common:navbar-cta
Baixar aplicativoBlogRecursosPreçosSuporteEntrar

16.1 Introdução

2 years ago

4 min read
EnglishEspañolعربىFrançaisPortuguêsItalianoहिन्दीKiswahili中文русский

Os principais impulsionadores declarados para a pesquisa aquapônica são os desafios ambientais, sociais e econômicos globais identificados por autoridades supranacionais como a Organização para Alimentação e Agricultura (FAO) das Nações Unidas (ONU) (DESA 2015), cujos apelos à produção sustentável e estável de alimentos avançam a “necessidade de novos e soluções melhoradas para a produção e consumo de alimentos” (1) (Junge et al. 2017; Konig et al. 2016). Existe um reconhecimento crescente de que os modos de produção agrícolas atuais causam desperdício de consumo excessivo de recursos ambientais, dependem de combustíveis fósseis cada vez mais escassos e caros, exacerbam a contaminação ambiental e, em última análise, contribuem para a mudança climática (Pearson 2007). No nosso tempo de “pico de tudo” (Cohen 2012), o “negócio como de costume” para o nosso sistema alimentar aparece em desacordo com um futuro sustentável e justo da provisão alimentar (Fischer et al. 2007). Uma revolução do sistema alimentar é urgentemente necessária (Kiers et al. 2008; Foley et al. 2011), e como os capítulos iniciais (Chaps. 1 e 2 deste livro atestar, tecnologia aquaponica mostra muita promessa. Os sistemas fechados da aquapônica oferecem uma convergência especialmente sedutora de potenciais resoluções que poderiam contribuir para um futuro mais sustentável (Kőmíves e Ranka 2015). Mas, perguntamos, para que tipo de futuro sustentável a pesquisa aquapônica e a tecnologia aquapônica podem contribuir? Neste capítulo, damos um passo atrás para considerar as ambições de nossa pesquisa e as funções de nossa tecnologia.

Neste capítulo, situamos a pesquisa aquapônica atual dentro das mudanças de visão em larga escala que ocorrem nas ciências e além devido à problemática que se tornou conhecida como 'Antropocena' (Crutzen e Stoermer 2000b). Expandindo muito além dos limites de sua formulação geológica original (Lorimer 2017), o conceito de Antropoceno tornou-se nada menos do que “a narrativa mestre dos nossos tempos” (Hamilton et al. 2015). Representa uma realização urgente que exige perguntas profundas sobre a forma como a sociedade se organiza e se relaciona com o mundo, incluindo o modus operandi da nossa pesquisa (Castree 2015). No entanto, até agora, o conceito tem sido largamente afastado na literatura aquapônica. Este capítulo introduz o Antropoceno como um quadro de referência obrigatório que deve ser reconhecido para qualquer esforço concertado para a futura segurança alimentar e sustentabilidade.

Discutimos como o Antropoceno perturba alguns princípios fundamentais que sustentaram a agrisciência tradicional da Revolução Verde (Stengers 2018) e como isso traz desafios e oportunidades para a pesquisa aquapônica. A Aquaponics é uma inovação que promete contribuir muito para os imperativos da sustentabilidade e da segurança alimentar. Mas esse campo emergente está em uma fase inicial que se caracteriza por recursos limitados, incerteza do mercado, resistência institucional com altos riscos de fracasso e poucas histórias de sucesso — um ambiente de inovação onde a propaganda prevalece sobre os resultados demonstrados (König et al. 2018). Sugerimos que esta situação se caracteriza por um tecnootimismo extraviado que não é propício às mudanças mais profundas no sentido da sustentabilidade que são necessárias ao nosso sistema alimentar.

Diante disso, sentimos que a comunidade de pesquisa aquaponica tem um papel importante a desempenhar no desenvolvimento futuro desta tecnologia. Sugerimos um redirecionamento da pesquisa aquaponica em torno das principais demandas do nosso sistema alimentar - sustentabilidade e segurança alimentar. Tal tarefa implica que consideremos mais profundamente a natureza da sustentabilidade e, por isso, aproveitamos os insights dos campos da ciência da sustentabilidade e da STS. Abordar a sustentabilidade no Antropoceno obriga a necessidade de atender de forma mais holística as dimensões biofísica, social, econômica, jurídica e ética interagindo nos sistemas aquapônicos (Geels 2011). Esta não é uma tarefa pequena que impõe grandes exigências à forma como produzimos e utilizamos o conhecimento. Por isso, discutimos a necessidade de desenvolver o que chamamos de “conhecimento crítico de sustentabilidade” para a aquapônica, dando ponteiros para possíveis caminhos a seguir, que incluem (1) expandir a pesquisa aquapônica em um domínio de pesquisa interdisciplinar, (2) abrir a pesquisa a abordagens participativas no mundo real e (3) prosseguir uma abordagem orientada para a solução para resultados de sustentabilidade e segurança alimentar.


Aquaponics Food Production Systems

Loading...

Mantenha-se atualizado sobre a mais recente Aquaponic Tech

Empresa

  • Nossa equipe
  • Comunidade
  • Pressione
  • Blog
  • Programa de referência
  • Política de privacidade
  • Termos de serviço

Direitos autorais © 2019 Aquaponics AI. Todos os direitos reservados.