem como objetivo encontrar formas inovadoras de utilizar de forma produtiva a infraestrutura verde de ambientes urbanos e periurbanos, com base nos conceitos de co-produção desenvolvidos em seu projeto irmão atualmente em execução, CoproGrün.

Os pacotes de trabalho dos pesquisadores sobre a parte aquapônica do projeto serão triplicados. Uma parte será sobre o aumento do chamado nível de prontidão tecnológica (TRL) da aquapônica, uma tarefa de pesquisa sem colaboração explícita com leigos e com a comunidade. A utilização dos recursos dos actuais conceitos aquapónicos e o potencial de optimização dos recursos de medidas técnicas adicionais são os objectivos centrais desta tarefa. Embora, à primeira vista, esta tarefa pareça seguir o paradigma acima criticado de produtividade e aumento da produtividade, os critérios de avaliação para diferentes medidas incluirão aspectos mais multifacetados, como a facilidade de implementação, a compreensão, a adequação e a transferibilidade. Um segundo foco será o apoio ao planejamento comunitário, construção e processos operacionais, que buscam integrar conhecimento objetivo e geração de conhecimento praticante. Um meta-objetivo desse processo será a observação e a moderação dos processos relevantes de colaboração e comunicação da comunidade. Nesta abordagem, espera-se que a moderação altere ativamente a observação, ilustrando um desvio das rotinas tradicionais de pesquisa de construção de fatos e repetibilidade. Um terceiro pacote abrange a investigação sobre obstáculos políticos, administrativos, técnicos e financeiros. A intenção aqui é envolver um conjunto mais amplo de partes interessadas, desde políticos e decisores até planejadores, operadores e vizinhos, com estruturas de investigação desenvolvidas para reunir cada uma dessas perspectivas específicas. Esperemos que este método mais holístico abra um caminho para a abordagem “sustentabilidade em primeiro lugar” proposta neste capítulo.

16.7.3 Preocupação

Reconhecer a aquaponia como uma forma multifuncional de produção de alimentos enfrenta grandes desafios. Como já foi discutido, compreender a noção de 'agricultura multifuncional' é mais do que apenas um debate crítico sobre o que constitui 'pós-producionismo' (Wilson 2001); isso porque procura mover as compreensões do nosso sistema alimentar para posições que melhor encapsulem a diversidade, a não-linearidade e o espaço heterogeneidade reconhecida como ingredientes fundamentais para um sistema alimentar sustentável e justo. É importante recordar que a própria noção de “multifuncionalidade” na agricultura surgiu durante os anos 90 como “consequência das consequências indesejáveis e em grande parte imprevistas no ambiente e na sociedade e da reduzida relação custo-eficácia da Política Agrícola Comum Europeia (PAC), que, sobretudo, procurava aumentar as produções agrárias e a produtividade da agricultura” (270) (Cairol et al. 2009). Compreender que os nossos climas políticos e as nossas estruturas institucionais não têm contribuído para uma mudança sustentável é um ponto que não devemos esquecer. Como outros já apontaram em campos agronômicos adjacentes, compreender e desbloquear a riqueza das contribuições da produção de alimentos para o bem-estar humano e a saúde ambiental envolverá necessariamente uma dimensão “crítica” (Jahn 2013). Esta visão, nós sentimos, deve ser mais forte na pesquisa aquaponica.

Escolhemos aqui cuidadosamente a palavra “preocupação”. A palavra preocupação traz conotações diferentes para “crítica”. A preocupação traz noções de ansiedade, preocupação e problemas. A ansiedade vem quando algo interrompe o que poderia ser uma existência mais saudável, feliz ou segura. Isso nos lembra que fazer pesquisas no Antropoceno é reconhecer nosso lugar drasticamente inquietante no mundo. Que as nossas “soluções” têm sempre a possibilidade de problemas, quer sejam éticos, políticos ou ambientais. Mas a preocupação tem mais do que conotações negativas. Preocupar-se também significa “estar”, “relacionar-se com” e também “cuidar”. Isso nos lembra de questionar sobre o que é a nossa pesquisa. Como nossas preocupações disciplinares se relacionam com outras disciplinas, bem como com questões mais amplas. Critalmente, os resultados da sustentabilidade e da segurança alimentar exigem que nos preocupemos com as preocupações dos outros.

Considerações como estas constituem um terceiro aspecto do que queremos dizer quando pedimos um “conhecimento crítico da sustentabilidade” para a aquaponia. Como comunidade de pesquisa, é fundamental que desenvolvamos uma compreensão dos fatores estruturais que impactam e restringem a efetiva inovação social, política e tecnológica da aquapônica. A mudança técnica depende das infra-estruturas, das capacidades de financiamento, das organizações de mercado, bem como das condições laborais e dos direitos da terra (Röling 2009). Quando o papel deste enquadramento mais amplo é assumido apenas como um “ambiente propício”, muitas vezes o resultado é que tais considerações são deixadas fora do esforço de investigação. Este é um ponto que serve para justificar facilmente o fracasso das unidades de desenvolvimento de cima para baixo baseadas em tecnologia (Caron 2000). Nesse sentido, o discurso tecno-otimista da aquapônica contemporânea, em sua incapacidade de apreender uma maior resistência estrutural ao desenvolvimento da inovação sustentável, serviria de exemplo.

Como uma importante forma potencial de intensificação sustentável, a aquaponia tem de ser reconhecida como inserida e ligada a diferentes formas sociais, económicas e organizacionais a várias escalas, potencialmente do agregado familiar, da cadeia de valor, do sistema alimentar e além, incluindo também outros níveis políticos. Felizmente, os passos para atender às dificuldades estruturais mais amplas que a tecnologia aquapônica enfrenta recentemente foram feitas, com König et al. (2018) oferecendo uma visão da aquapônica através de uma lente de “sistema de inovação tecnológica emergente”. König et al. (2018) mostraram como os desafios para o desenvolvimento da aquapônica derivam de: (1) complexidade do sistema, (2) configuração institucional e (3) paradigma de sustentabilidade que ele tenta impactar. O campo de pesquisa aquapônica precisa responder a esse diagnóstico.

A lenta absorção e a alta probabilidade de fracasso que a tecnologia aquaponica apresenta atualmente é uma expressão da resistência social mais ampla que torna a inovação sustentável um desafio, bem como a nossa incapacidade de nos organizarmos eficazmente contra essas forças. Como König et al. (2018) observam, o ambiente de alto risco que atualmente existe para empresários e investidores aquapônicos obriga as instalações de startups em toda a Europa a concentrarem-se na produção, marketing e formação de mercado, em detrimento da entrega de credenciais de sustentabilidade. Nessa linha, Alkemade e Suurs (2012) nos lembram que “as forças do mercado por si só não podem ser confiadas para realizar as transições desejadas de sustentabilidade”; ao contrário, apontam que é necessária uma visão sobre a dinâmica dos processos de inovação se a mudança tecnológica puder ser guiada por trajetórias mais sustentáveis (Alkemade e Suurs 2012).

As dificuldades que as empresas aquapónicas enfrentam na Europa sugerem que o domínio carece actualmente das condições de mercado necessárias, sendo que a “aceitação do consumidor” - um factor importante que permite o êxito das novas tecnologias dos sistemas alimentares - é reconhecida como uma possível área problemática. A partir desse diagnóstico, foi levantado o problema da 'educação do consumido' (Miličić et al. 2017). Juntamente com isso, gostaríamos de salientar que a educação coletiva é uma preocupação fundamental para questões de sustentabilidade do sistema alimentar. Mas contas como estas vêm com riscos. É fácil recuar nas concepções modernistas tradicionais sobre o papel da ciência na sociedade, assumindo que “se ao menos o público entendesse os fatos” sobre nossa tecnologia, escolheria a aquapônica em vez de outros métodos de produção de alimentos. Contas como estas assumem demasiado, tanto sobre as necessidades dos “consumidores”, como sobre o valor e aplicabilidade universal do conhecimento especializado e da inovação tecnológica. Há necessidade de buscar relatos mais finos e mais matizados da luta por futuros sustentáveis que vão além da dinâmica do consumo (Gunderson 2014) e tenham maior sensibilidade às diversas barreiras que as comunidades enfrentam no acesso à segurança alimentar e na implementação de ações sustentáveis (Carolan 2016; Muro 2007).

Obter insights sobre os processos de inovação coloca grande ênfase em nossas instituições geradoras de conhecimento. Como já discutimos acima, questões de sustentabilidade exigem que a ciência se abra a abordagens participativas públicas e privadas que impliquem coprodução de conhecimento. Mas em termos desse ponto, vale a pena notar que enormes desafios estão na loja. Como Jasanoff (2007:33) diz: “Mesmo quando os cientistas reconhecem os limites de suas próprias investigações, como muitas vezes fazem, o mundo político, implicitamente incentivado pelos cientistas, pede mais pesquisas”. A suposição amplamente defendida de que o conhecimento mais objetivo é a chave para reforçar a ação em prol da sustentabilidade é contrária aos achados da ciência da sustentabilidade. Os resultados de sustentabilidade são, na verdade, processos de conhecimento deliberativo mais estreitamente ligados: construir uma maior conscientização sobre as formas pelas quais especialistas e profissionais enquadram questões de sustentabilidade; os valores incluídos e excluídos; bem como formas eficazes de facilitar a comunicação de diversos conhecimento e lidar com conflitos se e quando surgirem (Smith e Stirling 2007; Healey 2006; Miller e Neff 2013; Wiek et al. 2012). Como apontam Miller et al. (2014), a dependência contínua do conhecimento objetivo para julgar questões de sustentabilidade representa a persistência da crença modernista na racionalidade e no progresso que subscreve quase todas as instituições geradoras de conhecimento (Horkheimer e Adorno 2002; Marcuse 2013).

É aqui que desenvolver um conhecimento crítico de sustentabilidade para a aquapônica muda nossa atenção para nossos próprios ambientes de pesquisa. As nossas instituições de investigação cada vez mais “neoliberalizadas” apresentam uma tendência preocupante: a reversão do financiamento público das universidades, a crescente pressão para obter resultados a curto prazo, a separação das missões de investigação e de ensino, a dissolução do autor científico, a contracção das agendas de investigação para centrar-se nas necessidades dos intervenientes comerciais, na crescente dependência da aceitação do mercado para julgar disputas intelectuais e na intensa fortificação da propriedade intelectual na promoção da comercialização do conhecimento, todos os quais têm demonstrado impacto na produção e divulgação da nossa investigação, e na verdade, todos são fatores que impactam a natureza da nossa ciência (Lave et al. 2010). Uma questão que deve ser confrontada é se nossos atuais ambientes de pesquisa estão aptos para o exame de metas complexas de sustentabilidade e segurança alimentar a longo prazo que devem fazer parte da pesquisa aquapônica. Este é o ponto chave que gostaríamos de enfatizar — se a sustentabilidade é um resultado de deliberação e ação coletivas multidimensionais, nossos próprios esforços de pesquisa, integralmente parte do processo, devem ser vistos como algo que pode ser inovado para resultados de sustentabilidade também. O projeto Horizonte 2020 acima mencionado Progireg pode ser um exemplo de alguns primeiros passos ambiciosos no sentido de criar novos ambientes de pesquisa, mas temos de trabalhar arduamente para evitar que o próprio processo de pesquisa caia fora de vista. Podem ser levantadas questões sobre como essas medidas potencialmente revolucionárias de “laboratórios vivos” podem ser implementadas a partir das lógicas tradicionais de financiamento. Por exemplo, apela para abordagens participativas em primeiro plano a importância conceitual de resultados abertos, ao mesmo tempo que exige que o gasto pretendido de tais laboratórios vivos seja predefinido. Encontrar formas produtivas de sair das barreiras institucionais tradicionais é uma preocupação sempre presente.

Nossos ambientes modernos de pesquisa não podem mais ser considerados como tendo um isolamento privilegiado das questões mais amplas da sociedade. Mais do que nunca, nossas biociências orientadas pela inovação estão implicadas nas preocupações agrárias do Antropoceno (Braun e Whatmore 2010). O campo dos Estudos Científicos e Tecnológicos nos ensina que as inovações tecnocientíficas vêm com sérias implicações ético-políticas. Uma discussão de 30 anos neste campo ultrapassou muito a ideia de que as tecnologias são simplesmente “utilizadas” ou “mal utilizadas” por diferentes interesses sociopolíticos depois de o hardware ter sido “estabilizado” ou legitimado através de experimentação objetiva em espaços de laboratório neutros (Latour 1987; Pickering 1992). A visão 'construtivista' nas análises STS vai além da identificação da política dentro dos laboratórios (Law and Williams 1982; Latour e Woolgar 1986 [1979]) para mostrar que as tecnologias que produzimos não são objetos 'neutros', mas são, de fato, infundidas com capacidades de 'fazer mundo' e consequências políticas.

Os sistemas aquaponicos que ajudamos a inovar estão repletos de capacidades futuras, mas as consequências da inovação tecnológica raramente são um foco de estudo. Parafraseando Winner (1993), o que a introdução de novos artefatos significa para o senso de si mesmo das pessoas, para a textura das comunidades humanas/não-humanas, para as qualidades de vida cotidiana dentro da dinâmica da sustentabilidade e para a distribuição mais ampla do poder na sociedade, estas não têm sido tradicionalmente questões de preocupação explícita. Quando os estudos clássicos (Winner 1986) fazem a pergunta: “Os artefactos têm política?” , este não é apenas um apelo para produzir exames mais precisos da tecnologia, incluindo a política nos relatos das redes de usuários e stakeholders, embora isso seja certamente necessário, mas também nos preocupa pesquisadores, nossos modos de pensamento e ethos que afetam a política (ou não) que atribuímos aos nossos objetos (de la Bellacasa 2011; Arboleda 2016). Estudiosos feministas têm destacado como as relações de poder estão inscritas no próprio tecido do conhecimento científico moderno e suas tecnologias. Contra formas de conhecimento alienadas e abstratas, eles inovaram abordagens teóricas e metodológicas fundamentais que buscam reunir visões objetivas e subjetivas do mundo e teorizar sobre a tecnologia desde o ponto de partida da prática (Haraway 1997; Harding 2004). Consciente desses pontos, Jasanoff (2007) pede o desenvolvimento do que ela chama de “tecnologias da humildade”: “A humildade nos instrui a pensar mais sobre como reformular os problemas para que suas dimensões éticas sejam trazidas à luz, quais novos fatos a buscar e quando resistir a pedir esclarecimentos à ciência. A humildade nos orienta a aliviar as causas conhecidas da vulnerabilidade das pessoas ao dano, a prestar atenção à distribuição de riscos e benefícios e a refletir sobre os fatores sociais que promovem ou desencorajam a aprendizagem”.

Um primeiro passo importante para o nosso campo para compreender melhor as potencialidades políticas da nossa tecnologia seria incentivar a expansão do campo para áreas críticas de investigação que estão atualmente sub-representadas. Do outro lado do Atlântico, nos EUA e no Canadá já foram feitos movimentos semelhantes, onde uma abordagem interdisciplinar tem vindo a evoluir progressivamente para o campo crítico da ecologia política (Allen 1993). Tais projetos não só visam combinar padrões de agricultura e uso do solo com tecnologia e ecologia, mas também enfatizam a integração de fatores socioeconômicos e políticos (Caron et al. 2014). A comunidade de pesquisa aquaponica na América começou a reconhecer a expansão dos recursos da pesquisa sobre soberania alimentar, explorando como as comunidades urbanas podem ser reengajadas com os princípios da sustentabilidade, enquanto tomam mais controle sobre sua produção e distribuição de alimentos (Laidlaw e Magee 2016). A soberania alimentar tornou-se um tema enorme que procura precisamente intervir em sistemas alimentares sobredeterminados pelo desfortalecimento das relações capitalistas. Do ponto de vista da soberania alimentar, o controle corporativo do sistema alimentar e a mercantilização dos alimentos são vistos como ameaças predominantes à segurança alimentar e ao meio ambiente natural (Nally 2011). Seguiríamos a visão de Laidlaw e Magee (2016) de que as empresas aquapônicas baseadas na comunidade “representam um novo modelo de como misturar agência local com inovação científica para entregar a soberania alimentar nas cidades”.

Desenvolver um “conhecimento crítico de sustentabilidade” para a aquapônica significa resistir à visão de que a sociedade e suas instituições são simplesmente domínios neutros que facilitam a progressão linear em direção à inovação sustentável. Muitos ramos das ciências sociais têm contribuído para uma imagem da sociedade que é infundida com relações assimétricas de poder, um local de contestação e luta. Uma dessas lutas diz respeito ao próprio significado e natureza da sustentabilidade. Pontos de vista críticos de campos mais amplos sublinham que a aquaponia é uma tecnologia madura com potencial político e limitação. Se formos sérios sobre sustentabilidade e segurança alimentar credenciais da aquapônica, torna-se crucial que examinemos mais detalhadamente como nossas expectativas dessa tecnologia se relacionam com a experiência no terreno e, por sua vez, encontremos maneiras de integrar isso de volta aos processos de pesquisa. Seguimos Leach et al. (2012) aqui que insistem na necessidade de considerações mais finas sobre o desempenho de inovações sustentáveis. Para além das alegações, quem ou o que beneficiará de tais intervenções deve ocupar um lugar central no processo de inovação aquapônica. Por último, como os autores de Chap. 1 deixaram claro, a busca de uma mudança de paradigma duradoura exigirá a capacidade de colocar nossa pesquisa em circuitos políticos que tornem os ambientes legislativos mais propícios ao desenvolvimento da aquapônica e habilitar alterações em larga escala. Influenciar a política requer uma compreensão da dinâmica do poder e dos sistemas políticos que permitem e minam a mudança para soluções sustentáveis.


Aquaponics Food Production Systems

Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.