common:navbar-cta
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Como vimos anteriormente, foi salientado que o objectivo de avançar para uma intensificação sustentável cresce a partir do reconhecimento dos limites do paradigma de desenvolvimento agrícola convencional e dos seus sistemas de inovação. Reconhecendo a necessidade de inovações em sistemas alimentares que excedam o paradigma tradicional e que possam explicar a complexidade decorrente das questões de sustentabilidade e segurança alimentar, Fischer et al. (2007) pediram nada menos que “um novo modelo de sustentabilidade”. Da mesma forma, em seu recente apelo a esforços globais para a intensificação sustentável, Rockström et al. (2017) apontaram que uma mudança de paradigma em nosso sistema alimentar implica desafiar os padrões dominantes de pesquisa e desenvolvimento que mantêm o foco de “produtividade em primeiro lugar” enquanto subordinam agendas de sustentabilidade para um papel secundário “mitigante”. Em vez disso, apelam a uma inversão deste paradigma para que “os princípios sustentáveis se tornem o ponto de entrada para gerar aumentos de produtividade”. Em seguida, sugerimos uma visão de sustainability first para a aquaponia como uma orientação possível que pode oferecer coerência ao campo e orientar seu desenvolvimento em direção aos objetivos proclamados de sustentabilidade e segurança alimentar.

Tal como acontece com a maioria dos apelos à sustentabilidade, a nossa primeira proposta de “sustentabilidade” pode parecer bastante óbvia e sem desafios à primeira vista, se não completamente redundante — certamente, poderíamos dizer, a aquapônica é tudo sobre sustentabilidade. Mas a história nos lembraria que fazer reivindicações de sustentabilidade é uma tarefa agradável, enquanto garantir resultados de sustentabilidade é muito menos certo (Keil 2007). Como já argumentamos, a “sustentabilidade” da aquapônica existe atualmente como potencial. A forma como esse potencial se traduz em resultados de sustentabilidade deve ser uma preocupação para a nossa comunidade de pesquisa.

A nossa proposta “sustentabilidade em primeiro lugar” está longe de ser simples. Em primeiro lugar, esta proposta exige que, para que o nosso campo se justifique com base na sustentabilidade, tenhamos de lidar com a própria natureza da sustentabilidade. A este respeito, sentimos que há muito a ser aprendido com a crescente arena da ciência da sustentabilidade, bem como com os Estudos de Ciência e Tecnologia (STS). Veremos que manter um foco de sustentabilidade dentro da pesquisa aquapônica representa uma mudança potencialmente enorme na direção, composição e ambição de nossa comunidade de pesquisa. Tal tarefa é necessária se quisermos orientar o campo para objectivos coerentes e realistas que continuam focados na sustentabilidade e nos resultados de segurança alimentar relevantes para o Antropoceno.

Levar a sustentabilidade a sério é um enorme desafio. Isto porque, no seu núcleo, a sustentabilidade é fundamentalmente um conceito ético que suscita questões sobre o valor da natureza, justiça social, responsabilidades para com as gerações futuras, etc., e abrange o caráter multidimensional dos problemas humano-ambientais (Norton 2005). Como já discutimos anteriormente, os limiares de sustentabilidade que poderão ser estabelecidos para as práticas agrícolas são diversos e muitas vezes não podem ser conciliados na íntegra, obrigando a necessidade de “trocas” (Funtowicz e Ravetz 1995). Há que fazer escolhas face a estas trocas e, na maioria das vezes, os critérios em que essas escolhas se baseiam dependem não só de preocupações científicas, técnicas ou práticas, mas também de normas e valores morais. Escusado será dizer que há pouco consenso sobre como fazer essas escolhas nem há maior consenso sobre as próprias normas e valores morais. Independentemente desse fato, as investigações sobre valores estão em grande parte ausentes da agenda geral da ciência da sustentabilidade, mas como Miller et al. (2014) afirmam, “a menos que os valores [da sustentabilidade] sejam entendidos e articulados, as dimensões políticas inevitáveis da sustentabilidade permanecerão escondidas atrás afirmações científicas”. Tais situações impedem a aproximação e a deliberação democrática entre as comunidades — uma tarefa certa para alcançar caminhos mais sustentáveis.

Tomando nota do lugar proeminente dos valores na ação coletiva em prol da sustentabilidade e da segurança alimentar, estudiosos do campo dos estudos científicos e tecnológicos destacaram que, em vez de serem tratados como uma externalidade importante para os processos de pesquisa (muitas vezes tratados separadamente ou após o fato), os valores devem ser movidos a montante nas agendas de investigação (Jasanoff 2007). Quando os valores se tornam parte central da pesquisa em sustentabilidade, surge o reconhecimento de que as decisões não podem mais basear-se apenas em critérios técnicos. Isso tem impactos potencialmente enormes no processo de pesquisa, pois tradicionalmente o que poderia ter sido considerado como a única missão do 'conhecimento especial' deve agora ser aberto a outros fluxos de conhecimento (por exemplo, conhecimento leigo, indígena e praticante) com toda a dificuldade epistemológica que isso implica (Lawrence 2015). Em resposta a esses problemas, a ciência da sustentabilidade surgiu como um campo que visa transcender as fronteiras disciplinares e busca envolver não cientistas em processos de pesquisa orientados para soluções, contextuais e voltados para a geração de resultados (Miller et al. 2014).

Uma questão-chave nestas discussões é o conhecimento. Os problemas de sustentabilidade são muitas vezes causados pela complexa interação de diversos fatores socioecológicos, e o conhecimento necessário para governar efetivamente esses desafios tornou-se progressivamente mais disperso e especializado (Ansell e Gash 2008). O conhecimento necessário para compreender como as preocupações em matéria de sustentabilidade estão juntas é demasiado complexo para ser organizado por um único organismo e resulta na necessidade de integrar diferentes tipos de conhecimentos de novas formas. Este é certamente o caso para o nosso próprio campo: como outros modos de intensificação sustentável (Caron et al. 2014), os sistemas aquapônicos são caracterizados pela complexidade inerente (Junge et al. 2017), que coloca grande ênfase em novas formas de produção de conhecimento (FAO 2013). A complexidade dos sistemas aquapônicos deriva não só do seu caráter 'integrado', mas também das estruturas econômicas, institucionais e políticas mais amplas que impactam a entrega da aquapônica e seu potencial de sustentabilidade (König et al. 2016). O desenvolvimento de soluções para sistemas alimentares aquánicos sustentáveis pode muito bem envolver a luta com diversos domínios de compreensão, desde a investigação em engenharia, horticultura, aquicultura, microbiológica, ecológica, económica e de saúde pública, até às preocupações práticas e experienciais dos profissionais, varejistas e consumidores. O que isto significa não é apenas um agrupamento de ideias e posições, mas implica o desenvolvimento de modos inteiramente novos de produção de conhecimento e uma apreciação para colmatar as “lacunas do conhecimento” (Caron et al. 2014). Abson et al. (2017) identificaram três requisitos fundamentais para novas formas de produção de conhecimento que podem fomentar transformações de sustentabilidade: (i) a inclusão explícita de valores, normas e características de contexto no processo de pesquisa para produzir conhecimento “socialmente robusto”; (ii) processos de aprendizagem mútua entre ciência e sociedade, envolvendo um repensar o papel da ciência na sociedade; e (iii) uma agenda de pesquisa orientada para problemas e soluções. Aproveitando essas três percepções pode ajudar nosso campo a desenvolver o que chamamos de “conhecimento crítico de sustentabilidade” para a aquapônica. Abaixo, discutimos três áreas que nossa comunidade de pesquisa pode abordar que consideramos cruciais para desbloquear o potencial de sustentabilidade da aquapônica: parcialidade, contexto e preocupação. Desenvolver um entendimento de cada um desses pontos ajudará nosso campo a seguir uma abordagem orientada para soluções para sustentabilidade aquapônica e resultados de segurança alimentar.


Aquaponics Food Production Systems

Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.