common:navbar-cta
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar

14.1 Introdução

2 years ago

4 min read
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Atualmente, os sistemas aquapônicos são o núcleo de inúmeros esforços de pesquisa que visam melhor compreender esses sistemas e responder aos novos desafios da sustentabilidade da produção alimentar (Goddek et al. 2015; Villarroel et al. 2016). O número acumulado de publicações mencionando “aquaponics” ou termos derivados no título passou de 12 no início de 2008 para 215 em 2018 (resultados da pesquisa do banco de dados Scopus de janeiro de 2018). Apesar deste número crescente de artigos e da grande área de tópicos de estudo que estão abordando, ainda falta um ponto crítico, a saber, o manejo de pragas vegetais (Stouvenakers et al. 2017). De acordo com uma pesquisa sobre membros do Hub Aquapônico da UE, apenas 40% dos praticantes têm algumas noções sobre pragas e controle de pragas vegetais (Villarroel et al. 2016).

Na aquapônica, as doenças podem ser semelhantes às encontradas em sistemas hidropônicos sob estruturas de efeito estufa. Entre os patógenos mais problemáticos, em termos de propagação, estão os fungos hidrofílicos ou protistas semelhantes a fungos que são responsáveis por doenças radiculares ou colarinho. Para considerar o controle de patógenos vegetais em aquaponia, em primeiro lugar, é importante diferenciar entre sistemas acoplados e desacoplados. Os sistemas dissociados permitem a desconexão entre a água do compartimento dos peixes e das culturas (ver capítulo 8). Esta separação permite otimizar e controlar melhor os diferentes parâmetros (por exemplo, temperatura, composição mineral ou orgânica e pH) em cada compartimento (Goddek et al. 2016; Monsees et al. 2017). Além disso, se a água da unidade de cultura não voltar para a parte do peixe, a aplicação de tratamentos fitossanitários (por exemplo, pesticidas, biofesticidas e agentes químicos de desinfecção) poderia ser permitida aqui. Os sistemas acoplados são construídos num circuito em que a água recircula em todas as partes do sistema (ver Chaps. 5 e 7). No entanto, em sistemas acoplados, o controle de pragas das plantas é mais difícil devido à presença de peixes e microrganismos benéficos que transformam lodo de peixe em nutrientes vegetais. A sua existência limita ou exclui a aplicação de agentes desinfectantes já disponíveis e tratamentos químicos. Além disso, não foram desenvolvidos pesticidas ou biopesticidas especificamente para a aquapônica (Rakocy et al. 2006; Rakocy 2012; Somerville et al. 2014; Bittsanszky et al. 2015; Nemethy et al. 2016; Sirakov et al. 2016). Por conseguinte, as medidas de controlo baseiam-se principalmente em práticas físicas não curativas (ver Seção 14.3.1) (Nemethy et al. 2016; Stouvenakers et al. 2017).

Por outro lado, estudos recentes destacam que a produção de plantas aquapônicas oferece rendimentos semelhantes quando comparada à hidropônica, embora as concentrações de nutrientes minerais das plantas sejam menores na água aquapônica. Além disso, quando a água aquapônica é complementada com alguns minerais para atingir concentrações hidropônicas de elementos nutritivos minerais, pode-se observar rendimentos ainda melhores (Pantanella et al. 2010; Pantanella et al. 2015; Delaide et al. 2016; Saha et al. 2016; Anderson et al. 2017; Wielgosz et al. 2017; Goddek e Vermeulen 2018). Além disso, algumas observações informais de praticantes de aquapônica e dois estudos científicos recentes (Gravel et al. 2015; Sirakov et al. 2016) relatam a possível presença de compostos benéficos e/ou microrganismos na água que possam desempenhar um papel na bioestimulação e/ou ter antagonismo (i.e. atividade inibitória) contra patógenos vegetais. A bioestimulação é definida como a melhoria dos traços de qualidade das plantas e da tolerância das plantas contra o stress abiótico utilizando qualquer microrganismo ou substância.

No que se refere a estes aspectos, este capítulo tem dois objectivos principais. O primeiro é fazer uma revisão dos microrganismos envolvidos em sistemas aquapônicos com foco especial em microrganismos fitofarmacêuticos e benéficos para plantas. Serão igualmente considerados factores que influenciam estes microrganismos (por exemplo, matéria orgânica). A segunda é rever os métodos disponíveis e as possibilidades futuras no controlo das doenças vegetais.


Aquaponics Food Production Systems

Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.