O Aquaponics System Designer acaba de ser lançado! Comece a projetar agora.
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Desde a aprovação das Orientações do FSS pela COFI em 2014, o reconhecimento da importância das pescarias em pequena escala aumentou, bem como o conhecimento das recomendações contidas nas Orientações. Estas medidas reflectem-se agora em várias políticas e estratégias regionais e nacionais. Além disso, como demonstrado pelos estudos de caso aqui apresentados, os princípios e disposições da Diretriz do SSF estão sendo aplicados por uma ampla gama de atores e em contextos diversos.

Este documento técnico apresenta os esforços de todo o mundo para desenvolver cadeias de valor sustentáveis da pesca em pequena escala e melhorar as operações pós-colheita e o comércio. Os estudos de caso constituem uma rica seleção de experiências e são diversos, não só no que diz respeito à sua configuração geográfica, mas também nos temas abordados e abordagens empregadas. Em cada caso, foram implementadas certas práticas que podem ser emuladas por outros agentes da cadeia de valor das pescas em pequena escala que operam em condições semelhantes. Além disso, uma característica definidora compartilhada por todos os estudos de caso é a diligência com que cada um tem desbloqueado o potencial da cadeia de valor sem prejudicar o desenvolvimento sustentável ou a gestão de recursos.

Nesta conclusão, resumimos e discutimos as principais intervenções destacadas pelos diferentes autores em relação a cada parágrafo do Capítulo 7 das Diretrizes do SSF. O debate não é exaustivo, mas centra-se em conclusões fundamentais, na medida em que se relacionam com a aplicação das Orientações. O leitor é incentivado a ler o artigo completo para aprender mais e apreciar plenamente todas as iniciativas aqui descritas.

**7.1 Todas as partes devem reconhecer o papel central que o subsector da pesca pós-colheita em pequena escala e os seus intervenientes desempenham na cadeia de valor. Todas as partes devem garantir que os atores pós-colheita façam parte dos processos de tomada de decisão relevantes, reconhecendo que existem, por vezes, relações de poder desiguais entre os atores da cadeia de valor e que grupos vulneráveis e marginalizados podem exigir apoio especial. **

O Princípio Orientador 6 das Orientações do FSS reconhece a importância da consulta e da participação. O ponto 7.1 enfatiza isso explicitamente, apelando para que todos os agentes da pesca de pequena escala pós-colheita sejam incluídos nos processos de tomada de decisão. Os estudos de caso 1, 2 e 9 fornecem exemplos concretos de como esses atores podem ser habilitados a participar na tomada de decisões.

Estudo de caso 1: A CFPA é uma organização de pescadores composta inteiramente por mulheres, operando na cadeia de valor pós-colheita da pesca de peixes voadores em Barbados. Seu funcionamento ilustra a prática de representar atores pós-colheita através de um sistema democrático, em que um indivíduo é eleito para representar as necessidades de todos os membros em processos nacionais, regionais e internacionais. A PCPA manteve um forte foco no desenvolvimento das capacidades dos seus membros, como forma de promover a participação equitativa das mulheres. Além disso, a organização ganhou respeito e reconhecimento por parte de uma variedade de atores do setor das pescas, devido em parte à sua coesão ao lidar com questões que afetam os processadores de peixes voadores, e mantém uma relação de trabalho eficaz com a autoridade governamental responsável pela gestão e desenvolvimento das pescarias de Barbados.

Estudo de caso 2: Não ser capaz de participar de reuniões de gestão em que as decisões são tomadas é um desafio comum para pescadores e pescadores de pequena escala. A experiência da Iniciativa Kodiak Jig demonstra os esforços dos pescadores e defensores da comunidade para influenciar a tomada de decisões para alcançar mudanças políticas que permitiram o acesso a recursos, garantindo oportunidades para os pescadores atuais e futuros pequenos barcos. O esforço apoiou posteriormente uma iniciativa de marketing destinada a garantir que os benefícios do acesso aos recursos pudessem ser plenamente realizados. Para isso, foi formada uma parceria entre pescadores de jig baseados em Kodiak, a Associação Jig do Alasca (AJA) e o Conselho de Conservação Marinha do Alasca (AMCC) para garantir uma forte presença dos pescadores e representantes da comunidade em reuniões e processos relevantes em todo o Estado do Alasca.

Estudo de caso 9: Os FIPs baseiam-se numa abordagem multissetorial para melhorar a gestão sustentável das pescas, sendo os produtos derivados dos FIPs utilizados para cumprir quotas sustentáveis de abastecimento de frutos do mar entre os intervenientes da cadeia de valor em mercados de alto valor. O modelo FIP está sendo aplicado cada vez mais às pescarias de pequena escala, permitindo que atores pós-colheita em diferentes pontos da cadeia de valor participem nos processos de tomada de decisão. No entanto, estudos descobriram que o poder é frequentemente distribuído de forma desigual, e pescadores e pescadores nem sempre desempenham um papel central na gestão dos FIPs; daí a necessidade de evoluir o modelo para ser mais inclusivo dos pescadores e pescadores.

**7.2 Todas as partes devem reconhecer o papel que as mulheres desempenham frequentemente no subsector pós-colheita e apoiar melhorias para facilitar a participação das mulheres nesse trabalho. Os Estados devem assegurar a disponibilidade de comodidades e serviços adequados às mulheres, conforme necessário, a fim de permitir que as mulheres mantenham e melhorem os seus meios de subsistência no subsector pós-colheita. **

A igualdade entre homens e mulheres é o Princípio Orientador 4 das Orientações do FSS e é abordado no Capítulo 8. No que se refere às cadeias de valor, pós-colheita e comércio, o n.º 2 sublinha a necessidade de facilitar a participação das mulheres e assegurar a disponibilidade de serviços e serviços adequados para as mulheres, de modo a que estas possam conservar e melhorar os seus meios de subsistência no subsector pós-colheita. Os estudos de caso 1 e 3 destacam os esforços para garantir a igualdade de direitos e oportunidades para as mulheres no subsetor pós-colheita.

Estudo de caso 1: O Complexo de Pescas de Bridgetown (BFC) é gerido pela Divisão de Mercados do Governo de Barbados. As mulheres membros da CFPA ganham a vida a trabalhar nesta instalação. A CFPA proporciona às mulheres uma frente unida, o que lhes permitiu encontrar melhores condições na instalação gerida pelo governo onde trabalham e, ao mesmo tempo, criar uma forma de propriedade dentro da instalação pública. As condições de trabalho na sala de transformação foram melhoradas para garantir o fornecimento de comodidades e instalações satisfatórias para a prossecução dos seus meios de subsistência.

Estudo de caso 3: os fornos de técnica de processamento Fao-thiaroye (FTT) beneficiam as mulheres, reduzindo as condições de trabalho perigosas e proporcionando-lhes autonomia social adicional (devido a tempos de processamento mais rápidos). Como resultado, as mulheres têm mais tempo para se concentrarem nas obrigações familiares e prosseguirem outras atividades geradoras de renda e autoaperfeiçoamento, tais como a comercialização dos seus produtos e a promoção da sua educação. Assim, o ITF cria uma oportunidade para as mulheres se afirmarem na cadeia de valor de novas maneiras que melhoram seus meios de subsistência.

**7.3 Os Estados devem fomentar, fornecer e permitir investimentos em infra-estruturas adequadas, estruturas organizacionais e desenvolvimento de capacidades para apoiar o subsector da pesca pós-colheita em pequena escala na produção de peixe e produtos da pesca de boa qualidade e seguros, tanto para os mercados de exportação como para os mercados nacionais, num de forma responsável e sustentável. **

A viabilidade social e económica é o Princípio Orientador 13 das Orientações do FSS. O n.º 3 reconhece que as estruturas organizacionais adequadas, o desenvolvimento das capacidades e o acesso às infra-estruturas podem permitir aos pescadores melhorar os seus meios de subsistência, produzindo produtos seguros e de alta qualidade. Os estudos de caso 1, 2, 4 e 5 focam aspectos de como os investimentos em infraestrutura adequada, bem como estruturas organizacionais associadas e desenvolvimento de capacidade podem melhorar a qualidade do produto e os meios de subsistência.

Estudo de caso 1: O salão de processamento BFC, atribuído com entrada e a pedido dos membros da CFPA, é uma instalação espaçosa construída para atender aos padrões internacionais. Ter este espaço dedicado permitiu que os processadores CFPA se beneficiassem coletivamente de melhores condições de higiene. Além disso, os membros beneficiaram de formação para implementar normas de manuseio de alimentos, o que, por sua vez, melhorou a rentabilidade e a comercialização dos seus produtos. Garantir o acesso às instalações na sala de procissão BFC é notado pelos membros como um dos principais sucessos da CFPA.

Estudo de caso 2: Para realizar a estratégia de marketing da Iniciativa Kodiak Jig, foi necessário garantir a infraestrutura e o suporte organizacional. Embora Kodiak seja um dos maiores portos de pesca dos Estados Unidos da América, com processamento de frutos do mar durante todo o ano, a infraestrutura de pesca local é principalmente voltada para pescarias em grande escala e de alto volume. Os desafios incluíram o acesso ao gelo e o uso de um guindaste para descarregar o produto. Em última análise, um arranjo foi formado com um processador personalizado que se concentrou principalmente em fumar salmão, o que proporcionou oportunidades de processamento adicionais aos seus pescadores na primavera — um tempo lento para o processamento de salmão. A chave para o sucesso operacional foi fazer com que a equipe da AMCC Kodiak acompanhe o produto durante todo o processo, desde o descarregamento até a entrega no mercado. Separadamente, os pescadores de gabarito também pressionaram o conselho municipal para uma orla portuária com infraestrutura para colheitadeiras independentes de pequena escala, resultando na construção de um guindaste de uso público em uma doca multiuso no porto principal.

Estudo de caso 4: A FCWC FishNet (FCWC FishNet) foi criada para informar a concepção de incentivos orientados para o mercado para alavancar o poder coletivo de seus membros para facilitar o comércio regional. Trabalhando com parceiros, a FCWC FishNet reformou um centro transfronteiras de comércio e transformação de peixe (o hub Manhean Fish Processors and Traders) em Tema, Gana. Este centro atrai actualmente comerciantes e transformadores de peixe de países vizinhos e distribui uma quantidade substancial de produtos da pesca transformados em pequena escala nos mercados de peixe do Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Gana e Togo. Com a adição de um sistema de abastecimento de água e instalações de banheiros, a instalação atualizada agora pode garantir produtos de peixe processados limpos e seguros para o comércio. As melhorias também tornam mais fácil para os processadores e comerciantes trabalharem de forma eficiente durante as colheitas de pára-choques, pois as novas comodidades incluem banheiros e banheiros, bem como salas para mudar e amamentar bebês.

Estudo de caso 5: Os Programas de Extensão de Subsídios Marítimos (SGEPs) no Alasca e na Califórnia facilitam a avaliação das opções de marketing direto de frutos do mar (SDM) e fornecem ferramentas e desenvolvimento de capacidade através da educação empresarial para pescadores que buscam maior controle sobre as cadeias de valor com as quais estão envolvidos. O modelo SGEP — baseado em princípios de não advocacy, confiança, comunicação eficaz e usando uma abordagem científica — apoia a tomada de decisões sólidas e uma maior compreensão dos aspectos práticos e limitações do SDM. O envolvimento do pessoal do SGEP com as comunidades piscatórias inclui consultas, workshops e pesquisas colaborativas, com materiais desenvolvidos a partir desses esforços, por sua vez, úteis para a construção de capacidades para o setor pós-colheita. Esta abordagem é única em comparação com outros estudos de caso apresentados, uma vez que o SGEP fornece orientações para os pescadores que procuram uma abordagem mais empreendedora do comércio.

**7.4 Estados e parceiros de desenvolvimento devem reconhecer as formas tradicionais de associações de pescadores e pescadores e promover o seu desenvolvimento organizacional e de capacidade adequado em todas as fases da cadeia de valor, a fim de aumentar a sua renda e segurança de subsistência, de acordo com as legislação. Por conseguinte, deverá haver apoio à criação e ao desenvolvimento de cooperativas, organizações profissionais do sector da pesca em pequena escala e de outras estruturas organizativas, bem como mecanismos de comercialização, por exemplo leilões, consoante o caso. **

O ponto 7.4 das Orientações do FSS reflecte a importância da consulta e da participação. Apela ao reconhecimento das formas tradicionais de associação entre pescadores e pescadores e salienta a necessidade de promover o seu desenvolvimento organizacional e de capacidades ao longo de toda a cadeia de valor. Os estudos de caso 1, 2, 3, 5 e 6 consideram o papel das associações no aumento dos rendimentos e da segurança dos meios de subsistência dos pequenos pescadores.

Estudo de caso 1: Entre 1997 e 1999, o Governo de Barbados implementou um Projeto de Desenvolvimento da Organização dos Pescadores (FODP) financiado externamente. Os objectivos a longo prazo do projecto consistiam em trabalhar em estreita colaboração com organizações de pescadores formais e informais para melhorar de forma sustentável os meios de subsistência e o bem-estar dos pescadores e estabelecer organizações de pescadores capazes de participar activamente na gestão e desenvolvimento das pescas. Um resultado notável foi a criação da PCPA, apoiada pela Divisão de Pescas de Barbados (BFD) através do FODP. A BFD continua a prestar apoio em espécie à PCPA. Este apoio tem sido fundamental para permitir que a PCPA se empenhe em acções colectivas, tal como discutido nas secções anteriores.

Estudo de caso 2: A Iniciativa Kodiak Jig destaca o poder da cooperação na consecução de objetivos comuns. Formada no final dos anos 2000, a Associação Jig do Alasca (AJA) trabalhou em estreita colaboração com a AMCC para desenvolver uma estratégia de engajamento para reduzir as barreiras à entrada de jovens pescadores. Procurou igualmente assegurar que todas as alterações políticas introduzidas pelo Conselho de Gestão das Pescas no que diz respeito ao peixe-rocha e ao bacalhau no Golfo do Alasca incluíssem oportunidades claras, de nível de entrada e de acesso às pescarias em pequena escala. Da mesma forma, a AMCC trabalhou em estreita colaboração com a AJA para apoiar a capacidade organizacional para que comentários escritos e testemunhos verbais pudessem ser submetidos regularmente nas reuniões do conselho. Além disso, a AMCC prestou apoio financeiro para cobrir a passagem aérea e o alojamento, permitindo aos pescadores participarem em reuniões importantes.

Estudo de caso 3: O estudo da técnica de processamento FAO-Thiaroye concluiu que o forno FTT pode funcionar como uma plataforma para a organização social, mas observou que os exemplos mais bem sucedidos de implantação de FTT envolviam uma cooperativa ou associação que poderia assumir a responsabilidade pela gestão e manutenção do forno. Criticamente, o estudo reconheceu que o FTT em si não supera barreiras à formação de associações efetivas, mas reconheceu a importância de fornecer treinamento organizacional e de desenvolvimento de capacidades adequadas entre os processadores para alcançar um resultado sustentável.

Estudo de caso 5: Os SGEP apoiaram o desenvolvimento da capacidade de SDM através de aulas, workshops, sites e outros esforços de sensibilização para pescadores na Califórnia e no Alasca. A SDM implica que os pescadores vendam as suas capturas através de menos intermediários. Os acordos de SDM podem proporcionar saídas para pescarias de menor volume e de maior valor (preço por libra), reduzindo assim a sua vulnerabilidade à variabilidade e incerteza dos preços que muitas vezes caracterizam cadeias de abastecimento longas, especialmente aquelas ligadas aos mercados globais. Os materiais de reforço das capacidades e de sensibilização fornecidos pelos SIEG abordam os vários tipos de disposições em matéria de SDM, considerações práticas para cada tipo e orientações sobre temas como a manutenção da segurança e da qualidade dos produtos, a administração das empresas e, no caso de pescas e geografias específicas, a concessão de resumos requisitos. Estes esforços combinados permitiram que os pescadores empreendedores em contextos adequados iniciassem e reforçassem as pequenas empresas.

Estudo de caso 6: Fair Trade USA Capture Fisheries Standard (CFS) exige que os pescadores registados formem pelo menos uma Fishers' Association administrada democraticamente, a menos que já pertençam a uma cooperativa legal. A cooperativa ou associação facilita então a coordenação das responsabilidades em matéria de gestão dos recursos, segurança dos navios e relações comerciais. Representa igualmente os pescadores em todas as questões que afectem as suas actividades de pesca, incluindo o CFS, as leis, os regulamentos de pesca e as infra-estruturas relacionadas com as pescas. Os membros individuais são eleitos para um ou mais Comitês de Comércio Justo para gerenciar o uso dos fundos do Prêmio de Comércio Justo recebidos para produtos vendidos nos termos do Fair Trade USA. Esses comitês são então responsáveis por gerenciar e gastar os fundos em nome dos participantes e por rastrear e relatar seu uso. É interessante notar que, em 2015, a pesquisa domiciliar realizada pela Fair Trade USA na Indonésia revelou que 68 por cento dos participantes indicaram que o “fundo Premium” era o benefício mais importante do programa Fair Trade USA. No entanto, em 2016, esse número diminuiu 20 por cento, enquanto a “Formação de uma Associação de Pescadores” cresceu 8 por cento. Isto pode indicar que, embora os benefícios materiais do programa sejam apreciados, é também altamente valorizado dispor de uma plataforma através da qual discutir a gestão da cadeia de valor.

**7.5 Todas as partes devem evitar perdas e desperdícios pós-colheita e procurar formas de criar agregação de valor, com base também em tecnologias tradicionais e locais eficientes em termos de custos, inovações locais e transferências de tecnologia culturalmente apropriadas. Devem ser promovidas práticas ambientalmente sustentáveis no âmbito de uma abordagem ecossistémica, dissuadindo, por exemplo, o desperdício de insumos (água, lenha de combustível, etc.) na manipulação e transformação de peixes em pequena escala. **

A sustentabilidade económica, social e ambiental é o Princípio Orientador 10 das Orientações do SSF. O parágrafo 7.5 incentiva a prevenção de perdas pós-colheita e a procura de formas de agregar valor através da melhoria do manuseamento e do processamento. Os estudos de caso 3 e 7 enfatizam ferramentas, técnicas de baixo custo e mudanças de comportamento para minimizar perdas pós-colheita e agregar valor.

Estudo de caso 3: O forno FTT é um método mais seguro, económico e ambientalmente sustentável para fumar peixe. O forno reduz o consumo de lenha por meio de uma bandeja de forno de brasa, uma característica que conserva dualmente o calor — e, portanto, a quantidade de combustível necessária — em um compartimento separado do peixe, ao mesmo tempo que concentra o calor no peixe e permite um maior controlo sobre o processo de fumar. O forno também demonstrou reduzir as perdas e o desperdício de peixe, especialmente durante os períodos de pico de colheita; em contraste, a baixa capacidade dos dispositivos tradicionais de fumar traduz-se invariavelmente em perdas pós-colheita elevadas durante as épocas de pára-choques. A prática está sendo disseminada por meio de intercâmbios de conhecimento peer-to-peer e de “agentes de mudança” treinados, que fornecem treinamento e demonstrações de ITF de maneiras culturalmente apropriadas.

Estudo de caso 7: O projeto de caranguejo do Programa SmartFish culminou com a produção do Manual SmartFish nº 35, intitulado “Aumentar o valor do caranguejo através da redução das perdas pós-colheita”. O manual detalha dez práticas aprimoradas de captura e manuseio de caranguejos de lama que foram desenvolvidas, testadas e otimizadas, em colaboração com pescadores de pequena escala e pescadores, para melhorar a qualidade do caranguejo em todos os elos da cadeia de valor. Para implementar as melhores práticas de manuseio, foram desenvolvidos oito métodos culturalmente apropriados de comunicação em francês e malgaxe, tanto em formato escrito como em rádio. Isso incluiu cartazes, uma série de oficinas e três unidades móveis de demonstração em pequenos barcos para chegar a comunidades pesqueiras em locais remotos.

**7.6 Os Estados devem facilitar o acesso aos mercados locais, nacionais, regionais e internacionais e promover o comércio equitativo e não discriminatório dos produtos da pesca em pequena escala. Os Estados devem trabalhar em conjunto para introduzir regulamentos e procedimentos comerciais que, em especial, apoiem o comércio regional de produtos provenientes da pequena pesca e tendo em conta os acordos no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), tendo em conta os direitos e obrigações dos membros da OMC, se for caso disso. **

O Princípio Orientador 3 das Orientações do FSS exige a eliminação de políticas e práticas discriminatórias na pequena pesca. O ponto 7.6 sublinha a necessidade de facilitar o acesso aos mercados e apoiar o comércio regional de produtos provenientes da pequena pesca. Os estudos de caso 3, 4, 5, 7 e 8 detalham os esforços para alcançar e manter o acesso ao mercado de produtos provenientes da pequena pesca de forma equitativa e não discriminatória.

Estudo de caso 3: O ITF facilita o acesso aos mercados internacionais, produzindo produtos que cumpram as normas internacionais de segurança alimentar e tem potencial para catalisar o comércio internacional. Os métodos tradicionais de fumar peixe resultam em níveis elevados de compostos cancerígenos que muitas vezes não cumprem os padrões internacionais. O forno FTT é utilizado em mais de uma dúzia de países africanos por empresas que processam e exportam peixe para a UE e os Estados Unidos da América. Está também a ser pilotado em pequenas comunidades piscatórias no Sri Lanka, nos Estados Federados da Micronésia e nas Filipinas. Além do acesso aos mercados internacionais, os produtos FTT podem obter um preço mais elevado nos mercados locais e regionais, embora na prática os resultados tenham sido misturados: muitos consumidores podem não ser capazes de pagar o peixe defumado pela FTT ou preferem a aparência e a textura do peixe fumado utilizando técnicas tradicionais.

Estudo de caso 4: O estudo FishNet da FCWC discute esforços para reforçar as ligações comerciais informais e parcerias para promover o comércio regional na África Ocidental. Os comerciantes e transformadores de peixe são capazes de alavancar estas redes comerciais para fazer face a dois condicionalismos importantes para a pesca de pequena escala na região: os custos de transporte e o acesso ao crédito. Por exemplo, utilizando as suas redes estabelecidas, os importadores de peixe togoleses no Gana combinam remessas para encher camiões de carga a granel. Este “transporte a granel” tem várias vantagens: permite aos importadores negociar taxas de transporte reduzidas, e as formalidades dos postos de inspecção fronteiriços são simplificadas através de inspecções a granel das remessas de peixe, acelerando assim a entrega de produtos da pesca. Para abordar a questão do acesso ao crédito formal, foram criadas instituições de microfinanciamento para apoiar organizações de pesca de pequena escala através da concessão de empréstimos que são da responsabilidade coletiva das partes na respectiva organização. Isto proporciona aos comerciantes e aos transformadores o acesso ao crédito que podem normalmente ter dificuldades em obter, devido à falta de garantias ou à inexperiência em matéria de contabilidade ou de procedimentos burocráticos de crédito. O transporte a granel e o microfinanciamento permitem que os comerciantes de peixe aumentem o volume de peixe importado, garantindo assim um abastecimento abundante de peixe para as comunidades rurais a preços mais baratos, desempenhando simultaneamente um papel crucial na melhoria da segurança dos rendimentos e dos meios de subsistência e facilitando o comércio de peixe nos mercados nacional e regional.

Estudo de caso 5: O “Manual de Comercialização Direta dos Pescadores” foi desenvolvido pelo SGEP do Alasca, a pedido do Departamento de Comércio do Alasca, em resposta a uma queda acentuada dos preços do salmão no início dos anos 90, para fornecer orientações aos pescadores que desejam prosseguir o SDM como forma de diversificação dos meios de subsistência. Agora em sua quinta edição, o manual abrange planejamento de negócios, e-commerce, embalagem e transporte, processamento personalizado, sistema de distribuição de frutos do mar e manuseio de frutos do mar. Proporciona igualmente um instrumento para que os pescadores avaliem as suas próprias capacidades de prosseguirem o SDM como estratégia de diversificação das empresas. O site “Market Your Catch” desenvolvido pela California SGEP baseia-se no manual e fornece um recurso baseado na web para os interessados em SDM. Tanto o manual como o site descrevem os desafios envolvidos e as características e habilidades necessárias para ter sucesso com os arranjos de SDM. Esses recursos ajudam os pescadores de pequena escala a avaliar opções e a planejar o acesso a novos mercados local, regional e/ou nacional.

Estudo de caso 7: Em 2013, como parte de uma estratégia para aumentar as receitas de exportação, o Ministério do Governo malgaxe responsável pelos recursos haliêuticos começou a conceder autorizações para a recolha e exportação de caranguejos vivos. Esta reorientação da pesca das exportações congeladas para as exportações vivas procurou capitalizar o seu valor mais elevado: o preço médio do peso vivo por quilograma é 1,7 vezes superior ao dos caranguejos congelados. Em conjunto com o projecto de redução da mortalidade e das perdas pós-colheita acima descrito (ponto 7.5), Madagáscar capitalizou desde então a exportação de caranguejos vivos. Os resultados do inquérito mostram que o preço médio nacional mais do que duplicou entre 2012 e o final de 2015. Para os pescadores de uma região, a renda aumentou 26%, apesar de suas capturas terem diminuído 33% no mesmo período. O aumento do preço de venda foi a principal razão para o aumento da renda; a redução das perdas pós-colheita também contribuiu, mas em menor grau.

Estudo de caso 8: O Governo das Maldivas tem desempenhado um papel fundamental na promoção internacional da pesca do atum com gaiado de vara e linha, garantindo ao mesmo tempo que os cidadãos nacionais podem partilhar os benefícios decorrentes desta cadeia de valor. O Governo tem também sido pró-activo na adaptação da pesca às condições do mercado mundial. Ao liderar inovações de sustentabilidade orientadas para o mercado, como a obtenção da certificação Marine Stewardship Council (MSC) e a implementação de sistemas de transparência para distinguir as exportações de atum das Maldivas como sustentáveis — que são critérios cada vez mais importantes em mercados de alto valor — o Governo criou uma ambiente onde a frota de atum das Maldivas e seus cidadãos estão bem posicionados para prosperar no mercado global de frutos do mar.

**7.7 Os Estados devem ter em devida consideração o impacto do comércio internacional de peixe e produtos da pesca e da integração vertical sobre os pescadores locais de pequena escala, os trabalhadores da pesca e as suas comunidades. Os Estados devem assegurar que a promoção do comércio internacional de peixe e da produção de exportação não afectem negativamente as necessidades nutricionais das pessoas para as quais o peixe é essencial para uma dieta nutritiva, para a sua saúde e bem-estar e para as quais outras fontes de alimentos comparáveis não estão prontamente disponíveis ou acessíveis. **

O reforço da contribuição das pescarias em pequena escala para a segurança alimentar é um objetivo fundamental das Orientações do FSS, enquanto abordagens holísticas e integradas são reconhecidas no Princípio Orientador 11. O ponto 7.7 adverte a não afectar negativamente as necessidades de segurança alimentar e nutrição das pessoas que dependem do peixe na sua dieta através da promoção do comércio orientado para a exportação. Os estudos de caso 7 e 8 analisam exemplos de pescarias orientadas para a exportação que reforçam a segurança alimentar e os meios de subsistência.

Estudo de caso 7: A abertura da pesca do caranguejo malgaxe à exportação de caranguejos vivos levou a receios de que a quantidade de caranguejo disponível para consumo local pudesse diminuir. De fato, o contrário tem sido observado, com aumento do consumo local e das vendas entre 2012 e 2017. Os pescadores que vendem para o mercado do caranguejo congelado têm de escolher entre vender e consumir as suas capturas, uma vez que a maioria dos caranguejos destinados a este mercado são aceites no ponto de venda. Em contrapartida, os exportadores de caranguejos vivos rejeitam, em média, entre 40% e 45% dos caranguejos que lhes são fornecidos, devido ao facto de os caranguejos serem fracos, feridos ou inadequados para exportação viva. Uma parte significativa destes caranguejos rejeitados é então desviada para o mercado local. Alguns até são comidos pelos próprios pescadores: em uma comunidade pesquisada, a quantidade estimada de captura consumida pelos pescadores aumentou de 5% para 9%. Desta forma, a reorientação da pesca para a exportação viva aumentou tanto os ganhos (devido aos preços mais elevados do caranguejo vivo) como a melhoria da segurança alimentar.

Estudo de caso 8: Os cidadãos das Maldivas dependem do atum para alimentação e nutrição: consomem uma média de 94 kg de atum-gaiado por ano, e esse consumo está crescendo. Em reconhecimento a esta exigência, o Governo das Maldivas adoptou medidas para garantir que o mercado interno continue a receber um abastecimento constante de produtos de atum a preços acessíveis, salvaguardando assim a segurança alimentar nacional contra os impactos do comércio internacional. O Governo incentivou o desenvolvimento de uma indústria de transformação nacional robusta, incluindo os transformadores de pequena escala que servem comunidades insulares remotas, o que garante que grandes volumes de atum sejam desembarcados nas Maldivas. Além disso, o Governo garantiu que o sector forneça emprego ao longo da cadeia de valor da pesca do atum com vara e linha, proporcionando assim um rendimento sustentado aos seus cidadãos.

**7.8 Estados, pequenos actores da pesca e outros actores da cadeia de valor devem reconhecer que os benefícios do comércio internacional devem ser distribuídos de forma equitativa. Os Estados devem assegurar a existência de sistemas eficazes de gestão das pescas para evitar a sobreexploração impulsionada pela procura do mercado que possa ameaçar a sustentabilidade dos recursos haliêuticos, a segurança alimentar e a nutrição. Esses sistemas de gestão das pescas devem incluir práticas, políticas e ações responsáveis pós-colheita, a fim de permitir que as receitas das exportações beneficiem os pequenos pescadores e outros de forma equitativa ao longo de toda a cadeia de valor. **

A equidade e a igualdade é o Princípio Orientador 5 das Orientações do FSS O ponto 7.8 apela a uma distribuição equitativa dos benefícios do comércio internacional e apela para garantir a existência de sistemas eficazes de gestão das pescas para evitar a sobreexploração impulsionada pela procura do mercado. Os estudos de caso 6, 8 e 9 apresentam exemplos de iniciativas destinadas a abordar estas prioridades.

Estudo de caso 6: O caso do comércio equitativo dos EUA demonstra como a distribuição equitativa dos benefícios, bem como as medidas destinadas a atenuar a sobreexploração, podem complementar os sistemas de gestão das pescas. Os produtos certificados de comércio justo ganham um prêmio de preço, o que garante que os benefícios do comércio internacional sejam distribuídos de forma justa — entre 2014 e 2019, pescadores indonésios de pequena escala ganharam mais de um quarto de milhão de dólares dos Estados Unidos em prêmio de Comércio Justo, além do preço de desembarque. Com estes fundos, os pescadores podem identificar investimentos através da Associação de Pescadores de Comércio Justo, acima descrita (ponto 7.4), para melhorar os seus meios de subsistência e o ambiente marinho. Os pescadores registados devem adotar práticas de pesca responsáveis e trabalhar para proteger os recursos haliêuticos e a biodiversidade. Tal inclui a recolha de dados e o acompanhamento para fornecer uma melhor informação sobre o estado das unidades populacionais de peixes. No caso das pescarias que enfrentam dificuldades com a disponibilidade e a gestão dos dados, o programa ajuda a desenvolver a capacidade dos pescadores para que estes possam satisfazer os critérios de gestão dos recursos ao longo do tempo. Nomeadamente, embora a procura de atum artesanal certificado esteja a aumentar, existem salvaguardas para garantir que o atum não seja sobrepescado pelos pescadores registados, tais como a limitação da actividade de pesca através de “sem pesca às sextas-feiras”.

Estudo de caso 8: Os esforços do Governo das Maldivas no que respeita à pesca do atum do gaiado demonstram como as políticas nacionais podem promover uma distribuição equitativa dos benefícios e garantir a existência de sistemas eficazes de gestão das pescas para evitar a sobreexploração impulsionada pela procura do mercado. A pesca do atum com vara e linha é uma fonte chave de renda no país, apoiando cerca de 30 000 meios de subsistência, ou 8% da população. O Governo das Maldivas tomou muitas medidas para facilitar o acesso preferencial e os benefícios dos recursos do atum para os seus próprios cidadãos. Por exemplo, apenas os atuneiros nacionais, um a um, estão autorizados a pescar nas águas do país, garantindo que os cidadãos e a indústria nacional sejam os beneficiários dos seus recursos de atum. Além disso, ao fixar um prémio de preço para além do preço de base de Banguecoque para as exportações de atum e um preço de base mínimo para as vendas internas de atum, o Governo das Maldivas permitiu ao sector das pescas manter um rendimento elevado e estável. No que se refere à sobreexploração, o Governo tem também contribuído para a criação de um quadro de gestão de precaução para o atum-gaiado no Oceano Índico.

Estudo de caso 9: Os Projectos de Melhoria das Pescas (FIP) visam abordar práticas de pesca insustentáveis através de melhorias contínuas, progressivas e temporais nas pescas. Os projetos são parcerias multissetorial que podem incluir pescos/produtores, ONGs, gestores de pescas, governos, pesquisadores e outros membros da cadeia de abastecimento da pesca. Os FIPs facilitam o acesso aos mercados internacionais. As medidas destinadas a melhorar a sustentabilidade são estabelecidas num plano de trabalho acordado e os progressos são monitorizados para garantir que se mantém no bom caminho. Os FIPs têm sido criticados por não alcançarem resultados a longo prazo, exacerbados por incidentes de “lavagem verde” ou facilitando o acesso ao mercado, ao mesmo tempo em que não melhoram a sustentabilidade das pescas, e não envolvem suficientemente governos, pescadores e pescadores no seu planeamento e execução. No entanto, os FIPs geralmente se mostraram eficazes no fornecimento de uma plataforma de diálogo e direção estratégica envolvendo várias partes interessadas.

**7.9 Os Estados devem adotar políticas e procedimentos, incluindo avaliações ambientais, sociais e outras relevantes, para garantir que os impactos adversos do comércio internacional sobre o ambiente, a cultura da pesca em pequena escala, os meios de subsistência e as necessidades especiais relacionadas com a segurança alimentar sejam equitativamente tratados. A consulta com as partes interessadas deverá fazer parte destas políticas e procedimentos. **

A responsabilidade social é o Princípio Orientador 12 das Orientações do SSF. O ponto 7.9 sugere a adopção de políticas e procedimentos, em consulta com as partes interessadas relevantes, para fazer face aos impactos adversos do comércio internacional nas comunidades piscatórias de pequena escala. Os estudos de caso 6 e 8 exploram a aplicação prática desta recomendação.

Estudo de caso 6: Embora a Fair Trade USA seja uma iniciativa baseada no mercado que não define políticas, a sua Capture Fisheries Standard (CFS) estabelece procedimentos destinados a garantir que os impactos adversos do comércio internacional sejam equitativamente abordados. O CFS estabelece critérios de gestão de recursos para alcançar pescarias sustentáveis e responsáveis e critérios de responsabilidade social para proteger os direitos humanos fundamentais dos trabalhadores da pesca, incluindo salários, condições de trabalho e acesso aos serviços. O CFS apoia ainda os pescadores no desenvolvimento das competências necessárias para negociar eficazmente com os intervenientes da cadeia de abastecimento no que respeita à compra, transformação e comercialização dos seus produtos. Por último, mas não menos importante, o CFS visa melhorar a estabilidade dos rendimentos dos pescadores, assegurando uma relação comercial transparente e estável com os compradores. O Fair Trade USA e os seus parceiros conseguiram replicar os êxitos observados na Indonésia em outras pescas e países, especificamente no México, nas Maldivas, em Moçambique, nos Estados Unidos da América e nas Ilhas Salomão.

Estudo de caso 8: Para a pesca do atum com varas e linhas nas Maldivas, uma das maiores ameaças é perder o acesso aos principais mercados internacionais por não acompanhar a evolução das exigências de sustentabilidade para o atum. A este respeito, as Maldivas acompanharam o aumento das demandas de sustentabilidade, não só por meio de suas medidas nacionais de gestão das pescas, mas também por meio de sua liderança na Comissão do Atum do Oceano Índico (IOTC) — e de seus esforços para obter e manter a certificação MSC para a pesca do atum no Oceano Índico. O desenvolvimento do setor tem sido vital para aumentar a equidade da pesca, permitindo às empresas das Maldivas obter mais valor dos produtos exportados, bem como permitir que os pescadores recebam um preço mais elevado pelo peixe que desembarcam. Em resultado dos esforços do governo, a pesca do atum com gaiado de vara e linha continuou a desempenhar um importante papel económico nas Maldivas, tanto em termos de receitas cambiais como da sua contribuição para os rendimentos das pessoas que trabalham no sector. Os pescadores são bem remunerados em comparação com outras profissões do país, ganhando o dobro da renda mensal per capita nacional. Globalmente, o elevado rendimento dos pescadores reflecte o valor cultural atribuído à pesca com vara e linha, tornando-o um sector cada vez mais atractivo para trabalhar.

**7.10 Os Estados devem permitir o acesso a todas as informações relevantes sobre o mercado e o comércio das partes interessadas na pequena cadeia de valor das pescas. As pequenas partes interessadas no sector das pescas devem poder aceder a informações de mercado atempadas e precisas para os ajudar a adaptarem-se às condições de mercado em constante mudança. O desenvolvimento de capacidades também é necessário para que todas as partes interessadas da pesca em pequena escala, especialmente as mulheres e os grupos vulneráveis e marginalizados, possam adaptar-se e beneficiar equitativamente das oportunidades das tendências do mercado mundial e das situações locais, minimizando os potenciais impactos negativos. **

A transparência é o Princípio Orientador 8 das Orientações do FSS. O ponto 7.10 reforça este princípio fundamental através da sua recomendação de que as informações sobre o mercado e o comércio sejam disponibilizadas às partes interessadas na cadeia de valor das pescas em pequena escala. Os estudos de caso 4 e 5 apresentam exemplos de esforços para desenvolver capacidades e permitir o acesso a informações relevantes sobre o mercado.

Estudo de caso 4: Os membros da FCWC FishNet estiveram envolvidos na organização de Intercâmbios de Aprendizagem de Pescas (FLE) sobre temas como métodos de tabagismo, higiene, processamento, embalagem e técnicas de comércio. As FE reúnem representantes de diferentes comunidades para compartilhar conhecimentos e conhecimentos especializados em pescas, facilitando assim o seu empoderamento. O fluxo livre e igual de informações mantém os atores ao longo da cadeia de valor informados e permite que eles se beneficiem das tendências do mercado. Demonstrou-se que as FE promovem a cooperação e a confiança, e fornecem uma plataforma comum para parcerias comerciais e ligações em cadeias de valor pesqueiras de pequena escala na sub-região da FCWC.

Estudo de caso 5: A experiência dos SIEG no que se refere aos acordos de SDM destaca os esforços para aumentar a capacidade, fornecendo informações e recursos para permitir que os pequenos pescadores participem em movimentos de alimentos locais e outras oportunidades de comercialização que ocorram em diferentes escalas. Além de apoiar estudos de viabilidade do mercado, os SIEG fornecem informações para ajudar os pescadores a navegar em requisitos complexos de licenciamento, manuseamento de frutos do mar, segurança e comércio. A fim de assegurar que são fornecidas informações precisas sobre as várias opções que podem ser exploradas pelos pescadores, os SIEG envolvem as agências reguladoras relevantes no desenvolvimento de recursos. Tanto no Alasca quanto na Califórnia, o pessoal dessas agências revisou materiais SDM, co-autor de publicações sobre requisitos para SDM, trabalhou extensivamente em esforços de manuseio de qualidade e participou de oficinas de SDM para questões de campo dos pescadores. As informações recolhidas e fornecidas pelos SIEG aumentaram a sensibilização e a compreensão entre os pequenos pescadores, as comunidades e o pessoal das agências, permitindo-lhes assim tomar decisões informadas sobre a prossecução ou não do SDM.

*Fonte: Zelasney, J., Ford, A., Westlund, L., Ward, A. e Riego Peñarubia, O. eds 2020. Garantir uma pesca sustentável em pequena escala: Exposição de práticas aplicadas em cadeias de valor, operações pós-colheita e comércio. Documento Técnico de Pesca e Aquicultura da FAO Nº 652. Roma, FAO. https://doi.org/10.4060/ca8402en *


Food and Agriculture Organization of the United Nations

http://www.fao.org/
Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.