O Aquaponics System Designer acaba de ser lançado! Comece a projetar agora.
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Alexander Ford Joseph Zelasney** Ramo de Política, Economia e Instituições Departamento de Pesca e Aquicultura da FAO Roma, Itália

Os Projetos de Melhoria da Pesca (FIPs) são parcerias multissetorial destinadas a incentivar os atores da cadeia de valor a melhorar a sustentabilidade das pescas usando incentivos de mercado. Inicialmente aplicado à pesca em larga escala, nos últimos dez anos o modelo FIP também tem sido aplicado noutros contextos, incluindo a pesca em pequena escala. Os FIPs facilitam a coordenação entre os atores relevantes da cadeia de valor e promovem o diálogo com várias partes No entanto, os FIPs têm sido criticados por não envolver governos e atores pesqueiros de pequena escala ou garantir a distribuição justa dos benefícios para as comunidades piscatórias. Este estudo de caso fornece uma visão geral histórica dos FIP e considera seus pontos fortes e fracos como um mecanismo para operacionalizar as recomendações estabelecidas no Capítulo 7 das Diretrizes Voluntárias para Garantir uma Pesca Sustentável de Pequena Escala no Contexto da Segurança Alimentar e Erradicação da Pobreza, nomeadamente os pontos 7.1 e 7.8, que visam assegurar a inclusão dos intervenientes pós-colheita nos processos de tomada de decisão e assegurar a aplicação de sistemas eficazes de gestão das pescas, a fim de evitar a sobreexploração dos recursos naturais orientada pelo mercado e das pessoas que dele dependem, respetivamente. Os FIPs têm o potencial de impulsionar a gestão colaborativa nas pescarias de pequena escala, mas para isso é necessária uma maior inclusão das comunidades piscatórias e das autoridades governamentais.

*Palavras-chave: * Projeto de Melhoria da Pesca, engajamento multissetorial, governança privada, certificação e sistemas de rotulagem ecológica.

Melhorar a sustentabilidade ambiental da produção de frutos do mar usando abordagens baseadas no mercado tem sido um foco do movimento sustentável dos frutos do mar desde a década de 1990. O efeito tem sido um aumento da aplicação dos sistemas de certificação e rotulagem ecológica. Um modelo no kit de ferramentas de abordagem baseada no mercado é o Fishery Improvement Project (FIP), definido pela Conservation Alliance for Seafood Solutions (CASS) 1 como “um esforço multissetorial para enfrentar os desafios ambientais em uma pescaria que utiliza o poder do setor privado para incentivar mudanças positivas para a sustentabilidade na pesca e buscar [ing] fazer essas mudanças perseverarem através da mudança de política” (CASS, 2012), e também pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) como “uma colaboração entre atores relevantes para influenciar políticas e práticas de gestão e melhorar a sustentabilidade do Operações de pesca” (GEF, 2019).

Os primeiros FIPs foram estabelecidos no início dos anos 2000 para envolver os atores da cadeia de abastecimento industrial como parceiros na gestão das pescarias de onde provêm (Cannon et al., 2018). Os FIP foram lançados em pescarias de alto valor comercial a nível mundial, como o bacalhau do mar Báltico e o escamudo russo, com grandes volumes sendo comercializados através de cadeias de valor internacionais, a fim de assegurar o abastecimento a longo prazo através da melhoria da gestão das pescas e do desempenho ambiental (quadro 9.1).

QUADRO 9.1 Quantidade de frutos do mar em FIPs 2015/2019, por arqueação e em percentagem do total das capturas marinhas registadas

20152019Categoria de mercadoriasDesembarques(em milhares de toneladas%dos Desembarques Globais ( em milhares de toneladas%de Desembarques Globais Caranguejo, lagosta, crustáceos 1576.22017.9Moluscos00261.1 Principais espécies de atunos*111522.9155033.5Peixes diversos290.11270.3Salmão e peixes diádromos101141.6 Camarão2075.937810.6Pelágicos pequenos339717.3423521.3Snapper/Garoupa00 040Lula 2274,93718Outros atuns, bonitos, billfish1013.82588,8Peixes Brancos8468,63323.4Total6089 7.7749610.4

* As principais espécies incluem albacore, patudo, rabilho, pequeno tunny, skipjack e albacora.

Nota: Os desembarques excluem aqueles associados aos FIPs do Estágio 0, do Estágio 1 e do Estágio 6 (consulte o Apêndice 1 para os estágios FIP). Nos casos em que houve sobreposição entre os desembarques FIP notificados e os desembarques certificados pelo Marine Stewardship Council (MSC) (no caso dos FIPs da Fase 6), a tonelagem desembarcada foi contada para desembarques de MSC (CEA, 2020).

A demanda por frutos do mar sustentáveis cresceu acentuadamente nos últimos 20 anos. Essa demanda tem sido impulsionada em grande parte pelos principais atores globais da cadeia de valor de frutos do mar, que integraram a aquisição de frutos do mar sustentáveis certificados em suas políticas de abastecimento. Embora os frutos do mar dos FIPs não sejam certificados, a maioria dos FIPs usa o padrão do MSC (Box 9.1) como sua estrutura para melhoria. Posteriormente, os FIPs passaram a ser vistos como uma opção de abastecimento viável para frutos do mar sustentáveis entre os principais compradores.

Ao longo da última década, a abordagem FIP também foi aplicada às pescarias de pequena escala. Globalmente, dos 155 FIPs ativos e concluídos (Figura 9.1), 31 são de pequena escala; 2 destes, 4 estão em países muito altamente desenvolvidos, 15 em países altamente desenvolvidos, 11 em países de médio desenvolvimento e 1 em um país de baixo desenvolvimento, de acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano do PNUD (Sustentável Fisheries UW, 2019; PNUD, 2018; Progresso das Pescas, 2019). A Ásia e a América Latina têm a maior concentração de FIPs, seguida pela América do Norte.

CAIXA 9.1 The Marine Stewardship Council (MSC) e FIPS Desde a fundação do MSC em 1996, a organização conseguiu criar e manter um mercado de “peixes sustentáveis” provenientes de grandes pescarias em todo o mundo. No entanto, tem lutado para encontrar sucesso comercial com a pesca em pequena escala (Ponte, 2012). No entanto, o MSC tem sido fundamental na construção do conceito FIP trabalhando em conjunto com outros membros da CASS para usar os FIPs como um veículo para obter a certificação MSC, inclusive na pesca de pequena escala. O objetivo do MSC é garantir a sustentabilidade dos recursos haliêuticos em todo o mundo. O MSC “Teoria da Mudança” envolve a certificação da pesca e cadeias de abastecimento em benefício dos consumidores que procuram comprar frutos do mar ambientalmente sustentáveis. Para ser certificada, a pesca deve cumprir as normas do MSC (MSC, 2019): 1. Unidades populacionais de peixes sustentáveis: A pesca deve ser realizada a um nível que garanta que ela possa continuar indefinidamente, garantindo também que a população de peixes possa permanecer produtiva e saudável. 2. Minimizar os impactos ambientais: A atividade de pesca deve ser gerenciada cuidadosamente para que outras espécies e habitats dentro do ecossistema permaneçam saudáveis. 3. Gestão eficaz das pescas: As pescarias certificadas pelo MSC devem cumprir a legislação aplicável e poder adaptar-se à evolução das circunstâncias ambientais.

Os FIPs têm sido criticados por não fornecerem governança estratégica da pesca a longo prazo, exacerbados por incidentes de “limpeza verde” 3, e não proporcionarem maior engajamento governamental, pescador e pescador em seu planejamento e gestão, prejudicando assim quaisquer impactos positivos que possam ter sobre o valor desenvolvimento da cadeia (Sampson et al., 2015; Crona, Käll e Van Holt, 2019). No entanto, os FIPs geralmente se mostraram eficazes no fornecimento de uma plataforma de diálogo e direção estratégica envolvendo várias partes interessadas (Cannon et al., 2018; Crona, Käll e Van Holt, 2019; Travaille et al., 2019).

Após um exame atento do modelo FIP, o estudo de caso considera a forma como os FIPs são geridos e explora o seu alinhamento com os parágrafos 7.1 e 7.8 das Orientações do SSF.

Este estudo de caso fornece uma imagem do conceito FIP, explorando como e onde o modelo FIP foi aplicado até agora. A primeira etapa da pesquisa envolveu uma revisão sistemática da literatura disponível publicamente, incluindo publicações acadêmicas, governamentais e não governamentais. Isso serviu para uma dupla função, permitindo a compreensão do conceito de FIP e, ao mesmo tempo, identificar os principais stakeholders para entrevistar na segunda etapa do estudo. Esse processo também ajudou a destacar áreas de enfoque para o estudo, voltando a informar as entrevistas na segunda etapa. Uma busca pelo termo “Fishery Improvement Projects” usando o banco de dados da biblioteca da University College London, apresenta 33 trabalhos de pesquisa acadêmica, os mais antigos que datam de 2014, e cinco artigos acadêmicos publicados em 2019. Existem muitas publicações oriundas de ONGs, com organizações partidárias do CASS oferecendo literatura cinzenta substancial cobrindo suas experiências na implementação e gestão do FIP.

A segunda etapa da pesquisa envolveu a realização de 11 entrevistas semiestruturadas sobre o conceito de FIP com especialistas envolvidos diretamente em FIPs. As entrevistas foram realizadas por meio de um guia de entrevista, que foi frequentemente adaptado em função da identidade dos entrevistados e da sua competência profissional (Apêndice 2 para uma cópia do guia). A gama de pessoas selecionadas incluiu representantes da indústria, agências governamentais e intergovernamentais, pesquisa/academia e representantes de ONGs. Os potenciais entrevistados foram oriundos da revisão da literatura e das organizações identificadas no site da CASS. Além disso, uma abordagem de bola de neve foi aplicada por meio do uso de redes profissionais, com muitos dos entrevistados recomendando outros indivíduos para entrevista. Mais uma vez, isso serviu uma dupla função na medida em que reforçou ou corrigiu nossa compreensão adquirida com a revisão da literatura, ao mesmo tempo que proporcionou insights sobre a direção futura dos FIPs.

Por último, o autor principal participou de um workshop da Comunidade de Prática do FIP na Indonésia, que forneceu insights críticos sobre as discussões que estão sendo realizadas entre os proponentes do FIP no Sudeste Asiático. Os participantes incluíram pescadores; processadores; ONGs; representantes do PNUD e da FAO; representantes de quatro governos do Sudeste Asiático; empresas de consultoria; e vários outros proponentes do FIP. O evento mostrou-se importante para esclarecer detalhes e adquirir conhecimentos adicionais relativos à distribuição desigual de custos e benefícios, à necessidade de maior envolvimento dos representantes do governo e da comunidade e à necessidade de configurar o modelo FIP para alcançar sustentabilidade a longo prazo.

Esta seção fornece uma visão geral do conceito de FIP, incluindo os diferentes tipos, estilos de gestão e método de relatórios utilizados, seguido de uma discussão sobre inclusão e sustentabilidade das partes interessadas do FIP; FIPs e o mercado global para frutos do mar sustentáveis; e, por último, FIPs e o papel do governo.

Tipos FIP

Os FIPs variam em seu tipo, ditados por design e objetivos, mas existem critérios condicionais estabelecidos pelo CASS que sustentam o modelo FIP. Em primeiro lugar, os agentes da cadeia de valor, que podem incluir fornecedores, retalhistas, serviços alimentares e pescadores, devem participar activamente no FIP. A participação pode assumir a forma de contribuições financeiras ou em espécie para o projeto. Em segundo lugar, as partes interessadas do FIP devem comprometer-se a melhorar a pesca (através de um memorando de entendimento assinado, lista de participantes publicada, etc.). Em terceiro lugar, o FIP deve definir o escopo de curto prazo do projeto com um conjunto de objetivos vinculados ao tempo. Em quarto lugar, um plano de trabalho deve ser disponibilizado ao público. E por último, a gerência do FIP deve acompanhar e relatar regularmente o progresso, incluindo: 1) relatar publicamente o progresso das ações e seus resultados, com documentação de apoio a cada seis meses; e 2) atualizar as pontuações dos indicadores e fornecer evidências de apoio para mudanças de pontuação a cada 12 meses (CASS, 2019).

Essas qualidades descrevem os elementos centrais de um FIP. No entanto, devido ao papel predominante do MSC na direção estratégica dos FIPs, uma camada extra de complexidade distingue FIPs guiados pelo MSC de FIPs não-guiados pelo MSC, que são denominados pelo CASS como FIPs abrangentes e básicos, respectivamente.

  • Um FIP abrangente deve ser submetido a uma auditoria independente a cada três anos em relação aos padrões MSC, e deve receber um passe incondicional para receber a certificação MSC. 4 A razão aqui é que, ao demonstrar o valor de mercado da transição para a certificação MSC, outras partes interessadas locais se envolverá em reformas de sustentabilidade a fim de buscar a certificação e seus benefícios associados (Roheim e Zhang, 2018).

  • Um FIP Básico é mais estreito em escopo, focando na melhoria dos desafios ambientais específicos dentro da pesca em oposição a toda a gama de indicadores de desempenho MSC e, portanto, não busca a certificação MSC. Os FIPs básicos também tendem a abordar questões socioeconômicas de forma mais ampla, embora a pontuação em relação aos padrões MSC continue a ser a forma de avaliação de fato. Embora a promessa de benefícios futuros do mercado possa não ser o único ou central incentivo, os FIPs básicos ainda exigem um forte compromisso das partes interessadas para realizar mudanças a longo prazo.

Estrutura de gerenciamento FIP

De acordo com a California Environmental Associates (CEA), 5 determinar a estrutura de gestão de um FIP — ou seja, se ele é “de cima para baixo” ou “de baixo para cima” — é fundamental para sua análise. Nos FIP de cima para baixo, os agentes da cadeia de valor dos frutos do mar identificam pescarias insustentáveis, geralmente a partir das quais já estão a abastecer, às quais será aplicado um FIP. Isso cria uma pressão descendente através da cadeia de valor, incentivando as partes interessadas a se envolverem em uma gestão sustentável. Uma das limitações dessa abordagem é que ela efetivamente “empurra” a responsabilidade, com partes interessadas mais poderosas na cadeia de valor passando responsabilidades de sustentabilidade para aqueles que são menos poderosos (comunicação pessoal com a Blue Ventures, 27/03/19). A vantagem de uma abordagem de cima para baixo é que, através do abastecimento de uma série de pescas, existe um incentivo concorrencial para que as pescas sigam protocolos de sustentabilidade. Atualmente, as empresas de frutos do mar agora gerenciam mais FIPs do que qualquer outro implementador terceirizado (CEA, 2020).

Os FIPs de baixo para cima são geralmente intimados por uma ONG e visam facilitar a mudança quando a capacidade de gestão, execução e reformas governamentais são fracas. Eles tendem a dar mais espaço do que FIPs de cima para baixo para pescadores, pescadores e representantes da comunidade em sua gestão. Esses FIP baseiam-se na capacidade das partes interessadas participantes para impulsionar a mudança através das práticas de pesca, muitas vezes na ausência de regimes eficazes de gestão das pescas. O risco é que os ganhos obtidos pelos participantes sejam subcotados pelos não participantes e, consequentemente, possam parar e não produzir melhorias significativas (CEA, 2015).

Progressos de relatório

O Fishery Progress baseado na web, gerenciado pela ONG americana FishChoice, é a plataforma projetada para os varejistas tomarem decisões de sourcing com base em relatórios FIP. 6 Com o apoio dos comitês técnicos e consultivos correspondentes, 7 esta plataforma fornece uma classificação de todos os revisados e subsequentemente endossou FIPs, descrevendo o quão longe cada FIP chegou na consecução de seus objetivos, bem como seu alinhamento com os padrões MSC. Com base nisso, os FIPs recebem uma nota de A a D, sendo A a melhor (e disponível apenas para FIPs abrangentes). Uma questão importante — e talvez uma de disputa por FIPs básicos — é que, apesar de não buscar a certificação MSC, o Progresso da Pesca ainda mede o progresso dos FIPs básicos em relação aos padrões MSC, perdendo ou interpretando mal muitas das nuances capturadas pelo foco desses FIPs no sócio-econômico questões. Como solução, os FIPs básicos apresentam relatórios que incluem relatos aprofundados dos seus objetivos e dos seus progressos na consecução dos mesmos, contribuindo assim para “preencher os espaços em branco” que a classificação do Progresso das Pescas ignora. Isso é examinado mais de perto na seção a seguir.

! image-20210521194255399

A inclusão de partes interessadas pós-colheita nos processos de tomada de decisão é o princípio central do parágrafo 7.1 das Orientações do SSF 8 “Pós-colheita” refere-se a todas as partes interessadas e nós da cadeia de abastecimento que o produto passa a partir do momento em que é retirado do seu ambiente natural. O parágrafo 7.1 também afirma que todas as partes devem advertir contra a exclusão social, reconhecendo que “há, por vezes, relações desiguais de poder entre os atores da cadeia de valor”, o que diz respeito a um apelo mais amplo para que práticas socialmente sustentáveis sejam promulgadas em toda a pequena pesca (FAO, 2015). A sustentabilidade social é definida como “a capacidade de uma cadeia de valor alimentar suportar, facilitando a distribuição equitativa do valor criado (lucros, salários, benefícios para o consumidor, impacto fiscal) e impactos sociais mais amplos. Isso requer atenção à distribuição das margens de marketing, preocupações de gênero, juventude, pobreza, grupos vulneráveis, desenvolvimento comunitário, saúde e nutrição, elementos socioculturais, bem-estar do trabalho” (FAO, 2015). Esta seção analisa até que ponto a “sustentabilidade social” está sendo integrada ao modelo FIP.

A discussão sobre se, como e em que medida os FIPs devem incorporar objetivos sociais é aquela que vem ganhando força entre os proponentes do FIP. A discussão inclui o escopo das questões sociais que um FIP pode considerar, o escopo apropriado da cadeia de valor a ser avaliada e se a definição e o objetivo dos FIPs devem mudar. Atualmente, a participação ativa de todas as partes interessadas pós-colheita está claramente explicitada nas diretrizes FIP da CASS e, de acordo com a CEA (2020), 19% dos FIPs autoidentificam como abordando a dimensão social das pescas. No entanto, Crona, Käll e Van Holt (2019) observam que “apenas 7% dos FIPs em [seu] estudo incluíram pescadores como um dos principais atores do FIP”. Sugerem ainda que os pescadores sejam excluídos da coleta e análise de dados, indicando falta de inclusão nos processos decisórios. Verificou-se que, de acordo com as tendências e as motivações políticas atuais (Barr, Bruner e Edwards, 2019; Teh et al., 2019), os FIPs devem dar garantias de que a pescaria não está associada aos mais flagrantes abusos dos direitos humanos como a criança e o trabalho forçado (Kittinger et al, 2017). Além disso, no entanto, deve-se reconhecer que os principais atores da cadeia de valor global que tradicionalmente provêm de FIPs têm sido reticentes em implementar melhorias sociais além das auditorias sociais para as questões mais graves (comunicação pessoal com a CEA, 13/03/19). Do mesmo modo, a criação de mais requisitos em relação aos quais a pesca deve ser avaliada pode sobrecarregar indevidamente a pesca, aumentando o custo e a complexidade dos PIP. Isto poderia ser particularmente oneroso para os pescadores e os pescadores, que muitas vezes suportam a maior parte dos custos devido ao “empurrar para baixo” da responsabilidade acima referida. Questões semelhantes são levantadas no contexto da cadeia de valor, com deliberação sobre se os critérios de responsabilidade social devem centrar-se no nível do navio ou se estenderem às partes interessadas em cada nó da cadeia de valor. No entanto, se o peso da responsabilidade se tornar demasiado oneroso, isso poderia ameaçar a eficiência ou mesmo a existência do conceito FIP (comunicação pessoal com Ocean Outcomes, 04/03/19).

Há alguns esforços de destaque para expandir o escopo dos FIPs para incluir práticas socialmente sustentáveis. Primeiro, o “Quadro de Responsabilidade Social no Setor de Marisco”, desenvolvido em 2018, é um scorecard de avaliação rápida baseado nas Diretrizes do SSF (Opal, 2017) e atualmente sendo pilotado por vários membros do CASS. Concebido para produzir uma narrativa e uma pontuação relativa a cada um dos capítulos temáticos, e estruturado em termos de indicadores de desempenho da mesma forma que as avaliações do MSC, o objetivo a longo prazo do cartão de pontuação é a publicação dos resultados juntamente com as classificações atualmente publicadas na Pesca Site de progresso. No entanto, os participantes na Comunidade de Prática do FIP na Indonésia consideraram que o cartão de avaliação apresentaria mais um obstáculo técnico e demorado, sem benefícios imediatos para os pescadores e os pescadores, nem um reconhecimento explícito do seu envolvimento na realização da avaliação. Além disso, os mesmos participantes consideraram que a interpretação do scorecard das questões da pesca em pequena escala que estão a ser avaliadas não corresponde aos desafios reais das comunidades piscatórias de pequena escala em muitas partes do mundo, e que o scorecard interpreta mal ou obscurece os problemas, representando, portanto, deturpando o verdadeiro estado das pescarias.

Em segundo lugar, uma abordagem política potencial consiste em exigir que os retalhistas publiquem informações sobre critérios sociais como condição para aderir a um FIP. A este respeito, há uma pressão crescente para que o sector privado adopte o Pacto Global das Nações Unidas 9, com quase 10 000 empresas a nível mundial já o fizeram. Tradicionalmente, a maioria dos varejistas (geralmente localizados em mercados de alto valor) passou a responsabilidade a seus fornecedores; portanto, participar de um FIP que exige dados sociais privaria essencialmente o varejista de negação plausível. De fato, Teh et al. (2019) argumentam que isso provavelmente se tornará um meio eficaz de eliminar as violações mais importantes dos direitos humanos nas cadeias de suprimentos. Este argumento também se alinha com o reconhecimento da CEA da necessidade de auditorias sociais sobre as questões mais flagrantes. No entanto, o Pacto Global exige apenas que as empresas enfrentem “o que [elas] podem razoavelmente fazer para resolver” os abusos dos direitos humanos, limitando a responsabilização (ONU, 2014). Teh et al. (2019) sugerem que confiar em quadros de direitos humanos para proteger o bem-estar socioeconómico dos pescadores e dos pescadores pode revelar-se um instrumento bastante contundente se as leis nacionais não implementarem caminhos para garantir toda a gama de direitos sociais.

Finalmente, uma abordagem para garantir maior autonomia social seria considerar como a informação é coletada e distribuída. A recolha participativa de informações poderia apoiar a equidade social nas pescarias de pequena escala envolvidas em FIP, tanto em termos de quem está a recolher as informações como do tipo de informação que está a ser recolhida. Como Crona, Käll e Van Holt (2019) apontam, “os pescadores raramente estão envolvidos na coleta de dados... o que sugere que não estão diretamente envolvidos em conversas sobre novas regulamentações”. No entanto, no que diz respeito à promoção da sustentabilidade social nos FIP, é importante recolher informações suficientes sobre o comportamento dos pescadores (ou de outros intervenientes do mercado), o que [iria informar e apoiar] mais decisões de gestão baseadas nos ecossistemas”.

O ponto 7.1 das Orientações do FSS salienta a importância de se ter conhecimento dos desequilíbrios de energia nas cadeias de valor. Embora seja questionável se as initativas baseadas no mercado são o mecanismo mais apropriado para lidar com grandes desafios relacionados com as dimensões sociais, o envolvimento dos pescadores e dos pescadores tem a ver com equidade e, se for feito corretamente, seria um passo em frente no reforço da sustentabilidade social dentro do FIPs e desequilíbrios de energia atenuantes. De fato, envolver e identificar o papel das partes interessadas é importante para garantir que os FIPs não excluam involuntariamente as partes interessadas ou criam desequilíbrios de poder (Deighan and Jenkins, 2015).

A distribuição justa dos benefícios

Um dos obstáculos para aumentar os impactos positivos dos FIP em todo o mundo é garantir que os benefícios financeiros dos FIP sejam distribuídos de forma equitativa em toda a cadeia de valor, como se pronuncia no ponto 7.8 das Orientações do FID 10 Esta secção centra-se na distribuição equitativa dos custos e benefícios do FIP. e barreiras prevalecentes à sua realização. Até à data, há literatura limitada que examina os custos e benefícios da participação de um FIP na perspectiva de pescadores e pescadores, no entanto, o estudo de Tolentino-Zondervan et al. (2016) compara de forma abrangente os fatores que pescadores de pequena escala podem considerar em relação a um FIP de atum de cima para baixo, liderado pela indústria e um de baixo para cima, FIP de atum liderado por ONG, ambos situados nas Filipinas. Por meio de entrevistas com pescadores que trabalham em cada FIP, foram relatados benefícios, incluindo aumento da renda, mas em ambos os tipos FIP, a dependência dos pescadores em suas redes de apoio — uma empresa de pescadores ou familiares — desempenhou um papel definitivo para incentivá-los a participar do FIP.

No FIP liderado pela indústria, embora os pescadores fossem mais propensos a obter preços satisfatórios e serem pagos atempadamente, os custos da modernização do equipamento e da formação em matéria de manuseamento foram deixados aos pescadores. Este requisito justificava-se pela presença de redes familiares alargadas em que os pescadores individuais podiam confiar. Além disso, os resultados mostraram que os pescadores que participam no FIP liderado pela indústria eram a tempo parcial ou focados em outras espécies, além do atum, e a decisão de se submeter a procedimentos rigorosos e dispendiosos para o FIP liderado pela indústria foi motivada pela alta probabilidade de serem consistentemente recompensados por o curto período de tempo gasto na pesca do atum.

Em contraste com esses pescadores em tempo parcial e multi-espécies, os pescadores do FIP liderado por ONG passaram suas carreiras especializadas na pesca do atum e adquiriram suas habilidades para capturar e manusear atum ao longo do tempo. Isso permitiu que eles cumprissem mais facilmente os requisitos do produto do FIP liderado por ONG e, portanto, aumentassem suas chances de ganhar uma boa renda. Ao contrário do treinamento FIP liderado pela indústria, as sessões de treinamento realizadas pelo FIP liderado por ONG foram organizadas e financiadas completamente pela ONG e pelo governo. Além disso, os pescadores desta última categoria contavam com as associações de pescadores como sua rede de apoio, o que ajudou os pescadores a obter financiamento e subsídios do governo, melhorando assim as suas atividades de pesca. Tolentino-Zondervan et al. (2016) consideram que ambos os tipos de FIP podem e beneficiam financeiramente os pescadores participantes, mas há uma série de fatores específicos e localizados que influenciam esse resultado, muitos dos quais se baseiam em redes de apoio (empresas familiares ou associações de pescadores, e por vezes ambos). Para entender se isso é característico de todos os FIPs, estudos adicionais são necessários em outros lugares.

Os impactos do comércio internacional

Um dos principais factores que informam o ponto 7.8 é o reconhecimento e a contabilização dos impactos que o comércio internacional pode ter nas pescas e nas que delas dependem directamente. FIPs abrangentes, e sua gestão relacionada, muitas vezes presumem que a busca da certificação MSC garantirá o acesso a mercados de alto valor, mantendo a pescaria intacta. No entanto, esta rota é arriscada, especialmente para a pesca em pequena escala, uma vez que a pesca não é susceptível de obter certificação devido aos elevados custos associados ou ao elevado grau de gestão exigido. Diante desses desafios, é importante apreciar os resultados de Cannon et al. (2018), que consideram que “os FIPs mostraram uma probabilidade significativamente maior de melhorar a 'gestão' e reduzir a 'sobrepesca' do que aquelas pescarias sem FIPs”. Esse resultado nos sugere que o modelo FIP fornece uma estrutura que pode suprir a demanda internacional por frutos do mar sustentáveis, sem a necessidade de certificação para salvaguardar o recurso natural. Se as práticas implementadas durante o FIP forem mantidas, e o recurso natural não for prejudicado, é concebível que as partes interessadas envolvidas no FIP tenham a oportunidade de se beneficiar do comércio internacional.

Criando a impressão de sustentabilidade

Uma preocupação significativa em torno da gestão adequada dos FIPs são as alegações de “lavagem verde” como forma de abastecer frutos do mar o mais barato possível e ainda reivindicar sustentabilidade (Sampson et al., 2015; CEA, 2015, CEA, 2020). Os FIPs tornaram-se inadvertidamente uma forma de moeda para as empresas de frutos do mar que procuram obter frutos do mar sustentáveis, a suposição incorreta é que, enquanto a pesca fizer parte de um FIP, os frutos do mar produzidos são sustentáveis. Assim, os FIPs estão sendo usados para atender aos requisitos de sustentabilidade dos compradores de frutos do mar em determinados mercados, o que tem o potencial de minar as tentativas de melhorar a sustentabilidade e a integridade do mercado. Parece que a noção de sustentabilidade como questão pré-competitiva está a perder terreno face à necessidade de captar quota de mercado e satisfazer as exigências dos compradores. Isto prejudica toda a razão pela qual os FIPs foram concebidos em primeiro lugar: como uma abordagem gradual para melhorar a sustentabilidade dos mercados de pesca e de abastecimento com frutos do mar sustentáveis. Em vez disso, a demanda por frutos do mar certificados está, na verdade, alimentando um mercado altamente competitivo, cuja precipitação envolve minar os esforços de sustentabilidade.

A oportunidade de “lavagem verde” talvez seja perpetuada pela influência que o Progresso da Pesca exerce sobre a valorização dos FIPs. Sem um sistema de auditoria de terceiros, instituições nacionais de pesca ou agentes de pesca de pequena escala envolvidos na avaliação dos dados apresentados no local, os interesses adquiridos podem influenciar a avaliação de um FIP de forma excessivamente otimista, apresentando assim um relato irrealista do FIP e, por extensão, o pescaria. Esta deturpação corre o risco de comprometer os direitos fundamentais dos pescadores e dos pescadores, o que, por sua vez, representa um risco para as estratégias nacionais e internacionais de desenvolvimento sustentável.

Outra área opaca da cadeia de valor que corre o risco de desvalorizar os PIP é a região em que os importadores provêm tanto de FIP bem sucedidos como de pesca não-FIP e, em seguida, distribuem um produto agregado ao mercado sem distinção, mas sob o pretexto de que se trata de um produto derivado de FIP. Existem exemplos de FIPs em transição para FIPs abrangentes para evitar isso, no entanto, para repetir o ponto acima referido, as pescarias em pequena escala raramente estão em posição de considerar essa opção.

Em última análise, os FIP têm o potencial de satisfazer muitas das nuances do ponto 7.8 das Orientações relativas aos SSF. Tolentino-Zondervan et al. (2016) indica que a distribuição justa dos benefícios é possível (embora seja necessária mais pesquisas), e Cannon et al. (2018) demonstra que os FIPs são benéficos para o recurso natural. No entanto, a questão da criação de impressões falsas de sustentabilidade precisa ser abordada.

Os governos têm o potencial de influenciar a direção e os objetivos de um FIP, incentivando abordagens que complementem ou reforcem políticas e legislações nacionais e regionais (Crona, Käll e Van Holt, 2019; Foley e Havrice, 2016). Este aspecto é igualmente abordado através do ponto 7.8 das Orientações relativas aos SSF.

Os governos definem e aplicam a política nacional das pescas. Embora os governos muitas vezes não estejam envolvidos em FIPs, os FIPs operam dentro das políticas nacionais e dos quadros legais existentes. As ONG e as entidades de desenvolvimento podem ser capazes de alterar as práticas pesqueiras que beneficiam uma parte do recurso natural, bem como as comunidades locais que dele dependem, mas forças externas além da capacidade de tais regimes podem prejudicar os esforços (CEA 2015; CEA 2020). A CEA (2020) e Melnychuk et al. (2017) fornecem provas de que a capacidade de gestão das pescas de um país está intimamente correlacionada com o sucesso dos FIPs ativos em um determinado país. Os implementadores e as partes interessadas do FIP, particularmente em países menos desenvolvidos, reconhecem cada vez mais o papel crítico que o governo precisa desempenhar para alcançar as metas do FIP e a importância dos esforços de várias partes interessadas envolvendo o governo.

Um obstáculo comumente citado para os FIPs é passar do Estágio 5 — Melhorias na Água — do processo FIP (Apêndice 1), o que veria os FIPs contribuindo para uma mudança ecológica duradoura. De um modo geral, os proponentes do FIP concordam que, para melhorar significativamente a gestão das pescas e garantir mudanças na água, é necessário um diálogo político sustentado entre o governo e as partes interessadas do FIP para complementar as atividades ou reforçar uma atividade específica (Crona, Käll e Van Holt, 2019).

Atualmente, o diálogo político só prevalece nos FIP aplicados à pesca do caranguejo e da lagosta (Crona, Käll e Van Holt, 2019). Por exemplo, no contexto de muitos FIPs de caranguejo e lagosta do Sudeste Asiático, a indústria e o governo trabalham em estreita parceria para evitar a sobreexploração à medida que a demanda global aumenta. No entanto, no contexto do atum — um importante recurso económico e um importante contributo para a segurança alimentar em muitos países — o diálogo político no âmbito dos FIP é mínimo, devido ao facto de o atum ser gerido por organizações regionais de gestão das pescas (ORGP) 11 e a acessibilidade a esses organismos é mínima. relativamente exclusivo (Crona, Käll e Van Holt, 2019). Apesar disso, Travaille et al. (2019) constataram que a eficácia do FIP é, na verdade, mais elevada nas pescarias sob jurisdição de uma ORGP em comparação com as regidas exclusivamente a nível estadual ou local. Isso se deve aos quadros estabelecidos a nível regional que apoiam as atividades de gestão e melhorias, incluindo sistemas de comunicação de dados, avaliações regulares de estoque e programas de vigilância.

A CEA (2020) informou que, se os FIPs vão contribuir seriamente para a gestão das pescarias comercialmente exploradas, o modelo terá de ser adotado para atender aos esforços nacionais. Na verdade, o próximo desafio para os proponentes do FIP é entender como o modelo FIP pode ser usado como uma ferramenta de gestão das pescas nos países em desenvolvimento. É preciso reconhecer que, embora se busque muitos frutos do mar internacionais nas pescas nos países em desenvolvimento, a capacidade para uma gestão eficaz é muitas vezes insuficiente. A Iniciativa Global Marine Commodities liderada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) representa um exemplo de como poderia ser a coordenação a nível nacional para os FIPs. Em parceria com a SFP, um projeto financiado pelo Global Environment Facility (GEF) foi lançado na Costa Rica, Equador, Indonésia e Filipinas com o objetivo de estabelecer plataformas multi-stakeholders a nível nacional para impulsionar a melhoria das pescas.

Um obstáculo potencial para facilitar uma coordenação mais estreita entre os PIP e os planos de gestão das pescas a nível do sistema podem ser os longos prazos associados aos PIP, estimados em até uma década para produzir níveis mínimos de sustentabilidade, e os prazos frequentemente curtos associados aos ciclos eleitorais, em geral entre 2 e 4 anos. Se os FIPs não forem promovidos ou vistos como valiosos pela alternância de administrações políticas, então qualquer investimento monetário ou de tempo feito em um FIP poderia perder valor (Travaille et al., 2019; Cannon et al., 2018). Este desafio é particularmente agudo quando se considera a longevidade de um FIP; os participantes da Comunidade de Prática do FIP na Indonésia estavam preocupados com a forma como a gestão de uma pescaria deve continuar após o FIP relevante ter terminado, uma vez que muitos FIPs perdem o seu impulso na ausência de qualquer coordenação ou esforço perpétuo para continuar práticas sustentáveis. Este fenómeno poderia potencialmente ser invertido se os FIP fossem mais comumente vistos como um instrumento para implementar planos nacionais de gestão das pescas.

Os FIPs podem ajudar os governos nacionais a garantir que os pescadores e os pescadores cumprem a legislação e a apoiá-los nos casos em que, de outra forma, não haja capacidade. Por um lado, poderiam apoiar a legislação fazendo do cumprimento um pré-requisito para a entrada. Por outro lado, como foi aprendido no workshop da Comunidade de Prática do FIP na Indonésia, muitas comunidades pesqueiras de pequena escala não têm acesso a informações sobre requisitos legislativos ou mudanças e, como resultado, são penalizadas ou excluídas em determinadas circunstâncias. As ONG que operam em um FIP podem prestar assistência a este respeito, uma vez que muitas vezes têm os recursos e a capacidade de canalizar essas informações para as comunidades piscatórias, ajudando a coordenar os procedimentos administrativos entre as autoridades locais e as comunidades para garantir o cumprimento legislativo.

Os participantes da Comunidade de Prática do FIP na Indonésia postularam que o elemento colaborativo dos FIPs poderia apoiar a cooperação e o diálogo entre as agências governamentais. A falta de uma comunicação eficaz entre as agências pode resultar num atraso na consecução dos objectivos nacionais ou responder às necessidades dos mais desfavorecidos. Do mesmo modo, os FIPs permitem às agências governamentais — e às partes interessadas em geral — a oportunidade de conhecer e construir confiança com as comunidades piscatórias. A Agência de Desenvolvimento dos Mariscos da Irlanda afirma este último ponto, observando que o seu envolvimento num FIP de Caranguejo Marrom Irlandês permitiu às partes interessadas que tradicionalmente não se envolvem em diálogo trocar ideias, informações e planeamento (comunicação pessoal com BIM, 24/04/19). Grande parte do plano de trabalho deste FIP está orientado para aprofundar a relação de trabalho entre ciência e indústria para melhorar a gestão da pesca. Por um lado, espera-se que os pescadores forneçam dados sobre as capturas (quantidades desembarcadas, zonas pescadas, artes utilizadas, compradores de produtos) para ajudar a melhorar o conhecimento científico do estado das unidades populacionais ou para verificar os progressos no sentido do rendimento máximo sustentável (MSY). Do mesmo modo, os transformadores que são membros do Irish Brown Crab FIP concordaram em fornecer dados sobre produtos FIP, incluindo dados relativos aos navios, quantidades desembarcadas, quantidades transformadas e onde o produto foi vendido. Simultaneamente, o FIP visa melhorar a estrutura de gestão da pesca, aumentando a contribuição dos pescadores, transformadores e outros intervenientes da indústria no processo de tomada de decisão.

Os FIPs baseiam-se numa abordagem multissetorial para melhorar a gestão sustentável das pescas, com os produtos derivados dos FIPs a serem utilizados para satisfazer a procura sustentável de frutos do mar em mercados de alto valor. Os FIP estão a ser aplicados às pescarias de pequena escala. Este estudo de caso considerou os pontos fortes e fracos dos FIPs como um mecanismo de operacionalização dos parágrafos 7.1 e 7.8 do Capítulo 7 das Orientações do SSF. Os FIPs demonstram um certo alinhamento com as recomendações constantes das Orientações do FSS, mas ainda há progressos a fazer em determinadas áreas.

No contexto do ponto 7.1, os FIP facilitam uma certa coordenação entre os operadores relevantes da cadeia de valor, promovendo um sistema multissetorial. No entanto, como citado em Crona, Käll e Van Holt (2019), em apenas 7% dos FIPs estudados pescadores e pescadores desempenham um papel central na gestão do FIP.

Em termos de promoção do comércio internacional equitativo que beneficie todas as partes interessadas, conforme estipulado no parágrafo 7.8, Tolentino-Zondervan et al. (2016) constatou que os pescadores beneficiam de fazer parte dos FIP, embora seja de notar que este estudo reflete resultados de apenas dois FIP nas Filipinas. Em termos de preservação do recurso natural, Cannon et al. (2018), constataram que a “gestão” e a “sobrepesca” são abordadas de forma mais adequada nas pescarias que participam dos FIP. A maior questão com que se defronta os FIP, no contexto do parágrafo 7.8, parece ser a “lavagem verde”, que ameaça minar o incentivo a mudanças positivas e impulsionar melhorias, levando, em vez disso, a uma potencial sobreexploração dos recursos naturais e a uma subvalorização do mercado sustentável dos frutos do mar.

O ponto 7.8 refere-se também aos sistemas de gestão das pescas e verificou-se que os FIP podem contribuir para melhores sistemas de gestão das pescas. Travaille et al. (2019) constataram que os FIPs tiveram melhor desempenho quando a pescaria está sob jurisdição de uma ORGP, sugerindo que os quadros colaborativos para a gestão de um recurso podem ser fundamentais para garantir a sustentabilidade. O uso do modelo FIP para promover uma coordenação mais estreita entre governos, comunidades pesqueiras e partes interessadas do FIP tem o potencial de aprimorar a gestão em todo o sistema. Os FIP existentes e as partes interessadas associadas podem incentivar o aumento da participação do governo, concordando em reforçar ou complementar as estratégias nacionais de gestão das pescas.

Finalmente, um desafio não discutido aqui, mas altamente relevante para o progresso dos FIPs é o alto custo da execução de um FIP. Embora haja uma crescente demanda em mercados de alto valor por frutos do mar sustentáveis, a maioria dos FIPs é atualmente sustentada por ajuda filantrópica e apoio em espécie da indústria e ONGs (CEA, 2015). Esta não é uma estratégia sustentável, e geralmente é acordado pelos defensores dos FIPs que, para escalar os FIPs e garantir seu valor econômico para todos, os mercados (consumidores) precisam pagar pela sustentabilidade melhorada. Uma tal dinâmica de apoio poderia também significar que os pescadores e os pescadores dependem de um sistema precário que poderá desaparecer se as actuais fontes de financiamento forem interrompidas. Em última análise, quando o financiamento dos FIPs passa de filantropos e ONGs para entidades privadas na cadeia de valor do marisco, isso sinalizará que os custos da sustentabilidade foram internalizados.

Uma proposta dos entrevistados que poderia ajudar a reduzir os custos dos FIPs de pequena escala seria ampliar sua escala e escopo. O poder de alavancagem econômico de uma pequena pesca individual é mínimo (comunicação pessoal com SFP e Scaling Blue, 08/04/19 e 09/04/19, respectivamente), mas se vários FIPs fossem agrupados ou agregados, poderiam alcançar maior eficiência econômica. Além disso, o âmbito das suas actividades pode ser harmonizado e mais facilmente monitorizado. A agregação de FIPs também pode ajudar a melhorar a coleta de dados e a geração de conhecimento. Todos os operadores da cadeia de valor precisam de dados para avaliar a eficácia de suas decisões e investimentos; além disso, os processos de coleta de dados oferecem aos pescadores e pescadores a oportunidade de assumir um papel mais engajado na gestão do FIP (Crona, Käll e Van Holt, 2019). No entanto, a literatura sobre este tema ainda é mínima, pelo que mais trabalhos são incentivados a compreender as implicações mais finas do agrupamento de FIPs.

Em conclusão, os FIPs têm potencial para impulsionar a gestão colaborativa em pescarias de pequena escala. Para que os FIP promovam uma gestão sustentável das pescas e um comércio equitativo na pesca em pequena escala, é necessária uma reconsideração do modelo atual, começando com uma maior inclusão das comunidades piscatórias e das autoridades governamentais.

Departamento AG, FAO**. 2015. MP108. Roma.

Acott, T. & Urquhart, J. 2019. Sentido de lugar e valores socioculturais nas comunidades piscatórias ao longo do Canal da Mancha. Em J. Urquhart, T. Acott, D. Symes & M. Zhao, eds. *Questões Sociais na Gestão Sustentável das Pescas, 1ª edição, pp. 257—278. Londres, Springer.

Barr, R., Bruner, A. & Edwards, S. 2019. Projectos de melhoria das pescas e pesca em pequena escala: necessidade de uma abordagem modificada. Política Marítica, 105:109—115.

Borland, M. & Bailey, M. 2019. Dados de benchmarking do Fair Trade USA Capture Fisheries Standard e do Marine Stewardship Council Fisheries Standard em relação às Diretrizes Voluntárias da Organização Alimentar e Agrícola para Garantir uma Pesca Sustentável em Pequena *Dados em resumo *, 24:103850.

Bresnihan, P. 2016. Os mordomos do mar: o neoliberalismo e a construção do empreendedor ambiental. Em P. Bresnihan, ed. Transformando as Pescas: Neoliberalismo, Natureza e Commons [online], pp. 57—90. Lincoln, EUA, Universidade de Nebraska Press. [Citado 25 agosto 2018]. (disponível em https://www.jstor.org/stable/j.ctt1d4v0w4.6).

Canhão, J., Sousa, P., Katara, I., Veiga, P., Lança, B., Beveridge, D. & Van Holt, T. 2018. Projetos de Melhoria da Pesca: desempenho na última década. Política Marítica, 97:179—187.

CASS (Conservation Alliance for Seafood Solutions) . 2012. Orientações para apoiar projetos de melhoria da pesca [em linha], p. 6. [Citado 6 Setembro 2019]. http://solutionsforseafood. ORG/wp-content/uploads/2015/03/aliança-FIP-diretrizes 3.7.15.pdf

CEA (California Environmental Associates) . 2015. *Resultados resumidos da Revisão Global da Paisagem dos Projetos de Melhoria da Pesca (FIPs) *. São Francisco, EUA.

CEA. 2017. Progresso em direção a frutos do mar sustentáveis — pelos números. Relatório de Métricas do Mar. São Francisco, EUA, Fundação Packard.

CEA. 2020. Revisão Global da Paisagem de Projetos de Melhoria da Pesca. São Francisco, EUA.

Coulthard, S., Johnson, D. & McGregor, J. 2011. Pobreza, sustentabilidade e bem-estar humano: uma abordagem de bem-estar social para a crise mundial das pescas. Ambiente global *Mudança *, 21 (2): 453—463.

Crona, B., Käll, S. & Van Holt, T. 2019. Projetos de Melhoria da Pesca como ferramenta de governança para a sustentabilidade da pesca: uma análise comparativa global. PLOS ONE, 14 (10): e0223054.

FAO. 2015. *Diretrizes voluntárias para garantir uma pesca sustentável em pequena escala no contexto da segurança alimentar e da erradicação da pobreza Roma.

Progresso da Pesca. 2019. Progresso da Pesca [online]. [Citado 6 Setembro 2019]. https:// PescaryProgress/

GEF (Global Environment Facility) . 2019. Cadeias de Suprimento Sustentáveis Globais para Produtos Maríticos [online]. [Citado 4 dezembro 2019]. (disponível em https://www.thegef.org/ [projeto/cadeias de aprovisionamento global-sustentável-commodities marítimos].] (https://www.thegef.org/project/global-sustainable-supply-chains-marine-commodities)

Guyader, O., Berthou, P., Koutsikopoulos, C., Alban, F., Demanèche, S., Gaspar, M., Eschbaum, R. et al. 2013. Pesca de pequena escala na Europa: uma análise comparativa baseada numa selecção de estudos de caso. Pesquisa Pesca, 140:1—13.

Irish Brown Crab FIP. 2019. Irish Brown Crab FIP [online]. [Citado 6 Setembro 2019]. < http://irishbrowncrabfip.ie/ >

** Kittinger, J., Teh, L., Allison, E., Bennett, N., Crowder, L., Finkbeiner, E., Hicks, C. . **

2017. Comprometendo-se com frutos do mar socialmente responsáveis. Ciência, 356 (6341): 912—913.

Melnychuk, M., Peterson, E., Elliott, M., Hilborn, R. 2016. *Impactos na gestão das pescas no estatuto das espécies-alvo. PNAS. 114 (1) 178-183.

MSC (Marine Stewardship Council) . 2019. O Padrão de Pesca MSC. Em: Marine Stewardship Council [online]. [Citado 4 dezembro 2019]. (disponível em https://www.msc. org/standards-and-certification/fisheries-standard).

Opal, C. 2017. Enquadramento de Responsabilidade Social no Setor do Marisco. https:// CertificationAndratings.org/wp-content/uploads/2018/03/framework-final-print.pdf

Ponte, S. 2012. O Marine Stewardship Council (MSC) e a criação de um mercado para o “peixe sustentável”. Diário de Mudança Agrária, 12 (2-3): 300—315.

Roheim, C. & Zhang, D. 2018. Certificação de sustentabilidade e substituibilidade de produtos: evidências do mercado de frutos do mar. Food Policy, 79:92—100.

Sampson, G., Sanchirico, J., Roheim, C., Bush, S., Taylor, J., Allison, E., Anderson, J. et al. 2015. Proteja frutos do mar sustentáveis dos países em desenvolvimento * Ciência*, 348 (6234): 504—506.

SFP (Parceria de Pesca Sustentável) . 2019. Parceria de Pesca Sustentável [online]. [Citado 6 Setembro 2019]. (disponível em https://www.sustainablefish.org/).

Smart Fish AC. 2019. *Relatório Quinquenal. La Paz.

** Stratoudakis, Y., McConney, P., Duncan, J., Ghofar, A., Gitonga, N., Mohamed, K., Samoilys, M., Symington, K. & Bourillon, L.** 2016. Certificação de pescas no mundo em desenvolvimento: fechaduras e chaves ou estacas quadradas em buracos redondos? Pesquisa Pesca, 182:39—49.

Pesca Sustentável UW. 2019. Banco de dados de projetos de melhoria da pesca. In: Pesca Sustentável UW [online]. [Citado 6 Setembro 2019]. < http://sustainablefisheries-uw.org/databases/fishery-improvement-projects-database/ >

Teh, L., Caddell, R., Allison, E., Finkbeiner, E., Kittinger, J., Nakamura, K. & Ota, Y. 2019. O papel dos direitos humanos na implementação de frutos do mar socialmente responsáveis. PLOS ONE, 14 (1): e0210241.

Thomas Travaille, K., Crowder, L., Kendrick, G. & Clifton, J. 2019. Atributos fundamentais relacionados com a eficácia do Projeto de Melhoria da Pesca (FIP) na promoção de melhorias para a sustentabilidade. Peixe e Pesca, 20 (3): 452—465.

Tolentino-Zondervan, F., Berentsen, P., Bush, S., Digal, L. & Oude Lansink, A. 2016. Tomada de decisão a nível das pescas para participar em projetos de melhoria das pescas (FIP) para o atum albacora nas Filipinas. PLOS ONE, 11 (10): e0163537.

ONU (Nações Unidas) . 2014. Perguntas Frequentes sobre os Princípios Orientadores sobre Negócios e Direitos Humanos. Nova Iorque, EUA, p. 29.

PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) . 2018. Indicadores e Índices de Desenvolvimento Humano: Equipa de Atualização Estatística 2018. Washington, DC.

** Van Holt, T., Weisman, W., Johnson, J., Käll, S., Whalen, J., Lança, B. & Sousa, P.** 2016. Uma ferramenta de bem-estar social nas pescas (SWIFT) para ajudar a melhorar o desempenho das pescas. Sustentabilidade, 8 (8): 667.

Banco Mundial, FAO, ARD (Agricultura e Desenvolvimento Rural) & WorldFish. 2012. *Colheita Oculta: A Contribuição Global da Capturação de Pescas Washington, DC, Banco Mundial.

Processo para FIPS

AtividadedeEstágio0 — Identificação FIP Identificaçãode uma pescaria que pode se beneficiar de um Projeto de Melhoria da PescaAnálise da cadeia de suprimentos realizada para entender quem mais está envolvido na pescaria e qual alavancagem de mercado existe1 — Avaliação do desenvolvimento do FIPdo documento de desempenho ambiental da pescaria, completado por umprocesso de mapeamento e engajamento das partes interessadasconsultor 2 — FIP LançamentoConfirmação dos participantes do projetoReunião participanteDesenvolvimento do plano de trabalho- Objetivos- Lista de atividades- Delegação de responsabilidades- Cronograma e marcos comprometidos- Métricas e indicadores-chave de desempenho- Orçamento associadoPlano de trabalho tornado público3 — Implementação do FIP Atividades de implementaçãono plano de trabalhoRastreamento e relatórios sobre o andamentoCorreção do curso, se necessário 4 — Melhoria das práticas ougestão da pesca Melhoria da política ou da gestão ou modificações das práticas de pesca Aumentos daspontuações dos indicadores de desempenho do MSC centrados na gestão ou na informação 5 — Melhorias nos aumentos da águanas pontuações para indicadores de desempenho MSC focados em resultadosAlteração verificável na água6—CertificaçãoMSC ( apenas para FIPs abrangentes)Validação das melhorias na pesca através de todo o processo de avaliação do MSC; deve ser realizada por um organismo de certificação acreditado

*Fonte: * Site do CASS; para uma versão mais detalhada, http://solutionsforseafood.org/wp-content/uploads/2015/03/ Alliance-FIP-guidelines-3.7.15.pdf.

Guia de entrevista para entrevistas FIP Qual é a sua experiência com o FIP e/ou outros sistemas de gestão de pescas multissetorial?

Quais aspectos da abordagem FIP você acha que a diferenciam de outras abordagens de gestão?

Você concorda que a abordagem FIP é inclusiva de todas as partes interessadas pós-colheita? Por quê?

A abordagem FIP está ajudando pescadores de pequena escala e pescadores a melhorar a sua posição/posição nas cadeias de valor das pescas?

Você acha que vai continuar a crescer em popularidade? Por quê?

Quais são os principais desafios para a abordagem FIP? A abordagem FIP ajudou a criar uma organização social forte? Por quê?

Que recomendações você faria aos decisores políticos para aumentar os benefícios prometidos pela abordagem FIP?

*Fonte: Zelasney, J., Ford, A., Westlund, L., Ward, A. e Riego Peñarubia, O. eds 2020. Garantir uma pesca sustentável em pequena escala: Exposição de práticas aplicadas em cadeias de valor, operações pós-colheita e comércio. Documento Técnico de Pesca e Aquicultura da FAO Nº 652. Roma, FAO. https://doi.org/10.4060/ca8402en *


  1. A Conservation Alliance for Seafood Solutions (CASS) conecta os principais grupos de conservação da América do Norte, América do Sul, Europa e Japão que trabalham com empresas em toda a cadeia de suprimentos, de pescadores e piscicicultores a varejistas e restaurantes. A definição de FIPs foi acordada pelos membros e colaboradores da CASS, que incluem: Conservation International, a Fundação David Suzuki, Ecology Action Centre, EDF, FishChoice, Fish Wise, Gulf of Maine Research Institute, Living Oceans, Monterey Bay Aquarium, New England Aquarium, Ocean Outcomes, Sea Web, Shedd Aquarium, Smart Fish AC, Parceria de Pesca Sustentável (SFP), Ocean Wise, World Wildlife Fund (WWF), Aquaculture Stewardship Council (ASC), Canadian Parks and Wilderness Society (CPAWS), CEDEPesca, Client Earth, Comunidad y Biodiversidad y A. C. (COBI), Ecotrust, Environmental Justice Foundation (EJF), Comércio Justo dos EUA, Futuro dos Peixes, Global Aquaculture Alliance, Global GAP, Good Foundation, World Benchmarking Alliance, International Pole and Line Foundation (IPNLF), Marine Conservation Society Reino Unido (MCS UK), Marine Stewardship Council (MSC), National Aquarium, Natural Resources Defense Conselho (NRDC), Ocean Conservancy, Sea Delight Ocean Fund, Sea Pact, Sea Legacy, frutos do mar, o Nature Conservancy e Virginia Aquarium. 

  2. < https://docs.google.com/drawings/d/192tPood_Gv8bAv1s2YYgQmAsQhyD3Zcjhqq7lsIBfuM/edit > para uma definição de “pequena escala”. 

  3. A prática de exagerar os atributos ambientalmente ou socialmente conscientes da oferta de uma empresa, subestimando os atributos negativos, em benefício da empresa. Greenwashing pode ser explícita ou implícita e pode ser expressa de várias formas, incluindo imagens, reivindicações diretas em texto, símbolos, rótulos ou até mesmo parcerias ou relacionamentos. Estas alegações podem ser feitas em comunicados de imprensa, anúncios, sites e até mesmo nos próprios produtos. 

  4. Se uma pescaria receber uma pontuação entre 80 e 100, é-lhe atribuído um passe incondicional, o que significa que não tem qualquer obrigação de melhorar os aspectos do seu funcionamento para manter o seu certificado. 

  5. A CEA é uma empresa de consultoria privada com sede em São Francisco, Estados Unidos da América. A organização apoia o trabalho de fundações ambientais e organizações sem fins lucrativos, bem como empresas orientadas para a sustentabilidade, com pesquisa e análise aprofundadas, design e avaliação de programas e planejamento estratégico. 

  6. Outra entidade, a FishSource (gerida pela SFP), possui uma base de dados semelhante, mas as informações e os dados são recolhidos e geridos pelo mesmo grupo de intervenientes que fornecem as classificações para o Progresso da Pesca. 

  7. O sítio Web do Progresso da Pesca é utilizado para apresentar todos os FIPs que estejam em conformidade com os critérios estabelecidos pelos membros da CASS. Os FIPs são classificados por um comitê consultivo (composto por FishChoice, WWF, MSC, New England Seafood, CEA, Fish Wise, SFP, Netuna USA, Seafood Ninja e Anova Seafood) e um comitê técnico (composto por MSC, ASC, MRAG Asia Pacific, Scaling Blue e MRAG Americas). 

  8. Parágrafo 7.1 Todas as partes devem reconhecer o papel central que o subsector da pequena pesca pós-colheita e os seus intervenientes desempenham na cadeia de valor. Todas as partes devem assegurar que os intervenientes pós-colheita façam parte dos processos de tomada de decisão relevantes, reconhecendo que existem, por vezes, relações desiguais de poder entre os intervenientes da cadeia de valor e que grupos vulneráveis e marginalizados podem exigir apoio especial. 

  9. O Pacto Global das Nações Unidas é um pacto não vinculativo que incentiva as empresas em todo o mundo a adoptarem políticas socialmente responsáveis e a apresentarem relatórios sobre a sua implementação. O Pacto Global apresenta uma estrutura baseada em princípios para as empresas, baseada em dez princípios relativos aos direitos humanos, ao trabalho, ao meio ambiente e à luta contra a corrupção. 

  10. Ponto 7.8 Os Estados, os pequenos actores das pescas e outros actores da cadeia de valor devem reconhecer que os benefícios do comércio internacional devem ser distribuídos de forma equitativa. Os Estados devem assegurar a existência de sistemas eficazes de gestão das pescas para evitar a sobreexploração impulsionada pela procura do mercado que possa ameaçar a sustentabilidade dos recursos haliêuticos, a segurança alimentar e a nutrição. Esses sistemas de gestão das pescas devem incluir práticas, políticas e ações responsáveis pós-colheita, a fim de permitir que as receitas das exportações beneficiem os pequenos pescadores e outros de forma equitativa em toda a cadeia de valor. 

  11. As ORGP são organismos intergovernamentais que facilitam a gestão das unidades populacionais de peixes numa determinada região e, em geral, actuam como autoridade de gestão das espécies partilhadas e migratórias (como o atum altamente migratório e o billfish) e das unidades populacionais que ultrapassam uma única jurisdição nacional. 


Food and Agriculture Organization of the United Nations

http://www.fao.org/
Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.