O Aquaponics System Designer acaba de ser lançado! Comece a projetar agora.
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Zbigniew Kasprzyk Consultor independente de pescas Antananarivo, Madagáscar

Adrian Levrel Blue Ventures Londres, Reino Unido*

Madagáscar, um dos países mais pobres do mundo, tem grandes comunidades costeiras que dependem fortemente de várias pescarias em pequena escala, como o caranguejo de lama de manguezal (Scylla serrata), para obter renda. Houve um aumento acentuado na pesca de caranguejos de mangue devido à alta demanda internacional, e hoje é a terceira exportação de frutos do mar mais valiosa do país. Isto conduziu à sobrepesca, com reduções documentadas da quantidade e do tamanho médio das capturas. Além disso, as perdas pós-colheita ao longo da cadeia de valor levam à perda de valor, devido ao mau manuseio, transporte e armazenamento. Este valor perdido reduz ainda mais os rendimentos e a segurança alimentar das comunidades costeiras que dependem desta pesca. O Programa Smartfish, implementado conjuntamente pela Comissão do Oceano Índico e pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura e financiado pela União Europeia, trabalhou com o ministério do Governo de Madagáscar responsável pelos recursos haliêuticos e ONGs locais, incluindo Blue Ventures e WWF, para avaliar métodos de redução da exploração da pesca e aumentar os benefícios para os pescadores e para a cadeia de abastecimento mais ampla. Este estudo de caso analisa abordagens práticas para recuperar o valor perdido na pesca do caranguejo da lama de mangue, destacando intervenções de baixo custo que podem aumentar o rendimento mesmo diante da queda das capturas. O valor das capturas foi aumentado através da obtenção de preços mais elevados para os caranguejos de exportação (cerca de metade da colheita anual) e da redução das perdas pós-colheita, proporcionando um exemplo prático de como as mudanças de baixo custo no comportamento, na logística e na técnica podem reduzir as perdas pós-colheita, ajudando os pescadores a ganhar mais enquanto pegando menos.

*Palavras-chave: * Caranguejo de lama, Scylla serrata, Madagáscar, manguezais, pesca de mangue, melhoria da cadeia de valor, perdas pós-captura, pesca em pequena escala, pesca tradicional.

Aproximadamente 30 000 pescadores tradicionais trabalham na pesca de caranguejo de manguezal de Madagáscar, principalmente em áreas da costa oeste que exibem florestas de mangue nas proximidades dos compradores de frutos do mar. Os pescadores pescam a pé ou a partir de pirogues de madeira não motorizados (canoas estabilizadoras à vela ou remar) utilizando equipamento simples. A procura do mercado aumentou significativamente desde o final da década de 2000, especialmente para caranguejos vivos, levando a uma sobreexploração em todas as regiões menos remotas, com uma tendência acentuada de reduções dos rendimentos da pesca e da dimensão média dos caranguejos colhidos. Ao mesmo tempo, o crescimento populacional e a migração económica para a costa levaram a que mais pessoas explorassem manguezais, em especial para a produção de carvão vegetal e madeira para construção, bem como a colheita de peixes e crustáceos para mercados locais e estrangeiros. Pescadores de pequena escala que vivem nos manguezais normalmente não têm terras agrícolas e dependem fortemente da pesca de caranguejos de lama para seus meios de subsistência.

No início dos anos 2000, ficou claro que as florestas de manguezais e os estoques de caranguejo estavam sendo superexplorados. Posteriormente, o Ministério do Governo de Madagáscar responsável pelos recursos haliêuticos (Ministère des Ressources Halieutiques et de la Pêche - MRHP, fundiu-se no Ministère de l'Agriculture de l'Elevage et de la Pêche em 2019) decidiu desenvolver uma nova política para o setor. O Programa SmartFish 1, implementado conjuntamente pela FAO e pela Comissão do Oceano Índico, começou a trabalhar com a MRHP em 2011 com o objetivo de tornar a pesca do caranguejo da lama mais sustentável através de:

  • Reforçar o valor do sector do caranguejo através da reorientação das exportações para caranguejos vivos, mais rentáveis do que os caranguejos congelados e que podem ser vendidos pelo dobro do preço;
  • Reduzir a mortalidade pós-colheita para menos de 20% até o final de 2015, em comparação com 32% em 2013 (com perdas máximas de 50% na estação chuvosa).

O desafio para os pescadores pode ser resumido como: “Você pode ganhar mais enquanto captura menos?” Foram desenvolvidas dez melhores práticas de captura e manuseamento de caranguejos com o objetivo de melhorar a qualidade dos caranguejos vivos manipulados em todos os elos da cadeia de valor. Estas boas práticas foram testadas e divulgadas diretamente aos pescadores, grossistas e coletores. O resultado foi que os caranguejos são agora mais saudáveis e mais robustos, com um melhor rendimento de carne, e são mais capazes de sobreviver tanto ao transporte doméstico como à exportação.

Essas boas práticas estão alinhadas com as Diretrizes Voluntárias para Garantir uma Pesca Sustentável de Pequena Escala no Contexto da Segurança Alimentar e Erradicação da Pobreza (Diretrizes do SSF; FAO, 2015), em particular: redução das perdas pós-colheita em todo o setor (parágrafo 7.5), facilitando o acesso ao mercado através da exportação de caranguejos vivos (ponto 7.6), aumentando a quantidade de caranguejos vendidos no mercado local e contribuindo assim para a segurança alimentar (ponto 7.7). A identificação de inovações simples, juntamente com os pescadores e os colectores, e a sua participação no desenvolvimento, testes e transferência de competências para difundir as boas práticas, esteve no cerne da estratégia de intervenção (ponto 12.3).

O MRHP alcançou a adoção generalizada de práticas de manuseio pós-colheita usando um processo participativo que liga departamentos descentralizados, atores do setor e especialistas em pescas. Este estudo de caso detalha o processo seguido pelo Programa SmartFish para identificar, testar e divulgar boas práticas no terreno em todas as cinco regiões costeiras do oeste de Madagáscar que contêm manguezais. Ele também fornece recomendações sobre como replicar essa experiência positiva em outras áreas de manguezais de Madagáscar, bem como outros países africanos com manguezais e caranguejo de mangue.

O caranguejo de mangue, Scylla serrata (Forskal, 1755), também conhecido como caranguejo de lama, é uma das maiores e mais procuradas espécies de caranguejo da família Portunidae. Pode ser encontrada nas zonas intermarés de estuários e manguezais nos oceanos Índico e Pacífico. Ele é adaptado a zonas submarinas (constantemente submersas) e pode tolerar variações significativas na salinidade — de 1 a 30% (Ali *et al., 2004).

De acordo com o telesensoriamento realizado em 2010, Madagáscar tem cerca de 2 000 km² de manguezais (Jones et al., 2016). Em 1997, isso representou 20% e 2% do total na África e no mundo, respectivamente (ONE e ANGAP, 1997). A grande maioria dos manguezais de Madagáscar está localizada na costa oeste do país (Figura 7.1).

! image-20210521192811463

! image-20210521192823076

Os dados oficiais da MRHP indicam que o rendimento máximo sustentável nacional (MSY) para o caranguejo de manguezal é de 7 500 toneladas por ano (Ralison, 1987). Esta estimativa baseia-se num nível de produção hipotético de 2,5 toneladas/km² para 3 000 km² de manguezais.

A exploração sustentável tanto da pesca de manguezais como das florestas tornou-se crítica, e não apenas por causa da pesca do caranguejo. As florestas de mangue fornecem um habitat para muitos outros crustáceos e peixes, bem como uma série de outros benefícios valiosos do ecossistema, como proteção contra surtos de tempestades e sequestro de dióxido de carbono.

! image-20210521192840077

A pesca do caranguejo de mangue em Madagáscar é exclusivamente tradicional: é realizada em áreas de manguezais inacessíveis a pé ou em pequenos pirogues não motorizados, utilizando técnicas de pesca muito simples e baratas (por exemplo, anzóis, redes de caranguejo, mantas e linhas). Uma pesquisa nacional realizada em 2013 mostrou que existem cerca de 30 000 pescadores de caranguejo de manguezal em Madagascar, dos quais 21 por cento são mulheres (MRHP e PASP, 2014). As mulheres processadores geralmente lidam com armazenamento e venda, muitas vezes assistidas por seus filhos.

Os caranguejos são geralmente manipulados ao vivo, cobertos de lama. Colecionadores, atacadistas e vendedores do mercado local têm licenças de coleta e cartões grossistas ou vendedores. A proporção de intervenientes informais no sector está a diminuir e tanto os operadores formais como os informais utilizam poucos trabalhadores e pouco capital. Com quase nenhum acesso ao crédito, eles têm poucos fundos próprios para investir em recursos de cobrança. Em contraste claro, as empresas de exportação têm fábricas de processamento que normalmente atendem aos padrões internacionais (Kasprzyk, 2014).

Anteriormente, a pesca do caranguejo era considerada pelos pescadores, colecionadores e autoridades pesqueiras como de menor importância do que a pesca do camarão e do peixe. Com efeito, as capturas de 1985 a 2008 situaram-se muito abaixo das hipóteses do RMHP de 7 500 toneladas. No entanto, em 2009, a pesca do caranguejo aumentou significativamente quando as empresas de camarão adaptaram algumas das suas infra-estruturas de transformação ao caranguejo para compensar a queda da produção de camarão. A produção tradicional de pescadores aumentou de 4 052 toneladas em 2012 para 6 018 toneladas em 2017 (Figura 7.2), com o seu valor a aumentar paralelamente.

! image-20210521192909868

Esta parte do estudo está diretamente ligada ao ponto 7.5 das Orientações do SSF.

O Programa SmartFish implementou o “projeto de caranguejo”, que envolveu ativamente os atores de cada etapa da cadeia de suprimentos com o objetivo de abordar a mortalidade pós-colheita e identificar boas práticas para reduzir as perdas pós-colheita (Quadro 7.1). O projeto começou com a mobilização de atores locais dinâmicos e inovadores da cadeia de suprimentos e a identificação de uma gama de soluções técnicas com eles. Estes foram então testados, otimizados e apresentados aos atores e parceiros para sua aprovação. Estes mesmos intervenientes e parceiros estiveram igualmente envolvidos nas fases de sensibilização e divulgação.

QUADRO 7.1

Processo de identificação de boas práticas pós-colheita

Fasedemobilização de atores e recursosSaídas1. Introdução no terreno, avaliação de base e análise preliminarEstudo aprofundado e análise da situação no terreno Envolvimento e sensibilização dos serviços técnicos e das autoridades locaisRecrutamento de agentes locais que conheçam bem o terreno para actuarem como facilitadores Identificar o indivíduo dinâmico atoresEstimativa de perdas e causas pós-colheita em cada elo na cadeia Identificação de práticas locais inovadoras que poderiam ser otimizadas ou melhoradasUma gama de soluções técnicas propostas para cada elo na cadeia setorial2. Ensaio de uma gama de soluções técnicasCriação de um mecanismo de ensaio para soluções técnicas com os intervenientes identificouFormação dos operadores com acompanhamento por facilitadoresCobertura geográfica ampla e duração suficiente para observar resultados clarosAvaliação das soluções técnicas utilizando dados da pesquisa e opiniões reunidas em WorkshopsLista de boas práticas para aprovação3. Aprovação de boas práticasTodos os intervenientes do sector identificados empenhados em aprovar as boas práticas seleccionadasLista de boas práticas aprovadas à disseminaçãoLista de actores e facilitadores para mobilizar para demonstração e formação no terreno4. Divulgação de boas práticasProduzir um conjunto de ferramentas pedagógicas para a formação e a comunicaçãoOrganizar campanhas de sensibilização e divulgaçãoAvaliação do acompanhamento da adopção de boas práticas e do impacto nas perdas pós-colheita

Para reduzir os investimentos em cadeia fria, os caranguejos de mangue são manipulados ao vivo em cada elo da cadeia de suprimentos. As taxas de mortalidade são significativas entre o momento da captura e a chegada ao destino final (ou seja, fábrica/mercado).

O projeto de caranguejo SmartFish realizou vários inquéritos de campo em 2012 e 2013, avaliando a mortalidade em cada elo da cadeia de abastecimento (Quadro 7.2).

QUADRO 7.2

Mortalidade pós-colheita no setor do caranguejo em Madagascar

Taxa de mortalidade deligação*Pesca e armazenamento em aldeias (com pescadores)7%Armazenamento em aldeias e transporte para coletores (com grossistas)7%Armazenamento em pontos de coleta, incluindo transporte e entrega para a fábrica/mercado localizado na costa (com coletores)16%Transporte entre aldeias costeiras e Antananarivo para caranguejos exportados ao vivo por via aérea ou vendidos na capital (com colecionadores)5%Venda no mercado local/bazar (com vendedores) 6%

*Fora da temporada de ciclone.

*Fonte: * Pesquisas realizadas pelo projeto de caranguejo do Programa SmartFish em 11 dos 17 distritos administrativos do país que contêm manguezais. ONG FRA & Kasprzyk, 2016

A taxa de mortalidade varia significativamente dependendo do afastamento e acessibilidade das aldeias ou campos de pescadores, da forma como a coleta é organizada e do destino final dos caranguejos. A mortalidade também aumenta significativamente na estação dos ciclones (os valores apresentados na Tabela 7.2 são apenas para fora da época dos ciclones).

As perdas anuais em 2013 foram estimadas em 1 300 toneladas — uma perda comercial de 4,5 milhões de USD (Kasprzyk, 2016). Trata-se de perdas totais, uma vez que os caranguejos mortos não são próprios para consumo humano ou para utilização na alimentação animal, devido a toxinas que se desenvolvem rapidamente após a morte.

As principais causas dessa mortalidade elevada, algumas das quais estão ilustradas na Figura 7.3, são:

a) A forma como a recolha é organizada e o período de tempo prolongado durante o qual os caranguejos são manuseados, desde o momento em que são capturados até à entrega final (até uma semana ou mais para aldeias remotas);

b) Utilização de armazenamento e transporte inadequados, levando ao esmagamento dos caranguejos;

c) Sufocação de caranguejo devido à quantidade e qualidade inadequadas da lama e à falta de rega;

d) Amarração tardia das garras de caranguejo, que incentiva lesões (por serem carnívoras e canibais);

e) Venda de caranguejos sem garras em certas regiões de Madagáscar (se as garras forem removidas, os caranguejos são feridos e, portanto, mais vulneráveis).

Uma vez quantificadas as perdas, o PMRM estabeleceu uma meta de reduzir a mortalidade estimada de 32% em um terço. Com o apoio da SmartFish, implementou um programa com as partes interessadas do setor baseado em dois princípios:

  • Identificar soluções técnicas simples e de baixo custo utilizando competências e materiais disponíveis localmente e promover boas práticas locais;

  • Alcançar uma ampla cobertura geográfica, com inúmeros locais piloto para demonstração.

Entre novembro de 2012 e janeiro de 2014, as práticas foram identificadas, testadas e aprovadas. Os consultores realizaram várias visitas às aldeias, permitindo-lhes identificar os atores (pescadores, grossistas e colecionadores) que relataram menor mortalidade do que outros. Após a análise das técnicas, estes métodos foram testados individualmente durante vários meses pelos líderes de outras aldeias.

! image-20210521193056234

Em colaboração com o World Wildlife Fund, SmartFish realizou 716 testes e demonstrações em 33 aldeias em quatro das seis regiões de mangue de Madagascar. Isto envolveu o fornecimento de materiais de pesca, bem como a formação a 205 pescadores, enquanto cerca de 2 500 pescadores tiveram acesso às manifestações nas suas aldeias.

Em cada local de demonstração, o projeto monitorizou e avaliou as perdas pós-colheita em comparação com a linha de base estabelecida durante os inquéritos iniciais. Isso possibilitou quantificar a redução da mortalidade, bem como analisar a adaptabilidade das inovações, bem como sua rentabilidade (ou seja, receita adicional e período de amortização). É importante ressaltar que um especialista em pescas apoiou regularmente os consultores locais, passando mais de 75 dias trabalhando em aldeias e vilas costeiras entre novembro de 2011 e setembro de 2015.

Este trabalho foi utilizado para produzir o Manual SmartFish nº 35, intitulado “Melhorar o valor do caranguejo de manguezal através da redução das perdas pós-colheita”, publicado em francês e malgaxe pela SmartFish, União Europeia e FAO em 2014, detalhado na próxima seção - divulgação.

QUADRO 7.3

Breve descrição das dez boas práticas publicadas pela SmartFish

Cadeia de valor no setorPrincípiosdeboas práticasPesca1. Rede de argola de caranguejoCaptura de espécimes maiores, em água mais profundaArmazenamento (pescador) 2. Cabana de armazenamento 3. Gaiola de armazenamento decaranguejos abrigando aguardando coleçãoMantendo os caranguejos em seu ambiente natural (sem perdas)Armazenamento (coletor)4. Hangar de armazenamento5. Caixa de armazenamento de caranguejo vivoLimitar as perdas através de armazenamento adequadoManter os caranguejos no seu ambiente natural (sem perdas)Transporte (colector) 6. Carrinhos adaptados (prateleiras)Reduzindo o esmagamento do caranguejo, protegendo-os contra o sol e chuvaTransporte (coletor/atacadista)7. Caixa de madeira para transporteReduzindo o esmagamento do caranguejo, mantendo condições de transporte favoráveisTransporte (coletor/grossista)8. Melhoria das prateleiras para o transporte por pirogueRedução do esmagamento do caranguejo, manutenção de condições de transporte favoráveisTransporte (coleccionador/grossista)9. Melhoria das prateleiras para o transporte por camiãoRedução do esmagamento do caranguejo, manutenção de condições de transporte favoráveisTransporte (coleccionador/grossista)10. Motor de bordo para transporte por pirogueReduzindo o tempo de transporte

A segunda fase do projecto envolveu actividades de sensibilização e divulgação mais amplas, consistindo nos seguintes elementos:

  • Elaboração de um manual técnico detalhado em francês e malgaxe para todos os intervenientes no sector;

  • Produzir um conjunto de ferramentas de sensibilização/divulgação (novamente em francês e malgaxe) baseado no manual, apresentando as diversas ferramentas a diferentes públicos-alvo;

  • Transmissão em estações de rádio locais em dialetos locais, de modo a alcançar um público tão amplo quanto possível;

  • Organização de oficinas regionais e inter-regionais de formação e demonstração;

  • Criação de três unidades móveis de demonstração nas aldeias para mostrar vídeos de treinamento, fazer demonstrações práticas e distribuir as diferentes ferramentas ou kits de divulgação.

O programa visava especificamente cada um dos atores do setor (pescadores, grossistas e colecionadores), bem como aqueles que os rodeiam — ou seja, seus cônjuges e filhos (que participam no manuseamento de caranguejos) e o público em geral que utiliza recursos de mangue. As crianças que frequentam a escola são muitas vezes os únicos membros alfabetizados da família e, portanto, estão mais inclinadas do que os adultos a aceitar as boas práticas e a inovar. Em cada fase, foram envolvidos serviços técnicos, autoridades locais e parceiros de desenvolvimento nas zonas costeiras.

QUADRO 7.4

Descrição do kit de ferramentas de sensibilização

FerramentasConteúdoPúblico-alvo e usarmanualtécnico,formato 17x25 cm (80 páginas)Código de conduta para os operadores e descrição detalhada (fotos, desenhos) de dez boas práticas para reforçar os caranguejos e reduzir as perdas pós-colheitaActores do sector (empresas de recolha, coleccionadores individuais), autoridades de pesca e ambiente costeiro, Organizações não governamentais (ONG) e projectosCartazes de informação (cinco) em formato A2, revestidoInstruções para montagem e utilização das ferramentas para a pesca, transporte e armazenamento de caranguejos recomendados no manual técnicoTodos os atores do setor. Exibição: outdoors de aldeia, mercados, escolas de aldeia e comunidade, escritórios de administração, escritórios locais de ONGs e projetos. Fichas técnicas (dez) em formato A4, folhas concisas e laminadassobre as dez boas práticas descritas no manual técnicoTodos os intervenientes no sector. Distribuído por unidades de demonstrações móveis para pessoas interessadas em uma técnica específica. Programas de rádio (três)Código de conduta e boas práticas, sob a forma de um esboço ou de uma peça curta em diferentes dialetos costeirosPúblico geral (rádio é a única mídia acessível para a maioria das aldeias remotas)Vídeo de treinamento (43 minutos)Fabricação e utilização das ferramentas recomendadas nas boas práticasTodos os intervenientes do sector e do público em geral. Disseminado nas aldeias por unidades móveis de demonstração. Quadrinhos, formato 21x30 cm (15 páginas), bilíngue, em malgaxe e francês Aumentando a conscientização entre os jovens sobre os benefícios dos manguezais, a importância de protegê-los e a existência de boas práticas pós-colheita. Crianças de 10 a 14 anos e suas famílias em áreas de mangue. Distribuído em escolas de aldeia. Envoltório de pano ilustrado (lambahoany), formato 170x112 cm, tecido comserigrafia de quatro coresIlustrações mostrando as boas práticas e lembrando as pessoas do tamanho mínimo de capturaMulheres. Distribuído pelas unidades móveis de demonstração e durante oficinas regionais. Tapetes ilustrados em formato A3, ilustrações duplas e laminadasmostrando as boas práticas e lembrando as pessoas do tamanho mínimo de capturaRestaurantes locais (gárgulas), famílias de pescadores. Distribuído pelas unidades móveis de demonstração e durante oficinas regionais.

Os seminários regionais e inter-regionais nas cidades costeiras de Madagáscar Ocidental foram fundamentais para o êxito do projecto. A partir de 2014, estes reuniram um total de 270 pessoas, das quais 52 eram pescadores e 140 eram atores em outros lugares da cadeia de valor. Durante as oficinas:

  • Os serviços da MRHP demonstraram o seu envolvimento e sensibilizaram para a elaboração de nova legislação.

  • Os operadores e parceiros tiveram a oportunidade de aprovar as boas práticas seleccionadas para divulgação, pelo que participaram plenamente na divulgação.

  • Os participantes tiveram a oportunidade de participar no debate e troca de opiniões sobre o uso sustentável de caranguejos e manguezais, ao mesmo tempo que ganharam formação técnica e conhecimentos especializados.

  • Foi lançado um concurso de inovação para identificar novas práticas ou melhorias àquelas que já tinham sido divulgadas.

O que diferenciava esses workshops foi que incluíam treinamentos práticos e demonstrações, além das apresentações e debates. Isto foi importante na medida em que permitiu aos operadores participarem e demonstrarem os seus conhecimentos especializados. Os pescadores e atacadistas, que foram geralmente bastante passivos durante as apresentações e debates, foram muito ativos durante as sessões de montagem e otimização de equipamentos melhores, como redes de argolas de caranguejo, gaiolas de caranguejo ao vivo ou outras caixas de madeira.

O principal desafio para a campanha de divulgação foi o afastamento das áreas de mangue. Alcançar as aldeias piscatórias é difícil e demorado, pois são acessíveis apenas por mar. Por esta razão, a SmartFish organizou três campanhas de demonstração móvel em abril e maio de 2015, cada uma com duração de seis semanas e viajando em barcos motorizados. Cada unidade móvel era composta por três ou quatro pessoas, incluindo pelo menos um profissional capaz de demonstrar como fazer e usar as diferentes inovações. A unidade móvel estava equipada para mostrar vídeos de treinamento e possuía um kit de divulgação. Adaptou-se à vida e ao horário de trabalho dos pescadores e das suas famílias, a fim de alcançar o maior número possível de pessoas.

Importante, as pessoas que demonstraram as boas práticas nas aldeias foram os melhores pescadores, intermediários e colecionadores. Após eles próprios terem sido treinados, seu novo conhecimento e seu evidente profissionalismo permitiram que eles treinassem outros atores da aldeia (Box 7.1 e Figura 7.4).

CAIXA 7.1 Um dia típico para uma unidade de demonstração móvel De manhã, enquanto os pescadores estavam no mar, a unidade de demonstração encontrou os alunos mais jovens (10-14 anos) na escola e deu-lhes a história em quadrinhos com explicações e discussões. Ao mesmo tempo, um membro da unidade fez uma breve pesquisa com os operadores locais sobre perdas de pesca e pós-colheita, para compreender o contexto local antes da sessão da tarde. Na parte da tarde, foi realizada uma reunião com os pescadores e outros atores da cadeia de abastecimento. Primeiro, foi dada a palavra aos pescadores para exprimirem as suas opiniões. Em seguida, a discussão se ampliou para as causas da mortalidade do caranguejo e como os próprios moradores poderiam reduzir suas perdas. Em seguida, a unidade apresentou o vídeo de treinamento sobre boas práticas (43 minutos) e, em seguida, demonstrou boas práticas específicas (redes de caranguejo, gaiolas de caranguejo, etc.). Os pescadores, atacadistas e colecionadores foram convidados a participar e as pessoas mais ativas e interessadas receberam fichas técnicas laminadas, manual técnico e outros itens do kit de divulgação. No final do dia, a unidade instalou exposições em locais públicos (escritórios, mercados e escolas) e a sede de grupos locais, ONGs e projetos ativos no terreno.

Os resultados das unidades móveis de demonstração foram os seguintes:

  • 46 * fokontany* (unidade administrativa a nível da aldeia) visitada envolvendo cerca de 9 800 pescadores, dos quais 4 000 eram especializados na pesca do caranguejo;

  • 2 060 pescadores treinados, 1 090 crianças receberam uma história em quadrinhos;

  • 140 manuais técnicos, 1 430 folhas laminadas, 225 cartazes, 90 mesas e envoltórios ilustrados;

  • Participação de prefeitos, chefes de aldeia, anciãos experientes, presidentes de organizações comunitárias de base, professores diretores e professores.

As transmissões de rádio foram traduzidas para o malgaxe oficial e os dois dialetos costeiros, e transmitidas 74 vezes por oito estações de rádio locais em cinco grandes cidades costeiras. A rádio também foi utilizada para informar o público sobre os objetivos das unidades móveis de demonstração. A radiodifusão era uma forma de baixo custo de espalhar as principais mensagens aos pescadores, grossistas e colecionadores que não tinham tido contato direto com o governo ou formadores de projetos. Mesmo quando os coletores tinham acesso mais fácil às autoridades ou ao projeto, o rádio ainda servia para aconselhá-los e atualizá-los.

! image-20210521193141364

QUADRO 7.5

Taxas de mortalidade: progressão entre 2013 e 2015

Etapa na cadeia de valor (ator)Taxa de mortalidade (%)20132015Pesca e armazenamento em aldeias (pescadores)7.02.5 Armazenagem em aldeias e transporte para colectores (grossistas)7.02.5Armazenagem em pontos de recolha, incluindo entrega em fábricas ou mercados localizados na costa (colectores)16.06.5Transporte entre cidades costeiras e Antananarivo (coleccionadores) 5.05.5Venda no mercado local/bazar (fornecedores)6.06.5Mortalidade cumulativa: Entrega da cidadecosteira23.0—36,011,5 —18.0Antananarivo entrega28.0—41,017.0—23. 5

*Fonte: * Fatemra e Kasprzyk, 2016.

Durante a duração do projecto, os resultados obtidos foram satisfatórios:

  • Em dois anos, a taxa de mortalidade caiu de 32% para 17,5 por cento.

  • Isto representa um ganho de 600 toneladas de caranguejos com um valor de mercado de 2,1 milhões de dólares.

  • O objetivo de reduzir a taxa de mortalidade em um terço foi ultrapassado.

  • Cada kg de caranguejo “guardado” traduz-se num USD 1 adicional para o pescador.

A mortalidade foi reduzida com sucesso na cadeia de abastecimento principalmente onde os pescadores, intermediários e coletores estavam ativos. Isto foi conseguido graças à disseminação generalizada das práticas melhoradas e à forte participação dos agentes locais da cadeia de abastecimento. Os coleccionadores e os comerciantes que trabalham em conjunto nas zonas de pesca puderam reduzir o tempo de armazenagem dos caranguejos. Em 2012, a coleta ocorreu uma vez por semana ou menos; em 2015, o armazenamento não durou mais de três dias e a coleta ocorreu duas ou três vezes por semana.

No entanto, a mortalidade não caiu entre os coletores que transportam caranguejos vivos para Antananarivo. Isso é explicado pelo aumento da distância entre as cidades costeiras onde ocorre a coleta e a capital: em 2013, os caranguejos enviados para Antananarivo vieram de Mahajanga e Morombe (uma distância de 570—700 km), mas agora um número crescente vem de Antsohihy, Ambanja e até Toliara (uma distância de 750—1 000 km). Rotas mais longas causam maior mortalidade por caranguejos.

Esta parte do estudo diz respeito ao ponto 7.6 das Orientações relativas aos SSF.

Reorientação e crescimento das exportações

QUADRO 7.6

Produção e exportação de caranguejos entre 2012 e 2017

Descrição20122013201420152016* 2017QVQVQVQVQV QVCapturas4 052-6 014-6 946-7 306-6 300-6 018-Exportações (em peso vivo)2 454-3 221 -4 465-3 594-3 156-3 008-Exportações (em produtos acabados)1 1004.921 96612.193 40120.802 83616.612 34511.852 317 10.73Vivo290.168818.072 47617.172 20514.491 6689.271 7158.13Congelado1 0403.821 0844.069253.63632 2,126772,586022,60Semi-conservado310,941,40,06-----

Q — quantidade (toneladas); V — valor (milhões de USD);\ *2016: nova estimativa por consultor; 

Coeficiente de conversão em peso vivo: caranguejo vivo (1.0), caranguejo inteiro congelado (1.1), caranguejo congelado em pedaços (2.2), caranguejo cru (6.1), caranguejo pasteurizado (10.0).

*Fonte: * Serviço de estatísticas MRHP.

Até 2012, os caranguejos congelados em pedaços representavam 93 por cento da tonelagem e 73 por cento do valor das exportações; pequenas quantidades de caranguejo vivo foram vendidas às vizinhas Maurícias e Reunião. O caranguejo congelado foi vendido principalmente para a Europa, em particular para a França (Kasprzyk, 2014). Então, em 2013, o PMRH começou a conceder várias licenças para a coleta e exportação de caranguejos vivos, o que se refletiu rapidamente nas exportações (Quadro 7.6). Houve um aumento de 49 por cento na produção total de caranguejos em 2017 em comparação com 2012 (Figura 7.2); durante o mesmo período, a tonelagem das exportações de peso vivo aumentou apenas 23 por cento, enquanto o valor das exportações aumentou em um múltiplo de 2,2.

Este grande aumento do valor das exportações explica-se essencialmente pelo aumento significativo da proporção de caranguejos vivos exportados (3% em 2012, mais de 70% a partir de 2014) e pelo seu valor mais elevado: o preço médio do peso vivo por quilograma é 1,7 vezes superior ao dos caranguejos congelados. A Europa, os principais importadores de caranguejo congelado antes de 2012, foi agora ultrapassada pela Ásia (em particular a China).

Impacto no preço de venda e na renda dos pescos. Foram realizadas pesquisas para quantificar a redução das perdas e a melhoria da renda alcançada pelo projeto de caranguejo, 191 pessoas - pescadores, intermediários e coletores foram pesquisados em setembro e outubro de 2015 em 38 aldeias e 8 cidades costeiras ocidentais (Ambanja, Antsohihy, Mahajanga, Namakia, Soalala, Belo- Sur-Tsiribihina, Morondava e Morombe) em 11 distritos. Os resultados mostraram que o preço passou de uma média nacional inferior a 0,5 USD por kg no início de 2012 para mais de 1,1 USD por kg no final de 2015. Para os pescadores de pirogue na região de Boeny, o seu rendimento aumentou 26% entre 2011 e 2015, apesar de as capturas terem diminuído 33% durante o mesmo período (Quadro 7.7). Isto é principalmente atribuível ao aumento do preço de venda. A redução das perdas pós-colheita também contribuiu, mas em menor grau.

No entanto, a média nacional escondeu diferenças significativas de preços entre as regiões: 1,88 USD por kg para as regiões de Sófia e Diana, 0,74 USD por kg para Boeny e Menabe, e apenas 0,38 USD por kg para Atsimo-Andrefana. Estas disparidades são explicadas pelas diferenças de qualidade dos caranguejos recolhidos e pelos custos de transporte mais elevados nas regiões mais remotas. Além disso, o aumento médio dos preços em todas estas regiões incentivou desde então todos os intervenientes no sector a adoptarem as novas práticas.

QUADRO 7.7 Capturas médias e ganhos dos pescadores de pirogue em 2011 e 2015 — região de Boeny

Descrição20112015Capturas mensais (kg)261196Preço de venda (USD/kg)0,470,74 Rendimento mensal bruto (USD)114144

Fontes: Kasprzyk, 2012; Fanesra et al., 2016.

O rendimento adicional obtido pela redução das perdas é substancial entre os colectores e os grossistas (Quadro 7.8). A concorrência feroz levou esses atores a tomarem as técnicas disseminadas pelo projeto. As receitas geradas, por vezes, ajudam a financiar os materiais necessários para melhorar ainda mais o equipamento de pesca e armazenamento. Os colecionadores e grossistas continuam atualmente o trabalho do projeto aplicando e divulgando as boas práticas, e ganhando mais com isso.

QUADRO 7.8

*Rendimento mensal adicional obtido graças à redução da mortalidade (média nacional) *

ActorProdução mensal (kg)Preço unitário de venda(USD/kg)Redução das perdasRendimento mensal adicional devido a a redução das perdas (USD%kgFisher1941,004,5(7,0—2,5 = 4,5) 99,54Intermediário2221 1,404,5(7,0—2,5 = 4,5) 100 140Coletor3 9392,209,5 (16,0—6,5 = 9,5)374823

Fonte: * Fanesra *et al., 2016.

Impacto no mercado local

A abertura do mercado para as exportações de caranguejos vivos levou a receios de que pudesse diminuir a quantidade disponível para consumo local. Com efeito, observou-se o contrário: o consumo e as vendas locais mais do que triplicaram, passando de 628 toneladas em 2012 para 1 964 toneladas em 2017 (Quadro 7.9).

QUADRO 7.9

*Distribuição das capturas de caranguejo em 2012 e 2017 (em toneladas) *

Descrição20122017Total de capturas4 0526 018Distribuiçãoperdas pós-colheita9701 050exportações 2 4543 008consumo local6281 964

*Fonte: * Kasprzyk e Levrel, 2018a.

O crescimento relativamente fraco da quantidade de exportações de caranguejos pode dever-se à arqueação significativa rejeitada pelos coletores/exportadores de caranguejos vivos, devido ao facto de os caranguejos serem fracos, feridos, baixo rendimento de carne e, acima de tudo, abaixo do tamanho normal. Em média, os exportadores rejeitam entre 40 e 45 por cento dos caranguejos que lhes são fornecidos. Estes produtos são vendidos imediatamente a comerciantes locais e, em menor medida, a exportadores de caranguejos congelados. Alguns dos caranguejos que não são vendidos são comidos pelos próprios pescadores. A quantidade estimada de capturas consumidas pelos pescadores aumentou de 5% para 9% na Baía de Mahajamba (Kasprzyk, 2012; Kasprzyk e Levrel, 2018b).

Medidas de gerência

Em 2006, foi recebida uma primeira tentativa de pôr em prática um plano de gestão com resistência entre os intervenientes no sector. As únicas regras aceitas foram um tamanho mínimo de carapaça de 100 mm, que protegia apenas 10 por cento das fêmeas maduras (Rafalimanana, 2006), e a proibição de capturar fêmeas portadoras de ovos e caranguejos de casca mole.

Posteriormente, o aumento do rendimento dos pescadores tornou mais viável a introdução de novas medidas de gestão no sector. Além disso, as capturas aumentaram significativamente, excedendo 90% do MSY em 2014-2015. A partir de 2015, o MRHP tomou várias decisões importantes para melhor regular a colheita de caranguejo:

  • limitar as capturas anuais em 5 000 toneladas;

  • Fixação do contingente de exportação total autorizado para 4 250 toneladas por ano (em 2015, o contingente de exportação foi fixado em 3 600 toneladas e foi repartido por nove operadores situados em cinco regiões);

  • Aumentar a dimensão mínima da carapaça para caranguejos capturados de 100 para 110 mm;

  • Encerrar a pesca durante quatro meses por ano (a lei de encerramento também proibiu a recolha, venda, compra, transporte, armazenagem e exportação de caranguejos vivos e transformados). Dado que a maioria dos pescadores tem como alvo múltiplas espécies, podem continuar a ganhar com peixes, camarões ou outras capturas durante o encerramento;

  • Proibição da colheita de caranguejos de casca mole ou fêmeas portadoras de ovos, bem como de pescadores e grossistas que manuseiam caranguejos sem pernas ou garras antes da venda;

  • Proibição do corte, recolha, transporte e venda de madeira de mangue.

Os pescadores da Costa Oeste de Madagascar já estão entre as pessoas mais pobres e marginalizadas do país. O rápido crescimento populacional e a migração costeira estão a causar pressões sobre a pesca costeira e os manguezais. Neste contexto, o trabalho para reduzir as perdas pós-captura e, assim, aumentar o valor das colheitas de caranguejo reduz a pobreza e facilita uma melhor gestão dos recursos naturais.

A experiência de Madagáscar mostra que, mesmo quando pescam menos caranguejo, os pescadores, grossistas e os colecionadores individuais foram capazes de manter ou mesmo aumentar a sua renda. Isto tornou-se possível graças a (a) ao preço mais elevado do caranguejo de alta qualidade (saudável, com maior rendimento de carne) adequado para exportação viva, e b) à redução das perdas pós-colheita através de uma ampla utilização das boas práticas. O incentivo ao preço, juntamente com o envolvimento de todos os atores do setor na co-concepção de melhorias e promoção da sua adoção, ajudou o PMRH a valorizar o setor do caranguejo e a incentivar a gestão sustentável.

Paralelamente ao desenvolvimento e aplicação de medidas de gestão das pescas ou dos ecossistemas, a manutenção ou a melhoria do rendimento dos pescadores deverá ter um impacto positivo nos recursos haliêuticos, bem como na protecção das florestas de manguezais. Quando os pescadores ganham uma vida melhor graças aos manguezais, esperamos que estejam menos inclinados a cortar e vender madeira de mangue, e também demonstram maior interesse em combater o tráfico de madeira e cortar manguezais para o carvão vegetal.

O sucesso deste projeto tem sido possível devido a certas condições:

  • A forte procura internacional de caranguejo selvagem, a um preço mais elevado, facilitou melhorias nas práticas de pesca e pós-colheita.

  • A MRHP está disposta a colaborar ativamente com o Programa SmartFish e a promulgar rapidamente as recomendações de workshops nacionais e regionais inclusivos.

  • Os intervenientes no sector co-conceberam melhorias e testaram-nos em operações reais. Isso significava que as boas práticas usavam inovações técnicas que eram baratas e podiam ser prontamente feitas com materiais locais.

  • Estes mesmos intervenientes promoveram a utilização de boas práticas e ajudaram a sua aceitação generalizada. Acima de tudo, a acção no terreno foi fundamental para o êxito do projecto.

Os desafios da gestão conjunta

O seminário nacional realizado em 21 de Março de 2006 recomendou uma abordagem participativa das eventuais alterações ao plano de gestão da pesca do caranguejo e da sua aplicação efectiva no terreno (MAEP, JICA e Océan Consultant, 2006). Por razões administrativas e políticas, o próximo workshop só teve lugar em março de 2012. Este workshop nacional iniciou a mudança das exportações para o mercado de caranguejos vivos e comprometeu-se a reduzir em um terço a mortalidade pós-colheita. Em seguida, a MRHP utilizou cinco oficinas regionais entre novembro e dezembro de 2014 para divulgar as medidas de gestão propostas que seriam introduzidas em 2015. O manual técnico SmartFish sobre o aumento do valor do caranguejo de mangue através da redução das perdas pós-colheita foi divulgado durante essas oficinas.

Em novembro de 2015, o workshop nacional sobre os resultados do projeto de caranguejo SmartFish concluiu que o objetivo de 2012 de reduzir as perdas estimadas de 32% em um terço tinha sido alcançado (as perdas caíram para 17,5 por cento das capturas). As recomendações do workshop incluíram:

  • Reduzir ainda mais a mortalidade pós-colheita para 12,5 por cento;

  • Alargar a sensibilização e as manifestações a novas áreas, incluindo a região de Melaky e o delta de Mangoky;

  • Mobilizar os recursos necessários para a implementação efetiva das medidas de gestão especificadas nos regulamentos.

No entanto, quando o projeto terminou em junho de 2016, surgiu a questão da continuidade, em particular de como reunir inclusivamente todos os atores da pesca para manter o diálogo e melhorar a pescaria. Em seguida, em 2017, o PMRH cancelou o encerramento sazonal da pesca do caranguejo, o que causou preocupação entre muitas partes interessadas de que isso colocasse o recurso em perigo, tendo em conta os reais riscos da sobrepesca. As épocas fechadas são frequentemente aplicadas em outros países; são fáceis de controlar e eficazes na restauração de estoques (Razafindrainibe, 2006).

Contestos de aplicação da regulamentação

Num estudo realizado pela Blue Ventures intitulado “Resumo dos acontecimentos recentes que influenciaram o sector do caranguejo e a sua gestão”, foi demonstrado que os pescadores, grossistas e vendedores nos mercados locais muitas vezes não respeitam o tamanho mínimo das capturas nem a protecção das fêmeas portadoras de ovos e dos caranguejos de casca mole. O número limitado de inspectores no serviço nacional de vigilância das pescas, o Centre de Surveillance des Pêches, dificulta o controlo no terreno. A quota anual de capturas foi igualmente ultrapassada. Além disso, a proibição de cortar madeira de mangue encontrou muitos desafios devido a jurisdições sobrepostas; o uso de madeira de mangue é governado pelo ministério responsável pelo meio ambiente e florestas.

Com base nesses eventos e na observação de campo, a rede MIHARI (plataforma nacional de pesca em pequena escala) preparou e organizou duas oficinas inter-regionais, bem como uma oficina nacional de feedback intitulada “Reforçar o valor da produção e gestão responsável do caranguejo de mangue” (Meilleure valorisation de la production et gestion responsable du crabe de mangrove) no segundo semestre de 2018. Durante o workshop, os participantes priorizaram as seguintes ações:

  • Restauração de uma época fechada nacional com duração de três meses (setembro a novembro) com início em 2019;

  • Modificação da quantidade máxima autorizada de caranguejos exportados para corresponder à quota de produção atual;

  • Reforçar a comunicação de todas as regulamentações do sector do caranguejo utilizando abordagens inovadoras e adaptáveis;

  • Formação de pescadores e distribuição do guia de boas práticas a todos os outros intervenientes na cadeia de valor do caranguejo.

Na presença de funcionários da MRHP, os participantes formularam e aprovaram 15 recomendações para 2019/2020. Estas medidas diziam respeito à reavaliação das unidades populacionais de caranguejo; à preservação e à restauração dos manguezais; à valorização da produção de caranguejos; à melhoria e à promoção de sistemas (especialmente baseados na comunidade) de acompanhamento, controlo e monitorização. Estas recomendações serão implementadas pelas autoridades pesqueiras e vários projectos, ONG e organizações de pescadores.

Garantir a continuidade do processo de inovação técnica

É crucial que o PMRH mantenha o processo de trabalho com o setor do caranguejo para identificar, coprojetar e divulgar novas boas práticas que aumentem o valor das capturas de caranguejo. Tal abordagem tem sido o cerne do sucesso do projecto até à data. A rede MIHARI poderia desempenhar um papel fundamental no envolvimento das comunidades piscatórias e na facilitação do diálogo. Em 2018, a Blue Ventures publicou um novo guia de boas práticas no setor do caranguejo. As 16 soluções que propôs, juntamente com as 10 propostas do Manual Técnico nº 35 publicado pela SmartFish em 2014, devem permitir que os operadores aprendam a ganhar mais enquanto capturam menos (Figura 7.5).

O guia Blue Ventures 2018 detalha formas inovadoras de manter os caranguejos vivos e apoiar a gestão da pesca. Foi produzido como parte de uma competição lançada pela SmartFish em 2015. Dois anos depois, em dezembro de 2017 e janeiro de 2018, especialistas se reuniram com 35 participantes da competição para observar e testar no local a viabilidade de suas soluções técnicas propostas. Em última análise, 16 inovações foram consideradas eficazes e valem a pena incluir no guia. O guia de 50 páginas, em francês e em dois dialetos malgaxes locais, foi entregue aos funcionários da MRHP, exportadores, colecionadores, atacadistas e pescadores em 2018 durante workshops organizados pela MRHP com a MIHARI e a Blue Ventures.

A experiência de Madagascar poderia ser compartilhada com muitos países do Oceano Índico Ocidental que têm manguezais. A experiência específica na gestão da pesca do caranguejo e das suas cadeias de abastecimento tem sido desenvolvida nestes países, o que torna o intercâmbio de experiências potencialmente muito frutífero.

A colaboração regional poderia ser acelerada através da organização de um fórum internacional em Madagáscar para o intercâmbio de experiências, envolvendo os operadores económicos e as autoridades pesqueiras dos países em causa. Independentemente das soluções técnicas aplicadas em última análise, a experiência de Madagáscar diz-nos que o seu sucesso depende de certas condições prévias, nomeadamente: i) uma firme determinação por parte do governo nacional de desenvolver o sector do caranguejo no interesse dos pequenos operadores (pescadores, grossistas, coleccionadores); e ii) a existência já de uma pesca de caranguejo relativamente bem desenvolvida, com coleccionadores e exportadores experientes, nomeadamente de marisco vivo.

! image-20210521193738245

Ali, M.Y. et al. 2004. Estudos biológicos do caranguejo de lama Scylla serrata (Forskal) do ecossistema de manguezais de Sundarbans na região de Khulna no Bangladesh. Pakistan Journal of Biological Sciences, 7 (11): 1981—1987.

Jones, T., Glass, L., Gandhi, S., Ravaoarinorotsihoarana, L., Carro, A., Benson, L., Ratsimba, H., Giri, C., Randriamanatena, D. e Cripps, G. 2016. Manguezais de Madagáscar: Quantificação de Dinâmicas Específicas Nacionais e Ecossistemas, e Mapeamento Contemporâneo Detalhado de Ecossistemas Distintos. Detecção Remota 8 (2).

FNOMRA (ONG) & Kasprzyk, Z. 2016. Sensibilisation et vulgarisation des interventions pilotes permettant de réduire les pertes post capture et d'améliorer le revenu des opérateurs de la filière du crabe Scylla serrata à Madagáscar. Relatório final. Antananarivo, SmartFish, UE e FAO.

FRA (ONG), Kasprzyk, Z., Randriamahaleo, B. & Rasolonjatovo, A. 2016. * La réduction des pertes après capture dans la chaîne de valeur du crabe Scylla serrata et son impact sur les revenus des opérateurs à Madagáscar*. Rapport d'atelier nacional. Antananarivo.

FAO. 2015. *Diretrizes voluntárias para garantir uma pesca sustentável em pequena escala no contexto da segurança alimentar e da erradicação da pobreza

Kasprzyk, Z. 2012. Une analyse global de la chaîne d'approvisionnement de la pêcherie du crabe de mangrove à Madagáscar. Antananarivo, SmartFish, UE e FAO.

Kasprzyk, Z. 2014. Meilleure valorisation des crabes de mangrove à travers la réduction des pertes après captures. Manual Técnico Nº 35. Antananarivo, SmartFish, UE e FAO.

Kasprzyk, Z. & Levrel, A. 2018a. La filière du crabe de mangrove à Madagáscar: Guide de bonnes pratiques. Antananarivo, MIHARI & Blue Ventures.

Kasprzyk, Z. & Levrel, A. 2018b. * La chaîne de valeur et les opportunités de meilleure valorisation des principaux produits halieutiques de la baie de Mahajamba* Antananarivo, Blue Ventures.

Le Reste, L.** 1976. Etat de nos connaissances sur le crabe de vase Scylla serrata (Forskal) à Madagáscar. Paris, Orstom.

MAEP, JICA & Océan. 2006. Évaluation du stock de crabes de mangrove Scylla serrata exploité par la pêche traditionnelle de Madagascar. Déroulement des ateliers et plan de gestion et d'aménagement de la pêcherie aux crabes de mangrove Scylla serrata à Madagáscar. Relatório técnico. Antananarivo.

MRHP & PASP. 2014. Enquête cadre nationale. Antananarivo.

ONE & ANGAP. 1997. Monographie nationale sur la biodiversité. Antananarivo, PNUD, ONE & ANGAP.

** Rafalimanana, T.** 2006. Filière crabe à Madagascar. Em Z. Kasprzyk, T. Razalimanana, E. Ranaivoson, H. Randriamiarana & H. Razafindrainbe, eds. Évaluation de stock de crabe de mangrove Scylla serrata exploité par la pêche traditionnelle de Madagascar et Plan de gestion et d'aménagement de la pêcherie aux crabes de mangrove à Madagáscar. Antananarivo, MAEP & JICA.

Ralison, A. 1987. Les ressources halieutiques. Nosy Be, Madagascar, Centre National des Recherches Océanographique.

*Fonte: Zelasney, J., Ford, A., Westlund, L., Ward, A. e Riego Peñarubia, O. eds 2020. Garantir uma pesca sustentável em pequena escala: Exposição de práticas aplicadas em cadeias de valor, operações pós-colheita e comércio. Documento Técnico de Pesca e Aquicultura da FAO Nº 652. Roma, FAO. https://doi.org/10.4060/ca8402en *


  1. O programa SmartFish é uma iniciativa financiada pela Comissão Europeia para desenvolver e apoiar a implementação da estratégia de pesca da África Oriental e Austral e do Oceano Índico (ESA-IO) para uma gestão sustentável do sector das pescas. 


Food and Agriculture Organization of the United Nations

http://www.fao.org/
Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.