O Aquaponics System Designer acaba de ser lançado! Comece a projetar agora.
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Alexander Ford Ramo de Política, Economia e Instituições Departamento de Pesca e Aquicultura da FAO Roma, Itália

Aina Randrianantoandro Omar Riego Peñarubia Produto, Comércio e Marketing Departamento de Pesca e Aquicultura da FAO Roma, Itália

Ao longo da última década, a técnica de processamento Fao-thiaroye (FTT), um método mais saudável, mais econômico e ambientalmente sustentável para fumar peixe, foi introduzida em comunidades piscatórias em toda a África, Ásia e Pacífico. Este estudo de caso examina o papel do FTT na África Ocidental, focando sua função como uma tecnologia que reduz os impactos na saúde humana e as perdas de peixe, melhora a eficiência de combustível, aumenta a qualidade dos produtos e facilita o acesso aos mercados internacionais. O estudo também examina o papel que o FTT tem desempenhado na organização social dos processadores que o utilizam e no avanço da igualdade de género e do empoderamento das mulheres na África Ocidental. Além disso, destaca elementos do ITF que apoiam as cadeias de valor das pescarias de pequena escala dependentes do comércio de peixe defumado, bem como as suas limitações e áreas em que é necessário aprofundar o estudo para compreender o impacto na cadeia de valor e nas partes envolvidas. Finalmente, o estudo de caso apresenta recomendações para garantir a eficácia da gestão do ITF.

*Palavras-chave: * Forno FTT-thiaroye, comércio de peixe defumado, estruturas organizacionais, desenvolvimento de capacidades, PAH, valor agregado, tecnologias eficientes em termos de custos, inclusão de género.

Em 2011, o sector das pescas na África Ocidental valia 24 mil milhões de dólares americanos, o que equivale a 1,26 por cento do PIB de todos os países africanos. As pessoas na África Ocidental dependem do peixe como fonte de nutrição, proteínas e micronutrientes críticos. Cerca de 12,3 milhões de pessoas na região estão empregadas no setor das pescas; destas, estima-se que 45% sejam mulheres ocupando papéis pós-colheita. No comércio informal de frutos do mar entre os estados, o peixe seco ou defumado representa 90% do comércio. No entanto, os transformadores de peixe às vezes lutam para produzir produtos de boa qualidade e de longa duração. Os desafios relacionados ao processamento de pescado incluem a falta de acesso ao crédito para o capital de maneio, condições higiênicas precárias das instalações de processamento e o uso de equipamentos de processamento obsoletos (Ayilu et al., 2016).

O tabagismo é um método tradicional de preservação de peixes comumente vistos na África Ocidental que contribui para a segurança alimentar e os meios de subsistência na região (Tabela 3.1). Na história recente, o fumo de peixe tem predominantemente dependido do forno de tambor metálico e do forno Chorkor (Brownell, 1983; Gordon, Pulis e Owusu-Adjei, 2011). O forno de tambor (um forno feito a partir de um tambor de óleo) apresenta uma série de inconvenientes: é baixo em termos de capacidade e eficiência de combustível, e requer um manuseio excessivo do produto durante o processamento, o que expõe os processadores ao risco de queimaduras (Brownell, 1983). A baixa capacidade invariavelmente se traduz em altas perdas pós-colheita durante as estações do pára-choques. Para resolver essas desvantagens, o forno Chorkor foi desenvolvido no final da década de 1960 através dos esforços colaborativos do Instituto de Pesquisa Alimentar do Gana, da FAO e dos processadores de peixe em Chorkor (uma comunidade piscatória em Accra). Atualmente, goza de uso generalizado em toda a África. No entanto, o forno Chorkor tem as suas próprias deficiências: requer grandes quantidades de combustível para ser eficaz e não filtra o fumo dos processadores.

QUADRO 3.1 **Principais dez espécies de peixes comercializadas regionalmente

Nome Inglês NomecientíficoForma negociada no comércioShad, bongaEthmalosa fimbriataFumado RodadasardinellaSardinella auritaSmoked AnchovasEncrasicolusPara-choques do Atlânticoseco e defumadoChloroscombrus chrysurusCavalaseca e defumadaScomber japonicasCamarão rosadefumadoPenaeus notialisCamarão rosa de água profunda ParapaeneuslongirostrisFumadoTilápia Preto-chinned SarotherodonmolanotheronSal seco e fumado

A queima de madeira resulta na produção de quatro hidrocarbonetos aromáticos policíclicos cancerígenos (PAH): benzo (a) pireno, criseno, benz (a) antraceno e benzo (b) fluoranteno, conjuntamente designados como PAH4 no contexto do tabagismo de peixes. Durante o processo de fumar de peixe, a fumaça da madeira, juntamente com altas temperaturas de processamento, resulta em depósitos de PAH4 no peixe (Stolyhwo e Sikorski, 2005). Sabe-se que esses compostos PAH4 incitam complicações pulmonares, tegumentares e oculares entre fumantes de peixes. Muitas mulheres fumantes de peixe carregam crianças pequenas nas costas enquanto trabalham, tornando seus bebês suscetíveis a esses riscos também. Além disso, acredita-se que o resíduo de PAH4 no peixe defumado aumente o risco de câncer entre aqueles que o consomem, sendo a dieta responsável por 88-98 por cento da exposição humana à HAP (Farhadian et al., 2011).

Os compostos de PAH4 nos alimentos têm sido considerados um risco pela União Europeia e, em 2011, a Comissão Europeia atualizou os seus teores máximos para 12 μg/kg por quilo de peixe defumado (Comissão Europeia, 2011). Em parte, em resposta ao sistema de alerta rápido da UE para os géneros alimentícios e alimentos para animais (RASFF) 1, verificações que conduziram à detenção, e por vezes rejeitadas, devido a níveis elevados de PAH4 e, em parte, em resposta ao clamor dos transformadores de peixe (a maioria das quais são mulheres) no que diz respeito à saúde complicações associadas aos fornos Chorkor e tambores metálicos, em 2013 a FAO e o Centro Nacional de Formação de Técnicos de Peixe e Aquicultura (CNFTPA) no Senegal começaram a desenvolver a técnica de processamento FAO-Thiaroye (FTT) para operações de tabagismo de peixe em pequena escala (FAO, 2017) — embora o FTT tenha sido introduzida no Togo e na Costa do Marfim, em 2008, em unidades de transformação de peixe orientadas para a exportação. A tecnologia é de propriedade e licenciada pela FAO. A partir de hoje, o FTT está a ser utilizado em mais de uma dúzia de países africanos (Figura 3.1). É usado por pelo menos quatro empresas que processam e exportam peixe para a União Europeia e os Estados Unidos da América e atualmente está sendo pilotado em comunidades piscatórias de pequena escala no Sri Lanka, na Micronésia (Estados Federados de) e nas Filipinas.

! image-20210521190918312

A concepção dos fornos FTT baseia-se na do forno Chorkor e o forno pode mesmo utilizar componentes da Chorkor (figura 3.2). O FTT permite que várias etapas de processamento sejam combinadas em uma só: o tabagismo do peixe, além da secagem adicional e armazenamento do produto final (FAO, 2017; FAO 2019). A tampa do forno não só cobre o produto durante o tabagismo e a secagem, mas também o protege depois (Figura 3.3). As prateleiras de secagem/fumantes são removíveis e fáceis de limpar, e são feitas de materiais resistentes ao calor, garantindo assim uma vida útil mais longa. Uma característica exclusiva do FTT é que o combustível é mantido em um forno de brasa, que concentra o calor no produto, reduzindo assim a perda de calor (o que aumenta a eficiência de combustível) e também protegendo aqueles que operam o forno através da contenção da fumaça. Outra característica é a bandeja de coleta de gordura. Finalmente, o FTT apresenta um sistema gerador de fumaça indireta composto por dois componentes principais: (1) um cano e um tubo metálico que pode ser moldado em um tubo espiral ou circular; e (2) um sistema de filtro, que inclui um invólucro metálico no qual o filtro é inserido. Em relação ao Capítulo 7 das Diretrizes Voluntárias para Garantir uma Pesca Sustentável em Pequena Escala no Contexto da Segurança Alimentar e Erradicação da Pobreza (Diretrizes do SSF), este estudo de caso discute o impacto do ITF nas cadeias de valor e comunidades, focando primeiramente na própria tecnologia e na sua Contribuição para a redução da perda de peixe, o valor acrescentado e a eficiência de custos (ponto 7.5); depois examinar o seu impacto no comércio e no acesso ao mercado (ponto 7.6); e depois discutir o género, os meios de subsistência e a organização social (pontos 7.2 e 7.4). Em seguida, segue uma discussão sobre as limitações e lições aprendidas e, finalmente, conclusões e recomendações para o futuro.

! image-20210521190928764

! image-20210521190936907

O estudo de caso foi concebido para fornecer uma visão geral do impacto que o ITF teve até à data no contexto do capítulo 7 das Orientações relativas aos SSF. O objectivo era, em particular, sintetizar as principais conclusões relativas aos pontos 7.2, 7.4, 7.5 e 7.6, com informações adicionais de peritos, a fim de fornecer orientações para o futuro.

A primeira etapa da pesquisa envolveu uma revisão sistemática de toda a literatura disponível publicamente. Isso serviu a uma dupla função, na medida em que permitiu, principalmente, obter uma compreensão do ITF, ao mesmo tempo, identificar as principais partes interessadas para entrevistar na segunda etapa do estudo. A FAO é atualmente a autora predominante na literatura FTT. No entanto, outros autores também examinaram a indústria do tabagismo de peixe e suas cadeias de valor associadas em geral, o que tem sido útil para fornecer recomendações para o ITF.

A segunda fase da investigação consistiu em discutir o ITF com peritos, incluindo pessoas com experiência em tecnologias de transformação de peixe em geral, ou pessoas que estiveram directamente envolvidas com o ITF. Um guia de entrevista foi adotado para agilizar esse processo e ajudar a focar a investigação (Apêndice 1). As perguntas da entrevista foram ajustadas de acordo com as pessoas entrevistadas e onde sua expertise profissional se encontra, e também para eliminar questões que estavam gerando as mesmas respostas. O leque de pessoas selecionadas incluiu representantes de agências de desenvolvimento, pesquisa/academia e representantes da comunidade. Os entrevistados foram oriundos da revisão de literatura. Além disso, os autores utilizaram suas próprias redes para identificar outros profissionais para entrevistar. Mais uma vez, isso serviu a uma dupla função na medida em que fortaleceu ou corrigiu nosso entendimento obtido a partir da revisão da literatura, ao mesmo tempo que proporcionou insights sobre a história do ITF. Este último ponto foi crítico, uma vez que forneceu grande parte da base para as nossas recomendações políticas.

Uma limitação a este método foi o número limitado de pescadores entrevistados, embora tenhamos compensado por meio de uma entrevista com a Coalizão para Acordos Justas de Pescas (CFFA), que tem estado directamente envolvida na instalação dos fornos e tem experiência em primeira mão com o ITF. A CFFA é uma plataforma de ONG sediada em Bruxelas que documenta o desenvolvimento e os impactos ambientais das relações pesqueiras da União Europeia nas comunidades piscatórias de pequena escala nos Estados de África, Caraíbas e Pacífico (ACP). O principal objectivo da CFFA é promover os meios de subsistência e a segurança alimentar das comunidades piscatórias costeiras, através da partilha de informações, da defesa e do diálogo entre organizações dos países ACP, do sector privado e dos decisores da União Europeia.

Desde a alteração de 2011 nos regulamentos da União Europeia sobre os níveis PAH4, alguns institutos de investigação têm explorado formas de adaptar ou desenvolver tecnologia para satisfazer as novas normas. No entanto, os níveis de PAH4 permaneceram muito altos, como foi apresentado na quarta sessão do Workshop sobre Tecnologia, Utilização e Garantia de Qualidade do Peixe realizado em Elmina, Gana, em 2017 (FAO, 2018). Estudos mostram que o modelo FTT atende aos níveis regulatórios da União Europeia, atualmente considerados como referência regulatória do mercado global (FAO, 2018). Os dados obtidos a partir de testes comparativos de consumo de peixe realizados pela FAO (2018) mostram que os produtos do forno Chorkor tinham níveis de PAH4 até 33 vezes o limite máximo da União Europeia (ML), enquanto os níveis de PAH4 para os produtos FTT foram consideravelmente inferiores ao máximo (Figura 3.4).

O tipo de combustível utilizado influencia grandemente os depósitos de PAH4 durante a combustão (Figura 3.5) (Bomfeh et al., 2016). Por exemplo, na Costa do Marfim, as madeiras macias como a madeira de borracha relativamente abundante devem ser evitadas devido ao seu elevado teor de PAH4. Outros tipos de combustível, como madeiras de folhosas e conchas de coco, são recomendados em vez disso. Embora a queima de madeira de manguezal gere baixos níveis de PAH4, seu uso deve ser limitado e controlado dada a importância ecológica e econômica dos manguezais, especialmente em termos de recursos aquáticos e pesqueiros, onde eles desempenham um papel vital como habitat de desova e viveiro para muitas espécies aquáticas; e em termos do serviço ecossistema que desempenham na protecção costeira. Quando o carvão é usado, o consumo de lenha de combustível é significativamente reduzido. Além disso, porque o carvão vegetal libera muito pouca fumaça, é mais fácil obter produtos defumados que cumpram as normas de segurança dos PAH. Da mesma forma, adicionar pedras como siporex ou pedaços de terra assada retém calor nos fornos, reduzindo assim a quantidade de carvão vegetal necessária em cerca de 50% (FAO, 2015a).

! image-20210521191018658

Os custos de instalação do FTT variam entre 800 USD e 1 600 USD (quadro 3.2). Além desse custo inicial, há outras variáveis a serem levadas em consideração. Estas incluem as três toneladas de peixe fresco necessárias para satisfazer a capacidade máxima diária do forno, bem como a compra de combustível, água e outras matérias-primas, transporte, comunicação e custos de distribuição ou comercialização. Importante, para que o FTT opere de forma eficiente e cumpra sua vida útil esperada (\ 15 anos para o quadro e 3-12 anos para os componentes), o cuidado de rotina é essencial. Isso implica a limpeza dentro e ao redor dos fornos e a remoção das cinzas e dos resíduos das tampas e da malha dos racks removíveis (FAO, 2017; FAO, 2019a). Nomeadamente, a utilização do ITF reduz o tempo de fumar para metade em comparação com outros fornos, proporcionando assim aos transformadores a oportunidade de prosseguirem outras atividades.

O FTT torna possível comercializar produtos mais seguros e de maior qualidade do que os sistemas anteriores (FAO, 2019a). Além disso, reduz significativamente as perdas pós-colheita (PHL) e o consumo de lenha (FAO, 2016). Para dar um certo contexto, na Costa do Marfim, estima-se que o PHL da Chorkor e os fornos de tambor ascendam a 23 317 toneladas por ano, num valor de aproximadamente 11,6 milhões de dólares, às quais devem ser acrescentadas 112 000 toneladas de madeira desperdiçada no valor de 3,7 milhões de dólares americanos (FAO, 2016). Em termos de saúde pública, os processadores que utilizam o forno Chorkor relataram sintomas desagradáveis nos últimos 25 anos, e concordam que estes foram bastante reduzidos através do uso do FTT (CFFA, comunicação pessoal, 2019). Estudos sustentam esta afirmação, mostrando que os usuários de FTT estão menos expostos a patologias relacionadas ao fumo do que aqueles que utilizam sistemas tradicionais. Os custos inerentes à saúde, estimados em USD 1 247 por ano para consultas médicas e internações, podem ser considerados custos de oportunidade na avaliação econômica. Em resumo, os benefícios ambientais, alimentares, sanitários e socioeconômicos do ITF estão bem estabelecidos (Mindjimba, 2019).

QUADRO 3.2 Análise comparativa de diferentes sistemas de tabagismo de peixes

Tipo de sistemaCRITÉRIOSTÉCNICOTambor MetalChorkorFTTTipo de construçãoRudimentarMelhor Com base em modelos de forno existentes, ao mesmo tempo que aborda as suas deficiênciasTempo de fumarAté 3 dias1 dia3-6 horasControlo de fogo e fumoMuitolimitadoMuito elevado Técnicadetabagismo e secagem simultâneosFumar e secaremseparado Fumar e secarDispositivo derecolha de gordura de peixeNenhumIncluídoDispositivode filtragem de fumoNenhum NenhumCritériosECONÓMICOSCusto do forno (USD)263451 600Capacidadepara fumar(kg de peixe por dia)150—200200— 3003 000Quantidade de madeira utilizada (kg) por 1 kg de peixe3—5> 0,80,8Vida útil2 anos3—15 anos> 15 anosGanhosMédia MédiaAltoTrabalhos auxiliaresLimitadoMédioCritérios SOCIAISMuito elevadosExposição ao calor/fumoFrequenteMuito baixo Segurança e qualidade de peixe defumadoMenor qualidadeMenor qualidademais segura e superior qualidade

*Fonte: * Mindjimba, 2019.

Em termos de valor acrescentado ou retido através de uma melhor manipulação, a utilização do ITF produziu resultados mistos. A FAO (2019) informou que, apesar de existirem diferenças na aparência e textura dos produtos FTT e Chorkor, essas diferenças não afetaram a preferência do consumidor. Outros estudos não especificamente relacionados ao FTT descobriram que o peixe defumado de melhor qualidade pode obter até 25% mais no mercado (Gordon, Pulis e Owusu-Adjei, 2011), mas que as preferências de gosto do consumidor levam tempo para mudar (Asiedu, Failler e Beygens, 2018). A FAO (2019) propõe que, se os consumidores fossem instruídos sobre a segurança dos produtos defumados por FTT e sobre os riscos cancerígenos inerentes aos fornos mais velhos, a sua preferência pode mudar para produtos fumados por FTT, especialmente tendo em conta que a preparação necessária para fumar peixe nos fornos FTT é a mesma em termos de ingredientes e aromas utilizados (Bomfeh et al., 2019).

No entanto, existem exemplos em que o ITF foi plenamente adoptado pelas empresas transformadoras e em que o valor acrescentado pode ser visto tanto em termos do produto acabado como em outras actividades geradoras de rendimentos. A Cooperativa Mulheres Comerciantes e Processadores de Peixe de Abidjan (CMATPHA), uma organização transformadora que opera na Costa do Marfim, começou a expandir-se para outras áreas da cadeia de valor do peixe defumado, tais como a venda de produtos e bacias alimentares, bem como a diversificação da sua gama de produtos (por exemplo, salsichas, croquetes, filetes recheados e produtos à base de gordura de peixe). Os membros da CMATPHA também iniciaram várias estratégias de marketing em seus esforços para expandir sua base de clientes para aumentar suas vendas e renda.

A maioria do peixe defumado originário da África Ocidental destina-se a mercados regionais ou nacionais, como os mercados de terça-feira, Denu ou Dambai no Gana, o mercado Maiduguri na Nigéria e o mercado de Chicago na Costa do Marfim. Devido às suas fortes redes comerciais, o Gana é um bom exemplo de como o comércio e os mercados operam na África Ocidental, com cadeias de abastecimento estendendo-se a países vizinhos como Burkina Faso, Togo e subsequente expedição para a Nigéria (Figura 3.6) (CFFA, comunicação pessoal, 2019; Gordon, Pulis e Owusu-Adjei, 2011). O peixe defumado FTT ainda compete com o peixe fumado por chorkor mais comum devido às diferenças de sabor. Como explicam Asiedu, Failler e Beygens (2018), isso ocorre porque “o sabor dos consumidores de peixe é difícil de mudar... independentemente da qualidade e do valor nutricional das espécies de peixes”. No entanto, muitos dos processadores na África Ocidental querem explorar o crescente turismo, expatriados e mercados de classe média normalmente encontrados em áreas urbanas como Accra e Kumasi.

O Mecanismo Multi-Partner Flexible (FMM) da FAO se concentrou em possibilitar essa expansão do mercado. O terceiro objetivo estratégico da FMM em 2016 foi “reduzir a pobreza rural”, e parte disso incluiu permitir que jovens aspirantes a empreendedores criassem seus próprios negócios e criassem laços com cadeias de supermercados interessadas em adicionar peixes processados pela FTT ao seu inventário. A estratégia propõe que os transformadores de peixe (e, quando aplicável, os grupos profissionais dos quais são membros) beneficiem das parcerias e do know-how dos parceiros técnicos e financeiros nacionais em termos de: i) gestão de serviços de microfinanciamento e transferência móvel e banca móvel;\ (ii) coaching jovens empresários masculinos e femininos, particularmente em serviços de transporte local, fornecimento de gelo e insumos de embalagens, empregos de helicópteros e descargas, e em iniciativas de formação e profissionalização; (iii) parcerias com o setor privado; e (iv) projetos regionais e nacionais (FAO, 2019a; FAO, 2016). Um dos resultados políticos deste projeto é a conscientização dos benefícios de fumar peixe usando o ITF, o que pode, por sua vez, incentivar sua aquisição e uso.

! image-20210521191043165

De acordo com o Centro Internacional de Comércio (ITC), a União Europeia importou 55 368 toneladas de produtos da pesca da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) em 2016, tornando a União Europeia o terceiro maior mercado da África Ocidental em termos de quantidade, após outros países da CEDEAO e outros países da CEDEAO. Países africanos (Ayilu et al., 2016). No entanto, este comércio é por vezes perturbado devido a barreiras técnicas, que envolvem frequentemente a qualidade do produto quando inspecionado à chegada à UE. Em 2003, estima-se que aproximadamente uma em cada quatro remessas de frete aéreo de peixe defumado foram detidas no porto de entrada do Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte, e 70 por cento destas foram posteriormente destruídas 2. Isto representa aproximadamente 17,5 por cento das remessas de frete aéreo e equivale a 20 toneladas de produto por ano, com um valor retalhista de 460 000 USD a 753 000 USD a preços correntes (FAO, 2003). A cadeia de valor na Costa do Marfim perdeu cerca de 2 milhões de dólares em resultado de uma proibição auto-imposta das exportações de peixe fumado entre 2006 e 2012, na sequência de controlos não realizados pelo Sistema de Alerta Rápido para Alimentos para Consumo Humano e Animal (RASFF). A PAH4 ser objeto de notificações não é comum, sendo que os países da região da CEDEAO registram 33 notificações entre 2006 e 2019, das quais 8 sofreram rejeições nas fronteiras (Portal RASFF, 2020).

Em consequência, foram reforçadas as tentativas de melhorar o controlo da qualidade e de adoptar normas internacionais no ponto de origem, a fim de satisfazer a procura europeia. A demanda pelo que o Centro para a Promoção das Importações (CBI, uma afiliação do Ministério das Relações Exteriores da Holanda) chama de “alimentos étnicos” está crescendo, com 60 por cento dos consumidores sendo indígenas da Europa — talvez sugerindo que os preços do peixe defumado não estagnem ou diminuam ( Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos, 2018). O cumprimento das normas internacionais também beneficia indirectamente os transformadores de fumo de FTT: por exemplo, no Gana, os pescadores têm de ser registados pela Comissão das Pescas para poderem vender através de cadeias de abastecimento internacionais, o que pode constituir um mecanismo de garantia de boas práticas de pesca e de controlo ilegal , práticas de pesca não declaradas e não regulamentadas (INN) que afetam a sustentabilidade e a biodiversidade dos recursos haliêuticos (Pauly et al., 2002). Estima-se que a pesca INN custa cerca de 2,3 mil milhões de dólares em receitas anuais para os países da África Ocidental (Doumbouya et al., 2017), que por sua vez tem um efeito negativo sobre os processadores domésticos, que às vezes lutam para desembarcar uma quantidade suficiente de peixe para fumar (CFFA, comunicação pessoal, 2019). Isso também representa ameaças à segurança alimentar e à saúde dos recursos haliêuticos, além de ter consequências socioeconômicas, como aumento da pobreza, crime organizado, desemprego e insegurança financeira (Daniels et al, 2016).

No contexto do ponto 7.6 das Orientações relativas aos SSF, é evidente que o ITF pode contribuir para facilitar o acesso aos mercados internacionais e catalisar o comércio internacional. Agências governamentais encarregadas de padronização e regulamentação podem ser críticas ao introduzir “regulamentos e procedimentos comerciais que... suportam produtos comerciais regionais de” processadores que trabalham em um contexto de pequena escala (FAO, 2015b, p. 11). Se o ITF estimula o comércio regional ou nacional ainda é indeterminado, dado que muitos dos consumidores da África Ocidental preferem o sabor do peixe fumado com outros fornos. No entanto, à medida que a distribuição de classes na África Ocidental muda e a conscientização da saúde aumenta, isso pode mudar. Para estimular este comércio, os governos e as agências de desenvolvimento da África Ocidental devem ser receptivos a programas destinados a apoiar os jovens, divulgando a conscientização através do envolvimento direto com os pequenos processadores e comerciantes.

O design do FTT permite que as mulheres gerenciem melhor suas vidas em ambientes mais seguros e saudáveis. Ao reduzir o tempo de fumar de 12 horas, com o forno Chokor, para 6 horas com o FTT e produzir um produto que vende mais prontamente, a nova tecnologia aumenta o tempo disponível para as mulheres para outras atividades, incluindo cuidar da casa e das crianças, além de empreender alfabetização e numeração classes. Além disso, um produto mais comercializável permitiu que maiores quantidades de peixe fossem vendidas a preços premium, o que significa que os transformadores estão a ver um maior retorno dos seus esforços (Banco Mundial, FAO e FIDA, 2015). No contexto da saúde, um estudo recente envolvendo 635 mulheres e três locais-piloto mostrou como a utilização do FTT em vez dos fornos Chorkor melhora a saúde e o bem-estar geral dos processadores. O estudo revelou que os processadores de peixe que utilizam o FTT tinham menos problemas de saúde prejudiciais do que os que utilizam o forno Chorkor. Além disso, verificou-se que casos de violência doméstica foram mais frequentes em domicílios onde as mulheres usavam fornos Chorkor em comparação àquelas que usavam fornos FTT. As razões apontadas pelo estudo sugerem que a maior taxa de violência é “devido ao retorno tardio dos processadores e levantar-se cedo devido ao longo tempo que leva para realizar atividades de processamento” e, portanto, não ter tempo suficiente para atender às atividades domésticas (FAO, 2019a; Anoh et al., 2017).

Além de seus benefícios funcionais, o FTT tem, em alguns países, possibilitado uma maior organização social, tanto entre os processadores como na sociedade como um todo. De uma perspectiva de cima para baixo, a União Africana desempenhou um papel no apoio financeiro às atividades de coordenação de grupos socioprofissionais de processadores e comerciantes de toda a região da África Ocidental na promoção dos benefícios do ITF. A FAO também permitiu o diálogo entre as partes interessadas, organizando e realizando treinamentos e workshops em toda a África Ocidental.

De uma perspectiva ascendente, as organizações locais têm sido cruciais tanto para a gestão dos locais de processamento como para aumentar a conscientização sobre o ITF. Um relatório abrangente do FTT recomenda que “apenas grupos socioprofissionais bem estruturados e organizados [são aconselhados] a administrar a infraestrutura do FTT em ambientes comunitários” (FAO, 2019a, p. 92). O relatório também recomenda que, antes de iniciar um projeto de implementação do ITF, “identifique grupos socioprofissionais existentes, grupos de mulheres, cooperativas e forneça apoio para torná-los mais coesos e eficientes, ou estabeleça grupos em torno de atividades geradoras de renda existentes que poderão para gerenciar a plataforma FTT, juntamente com treinamento em boas práticas de manuseio, armazenamento e embalagem” é essencial (FAO, 2019a, p. 87).

A título de exemplo, em 2013, foram realizadas quatro plataformas piloto em Abobo-Doume, Braffedon, Guessabo e Abidjan (Costa do Marfim) envolvendo 3 807 atores, incluindo artesãos, transformadores de peixe e produtores. Uma abordagem holística e participativa foi utilizada no trabalho com as cooperativas existentes como base para a implementação e intercâmbio. As cooperativas foram convidadas a designar membros dentro de sua associação para gerenciar cada uma das quatro plataformas (FAO, 2019a). As plataformas foram oficialmente inauguradas e confiadas às associações profissionais beneficiárias em março de 2016. Exemplos como estes são cada vez mais comuns e demonstram a importância de ter grupos socioprofissionais para gerenciar o ITF. Em um workshop em um local de processamento de Abidjan, Mindjimba (2019) observa trabalho em equipe, liderança, boas práticas higiênicas e manutenção da infraestrutura geral, como atributos devido à capacidade organizacional das cooperativas que gerenciam os fornos FTT. No entanto, o relatório também observa que “é necessário criar [outras atividades geradoras de renda] com base em potenciais locais e necessidades do mercado”. Houve um aumento da criação de postos de trabalho para os artesãos locais na instalação e manutenção dos fornos. Ainda assim, as mulheres presentes na oficina identificaram a “falta de capacidade organizacional” como um fator que as impede de desenvolver ainda mais bens comercializáveis.

Outro exemplo é visto na Confederação Africana das Organizações Profissionais de Pesca Artesanal (COAPA 3), que recentemente assinou a Declaração de Conacri num workshop em Conacri, Guiné. A oficina foi especificamente concebida para aumentar a valorização e a comercialização do peixe defumado pela FTT. A Declaração ajuda a coordenar os objetivos dos membros da COAPA que defendem um melhor acesso ao peixe como matéria-prima, a melhoria das condições de trabalho das mulheres operadoras de peixe, a melhoria das atividades de transformação e comercialização e o estabelecimento de sistemas de financiamento adequados.

Tal como acontece com o ponto 7.6 das Orientações do SSF, o ITF não alcança a igualdade de género e a organização social por si só, mas é uma ferramenta que pode ajudar a reunir as pessoas para atingir esses objetivos comuns. A introdução do ITF tem “apoiado melhorias para facilitar a participação das mulheres” na cadeia de valor, o que lhes permite “melhorar os seus meios de subsistência no sector pós-colheita” (ponto 7.2). De igual modo, as oportunidades de emprego e os benefícios para a saúde do forno podem ser considerados como contribuindo para o reforço das organizações locais (ponto 7.4).

Apesar das boas práticas possibilitadas pela utilização do ITF, há ainda uma série de questões relacionadas com a sua instalação e utilização nas pescarias de pequena escala da África Ocidental. Em termos de limitações, a FAO (2016) estima que o custo da instalação FTT entre 800 USD e 1 600 USD, o que é muito alto para os orçamentos de processadores de pequena escala. Mindjimba (2019) estipula que este custo pode ser recuperado no prazo de 1 a 5 anos; no entanto, isso depende do funcionamento dos fornos à sua capacidade diária de 3 toneladas. Um detalhe a ter em conta é que os processadores não são obrigados a comprar um forno FTT completo, mas podem optar por características específicas (por exemplo, o componente de filtração de fumo ou a bandeja de recolha de gordura) compatíveis com o forno Chorkor. No entanto, a grande capacidade do forno FTT pode constituir um desafio, e contribuir ainda mais para o problema é a falta de acesso ao peixe que alguns processadores estão a experimentar. Na Costa do Marfim, há casos em que os preços do peixe são demasiado elevados para os transformadores poderem pagar. Uma questão semelhante surgiu no Senegal, onde as atividades de frotas industriais estrangeiras estão reduzindo a quantidade de pequenos pelágicos disponíveis para captura por pequenos pescadores e, consequentemente, pelos transformadores (CFFA, comunicação pessoal, 2019). Embora esta não seja uma limitação do ITF em si, dificulta a absorção. Esta revisão recomenda que os governos apoiem medidas políticas que garantam que os processadores tenham acesso ao peixe e a um preço acessível.

Do mesmo modo, é necessário envolver as autoridades locais para que a instalação de um local de tratamento ITF seja bem sucedida, especialmente quando se decide a sua localização. Por exemplo, em 2017, os governos de Marrocos e da Costa do Marfim cofinanciaram um local de processamento em Abidjan. Construída a um custo de 4,5 milhões de dólares, a instalação incluía armazenamento frigorífico, uma área de recreação infantil e vários escritórios comerciais e administrativos. Foi concebido para empregar 5 000 pessoas, com uma produção anual total de transformação de 20 000 toneladas (Abidjan.net, 2019). No entanto, a instalação estava localizada a uma distância inconveniente do mercado real, e as autoridades locais não conseguiram deslocalizar o mercado. Consequentemente, muitos dos processadores retornaram ao seu local de processamento anterior localizado perto do mercado (CFFA, comunicação pessoal, 2019). Um exemplo semelhante ocorreu em Braffedon, Costa do Marfim, onde uma instalação mais pequena foi negligenciada pelos seus utilizadores pretendidos de Grand-Lahou, devido ao aumento da distância (20 quilómetros das suas casas) e à baixa taxa de utilização colectiva do ITF. Contrariamente a isso, mas igualmente grave, as instalações da Abobo-Doumé estão superlotadas, com cerca de 300 processadores querendo utilizar a instalação. Todos estes três exemplos apontam para a necessidade fundamental de consultar todos os intervenientes pós-colheita (conforme estipulado no ponto 7.1 das Orientações do FSS), a fim de determinar uma localização adequada aos utilizadores pretendidos.

Por último, há exemplos de má gestão dos fornos, normalmente em locais onde não existia previamente qualquer organização social (por exemplo, organizações socioprofissionais, cooperativas). A falta dessa organização levou a lutas internas e divisões dentro da comunidade, já que as responsabilidades e benefícios não foram claramente delineados de antemão. Uma cooperativa ou associação ajuda a mitigar tais conflitos, uma vez que estes asseguram a formação de artesãos na manutenção do forno, distribuição adequada dos peixes a serem fumados e outras tarefas de gestão. Os fornos FTT exigem artesãos treinados para garantir que sejam devidamente mantidos (FAO, 2019a). A necessidade de artesãos foi destacada na Costa do Marfim, especificamente para a fabricação e montagem dos fornos (FAO, 2019b). A CFFA observou que as organizações sociais estão em condições de garantir que todos os membros da comunidade que utilizam os fornos tenham acesso igual ao peixe obtido dos pescadores. Assim, é fundamental estabelecer uma entidade reconhecida por todas as partes como responsável pela utilização diária do forno.

Além do custo, não há inconvenientes intrínsecos ao forno real. As experiências negativas com o forno são atribuíveis a problemas com a sua gestão. Assim, a fim de tornar a adoção do ITF bem sucedida e sustentável num determinado contexto, é importante que todos os intervenientes relevantes sejam consultados antes da instalação e que os responsáveis pela sua gestão tenham claramente identificadas funções e responsabilidades.

Os resultados deste estudo de caso apoiam os de estudos anteriores exaltando a superioridade do ITF. O estudo examinou os pontos do capítulo 7 das Orientações relativas aos SSF mais relevantes para a implantação do ITF. Embora os fornos abordem todas as disposições em graus variados, é através dos pontos 7.2, 7.4, 7.5 e 7.6 que conseguimos avaliar de forma exaustiva o impacto do forno.

Sendo uma tecnologia que acomoda as necessidades dos processadores femininos e agrega valor ao produto final, o FTT facilita a superação de dois desafios que dificultam gravemente as cadeias de valor do tabagismo de peixes na África Ocidental — nomeadamente, as condições de trabalho perigosas das mulheres que fumam o peixe e os elevados níveis de PAH 4 depósitos que impedem a exportação para mercados de maior valor. Criticamente, deve reconhecer-se que o ITF, por si só, não ultrapassa estas barreiras, sendo também fundamental a formação e a organização relevantes entre os transformadores para ultrapassar essas barreiras. Quanto às suas limitações, o ITF é um investimento dispendioso para as empresas transformadoras de baixo rendimento, e a absorção depende de um acesso coerente às matérias-primas e aos peixes. Esta é uma questão que os Estados podem abordar com políticas que garantam aos pequenos produtores de peixe, e aos transformadores que deles dependem, acesso a peixe suficiente (equivalente a 3 toneladas por forno, por dia). Para a sustentabilidade a longo prazo do FTT, as organizações sociais precisam desempenhar um papel central na gestão dos fornos. O impacto que o ITF terá nas cadeias de valor de consumo de peixe em pequena escala ainda não é totalmente compreendido, mas, tendo em conta os pontos fortes que os fornos apresentam (quadro 3.2), pode ser considerado uma tecnologia disruptiva. Como tal, um aspecto a considerar em estudos futuros será a contribuição do forno para a reestruturação da dinâmica de potência na cadeia de valor.

Para incentivar a adoção do ITF na África Ocidental e em outras regiões do mundo, este estudo de caso fornece uma série de recomendações, com base nas feitas em Mindjimba (2019), FAO (2016), FAO (2017), FAO (2019) e pela CFFA durante a pesquisa para este estudo de caso.

Recomendações para redução de perdas, agregação de valor e eficiência de custo

  • Adaptar o equipamento às especificidades de cada local, incluindo as necessidades dos utilizadores e as principais espécies-alvo (ou seja, grandes bandejas para pequenos peixes).

  • Fortalecer as boas práticas higiênicas em geral e tratar sistematicamente a água de poço e a água da chuva usadas para lavar utensílios e peixes crus antes de fumar, de acordo com os padrões vigentes.

  • Alcançar um consenso inicial entre os transformadores relativamente aos responsáveis pela manutenção e funcionamento do forno. Os transformadores e os artesãos encarregados da sua manutenção devem fornecer formação prévia e demonstração em torno da utilização do forno.

  • Reforçar a capacidade dos fumantes de peixe, artesãos e funcionários governamentais responsáveis pelo acompanhamento e apoio (por exemplo, técnicas de tabagismo, utilização e manutenção de fornos FTT, contabilidade e declarações de rendimentos, monitorização e estratégias comerciais).

Recomendações para comércio e acesso ao mercado

  • Colocar maior ênfase na coleta de dados. Deverá ser introduzido, juntamente com os fornos ITF, um sistema sólido e coerente de registo das transacções, um sistema que tenha em conta características como o volume processado e as finanças.

  • Visitar mercados mais gratificantes para produtos ITF (por exemplo, supermercados, representantes diplomáticos e organizações internacionais, expatriados residentes, turistas, restaurantes e mercados externos), cumprindo as suas exigências em termos de garantia e controlo da qualidade, rastreabilidade e fiabilidade da oferta.

  • Reforçar a sensibilização das autoridades, da comunidade local e de outras partes interessadas para os benefícios comerciais e para a saúde dos fornos.

  • Actualizar a regulamentação nacional relativa aos PAH, a fim de garantir a rastreabilidade e o controlo da qualidade dos produtos da pesca.

  • Os Estados devem assegurar que as frotas industriais que operam nas suas águas sejam geridas tendo em conta as necessidades dos pequenos pescadores e as respectivas cadeias de valor, a fim de garantir que os transformadores e outros agentes da pesca de pequena dimensão tenham acesso a peixes suficientes.

Recomendações para gênero, meios de subsistência e organização social

  • Promover o papel das mulheres na cadeia de valor.

  • Sensibilizar os transformadores, os consumidores, os decisores, as autoridades competentes e os meios de comunicação locais para as vantagens comparativas do ITF, em especial o facto de produtos saudáveis e de qualidade superior serem o resultado da utilização desta nova técnica.

  • Escolha cuidadosamente os locais de implementação de instalações de processamento — geralmente como um compromisso entre várias considerações (por exemplo, acessibilidade, distância, viabilidade, segurança) — para alcançar o maior número de usuários potenciais.

  • O envolvimento das autoridades locais (administrativas, municipais, tradicionais e territoriais), juntamente com os processadores e outros agentes da cadeia de valor, é essencial para garantir o sucesso e a sustentabilidade das instalações de processamento (por exemplo, sensibilizar as partes interessadas e organizar os produtores). Estas autoridades são igualmente fundamentais para a construção dos locais de transformação, incluindo a criação ou a reabilitação de estradas de acesso e o financiamento parcial das infra-estruturas.

  • Criar estruturas de acolhimento de crianças para facilitar e incentivar a participação das mulheres.

  • As intervenções de mudança social como uma abordagem transformadora na conscientização sobre gênero são recomendadas para mudar as atitudes percebidas sobre os papéis dos homens e das mulheres, especialmente entre os homens.

Abidjan.net. 2017. Le point de débarquement aménagé Mohammed VI de Locodjro livré. Abidjan.net, 28 de novembro de 2017. < https://news.abidjan.net/h/626648.html >

Anoh, K.P., Ossey, Y.B., Ouattara, S., Dembélé, A.A. & Traoré, K.S. 2017. Santé des femmes transformatrices, sécurité sanitaire des produits et impact environnemental des systèmes de fumage de poisson dans les communautés de pêche artisanale, étude pour des systèmes alimentaires durables. Projet NEPAD dans les communautés de pêche de Guessabo. IGT/APCN (não publicado).

Asiedu, B., Failler, P. & Beygens, Y. 2018. Garantir a segurança alimentar: uma análise do sector da pesca do tabagismo industrial do Gana. Agricultura & Segurança Alimentar, 7 (38).

Ayilu, R.K., Antwi-Asare, T.O., Anoh, P., Tall, A., Aboya, N., Chimatiro, S. & Dedi, S. 2016. *Comércio artesanal informal de peixe na África Ocidental: Melhorar o comércio transfronteiras. Resumo do Programa: 2016-37. Penang, Malásia, WorldFish.

Bomfeh, K., De Meulenaer, B., Jacxsens, L., Amoa-Awua, W.K., Tandoh, I. & Afoakwa, E.O. 2016. Efeitos dos componentes FTT Thiaroye e condições de processamento sobre os níveis de peixes defumados policíclicos de hidrocarbonetos aromáticos (PAH) . 7 pp. Inédito.

Bomfeh, K., Jacxsens, L., Amoa-Awua, W.K., Tandoh, I., Afoakwa, E.O., Gamarro, E.G., Ouadi, Y.D. & De Meulenaer, B. 2019. Reduzir a contaminação por hidrocarbonetos aromáticos policíclicos em peixes defumados no Sul Global: um estudo de caso de um forno melhorado no Gana. * J Sci Food Agric.*, 99 (12): 5417—5423.

Brownell, B.** 1983. *Um guia prático para melhorar o consumo de peixe na África Ocidental. UNICEF.

Daniels, A., Gutierrez, M., Fanjul, G., Guerena, A., Matheson, I. & Watkins, K. 2016. * O peixe desaparecido da África Ocidental. Impactos da pesca não declarada e não regulamentada e da subcomunicação das capturas efectuadas por frotas estrangeiras*. Londres, Instituto de Desenvolvimento Ultramarino.

Doumbouya, A., Camara, O.T., Mamie, J., Intchama, J.F., Jarra, A., Ceesay, S., Guèye, A., Ndiaye, D., Beibou, E., Padilla, A. & Belhabib, D. 2017. Avaliação da eficácia do controlo e vigilância da pesca ilegal: o caso da África Ocidental. Front Mar Sci, 4:50. (disponível em < https://doi.org/10.3389/fmars.2017.00050 >).

Comissão Europeia. 2011. n.o 1881/2006 no que se refere aos teores máximos de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos nos géneros alimentícios. Jornal Oficial da União Europeia.

Comissão Europeia. 2020. Portal RASFF. (disponível em: < https://webgate.ec.europa.eu/rasff-window/portal/?event=SearchForm&cleanSearch=1 >)

FAO. 2003. Estudo do comércio de peixes secos fumados da África Ocidental para o Reino Unido. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/a-y4530e.pdf).

FAO. 2014. O valor das pescarias africanas. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/a-i3917e.pdf >).

FAO. 2015a. *Guia para o desenvolvimento e uso da técnica de processamento Fao-thiaroye (FTT-thiaroye) *. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/a-i4174e.pdf).

FAO. 2015b. *Diretrizes voluntárias para garantir uma pesca sustentável em pequena escala no contexto da segurança alimentar e da erradicação da pobreza. Roma.

FAO. 2016. Compte rendu final du projet “Projet d'appui au renforcement des capacités et du cadre réglementaire en matière de prévention et réduction des pertes post-capture des produits halieutiques”, Costa do Marfim. Roma. 14 pp.

FAO. 2016. Mecanismo de Apoio ao Programa Multiparceiro (FMM) da FAO. Relatório Anual 2016. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/a-i7575e.pdf >).

FAO. 2018. Quarto encontro de profissionais/especialistas em apoio à segurança, tecnologia e comercialização dos peixes em África. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/ca0374b/CA0374B.pdf >). FAO. 2019a. Melhorar os serviços rurais para a pesca em pequena escala através de uma abordagem de plataforma tecnológico. Circular Pesca e Aquicultura, FIAM/C1180>. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/ca4899en/ca4899en.pdf >).

FAO. 2019b. Técnica de processamento de Fao-thiaroye: Para a adoção de sistemas melhorados de tabagismo de peixes no contexto de benefícios, trocas e implicações políticas em países em desenvolvimento selecionados. Roma. (disponível em < http://www.fao.org/3/ca4667en/ca4667en.pdf >).

Farhadian, A., Jinap, S., Hanifah, H. & Zaidul, I. 2011. Efeitos do pré-aquecimento e embalagem de carne sobre os níveis de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos em carne grelhada a carvão. Química Alimentária, 124 (1): 141—146.

Gordon, A., Pulis, A. & Owusu-Adjei, E. 2011. Peixes marinhos defumados da Região Ocidental, Gana: uma avaliação da cadeia de valor. USAID Iniciativa Integrada de Governação Costeira e Pesca para a Região Ocidental, Gana. Centro WorldFish. 46 pp.

Mindjimba, K. 2019. *Estudo sobre a rentabilidade do tabagismo de peixe com fornos FTT-thiaroye na Costa do Marfim. Roma, FAO.

*Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos. *Exportação de peixes e frutos do mar para os canais de varejo étnicos europeus. Haia, Países Baixos, Centro de Promoção das Importações.

Pauly, D., Christensen, V., Guenette, S., Pitcher, T., Sumaila, U.R., Walters, C., Watson, ** R. & Zeller, D. 2002. Rumo à sustentabilidade na pesca mundial. Natureza, 418:689—695.

Stołyhwo, A. e Sikorski, Z. (2005). Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos em peixes defumados — uma revisão crítica. Produtos químicos alimentos, 91 (2), pp.303-311.

Banco Mundial, FAO & IFAD. 2015. Gênero no Climate-Smart Agriculture Módulo 18 para o Gênero na Agricultura. Washington, DC, Banco Mundial. (disponível em < http://www.fao.org/3/a-i5546e.pdf >).

**Guia de entrevista para entrevistas com o forno FTT-Thiaroye - Qual é a sua experiência com o forno FTT-Thiaroye e/ou outras tecnologias para fumar de pesca?

  • Que aspectos sobre o forno FTT-thiaroye você acha que o diferenciam de outras tecnologias de fumo de peixe?

  • Você concorda que o forno FTT-Thiaroye é uma tecnologia sensível ao gênero? Por quê?

  • O forno FTT-thiaroye ajuda as populações pesqueiras da África Ocidental a aceder a novos mercados?

  • Você acha que vai continuar a crescer em popularidade? Por quê?

  • Quais são os maiores desafios para a absorção do forno FTT-Thiaroye?

  • O forno FTT-thiaroye ajudou a criar uma organização social forte? Por quê?

  • Que recomendações faria aos decisores políticos para aumentar os benefícios prometidos pelo forno FTT-thiaroye?

*Fonte: Zelasney, J., Ford, A., Westlund, L., Ward, A. e Riego Peñarubia, O. eds 2020. Garantir uma pesca sustentável em pequena escala: Exposição de práticas aplicadas em cadeias de valor, operações pós-colheita e comércio. Documento Técnico de Pesca e Aquicultura da FAO Nº 652. Roma, FAO. https://doi.org/10.4060/ca8402en *


  1. O Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais (RASFF) é um sistema de comunicação de questões de segurança alimentar na União Europeia. 

  2. Nem todo o produto detido se devia a níveis proibidos de PAH4. As principais razões pelas quais as remessas de peixe defumado são detidas: o peixe fumado é contrabandeado entre outras mercadorias; a embalagem é inadequada; a infestação de insectos; o número do estabelecimento grampeado na caixa em vez de escrito; os certificados sanitários não preenchidos correctamente. 

  3. Estados-Membros da COAPA: Costa do Marfim, Camarões, Guiné-Bissau, Guiné, Libéria, Mali, Marrocos, Uganda, Senegal, Serra Leoa e Togo. 


Food and Agriculture Organization of the United Nations

http://www.fao.org/
Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.